Mossoró: da Rosalatria à Rosafobia?

Rosalba no rumo do ocaso? (Foto: arquivo)

♪ Nada do que foi será
De novo do jeito que já foi um dia
Tudo passa, tudo sempre passará ♫ (Nelson Motta / Lulu Santos)

Por João Bosco Souto Araújo *

Para decepção, surpresa e tristeza dos Rosálatras – idólatras de Rosalba – trinta e dois anos depois e quatro mandatos à frente da prefeitura de Mossoró, a maioria do eleitorado mossoroense migrou da rosalatria à rosafobia, impondo a primeira derrota na carreira política de Rosalba.

Tomando emprestado palavras do vocabulário teatral, a epítase ­- a parte do poema dramático que se segue à prótase e antecede a catástase, e na qual se desenvolvem os incidentes principais da intriga – configurou-se em 2018 quando a chapa que trazia na vice o filho da prefeita – Kadu Ciarlini – foi derrotada no 1º e 2º turno em Mossoró, a derrota só não foi geral porque o deputado Beto Rosado (PP) conquistou mandato de deputado federal que está subjudice, pra mim, portanto, 2018 foi o prenúncio da catástase – a terceira parte da tragédia clássica, que se segue à prótase e à epítase, e na qual os acontecimentos ou peripécias se adensam, se precipitam e se esclarecem; desenredo, desenlace.

A insatisfação da população com a administração de Rosalba era visível (ver AQUI), só os apaixonados não admitiam ou percebiam que o candidato que conseguisse galvanizar o eleitor antirosalbista  (ver AQUI)  teria grande possibilidade de derrotá-la e este candidato foi o deputado estadual Allyson Bezerra (Solidariedade).

O líder do Rosalbismo, Carlos Augusto Rosado, não sei se por arrogância ou por acionapsia – impossibilidade de distinguir a cor azul –, não percebeu a formação da onda azul, cor adotada pelo prefeito eleito de Mossoró, e foi tragado por ela levando a pique a candidatura de sua cônjuge.

A vitória do “menino pobrezinho” foi um fato de repercussão nacional (ver AQUI) e por tamanho feito faço votos que o prefeito eleito não sinta-se excessivamente envaidecido.

A propósito, lembrei-me de um preceito latino, “Cave ne cadas: Definição de cave ne cadas – Cuidado, não caias. Advertência que fazia um escravo ao triunfador romano, para que ele não se deixasse possuir de orgulho excessivo.”¹

Talvez o prefeito não conheça a expressão latina, mas suponho que conheça as Sagradas Escrituras: “37. Não sejas hipócrita diante dos homens, e que teus lábios não sejam motivo de queda. 38. Vela sobre eles para que não caias, e não atraias sobre tua alma a desonra.”²

Pelo perfil técnico dos auxiliares escolhidos espera-se uma gestão moderna e capaz de responder aos anseios da população. Desejo ao prefeito que sua gestão seja exitosa, do contrário em 2024 Rosalba voltará com a velha cantilena de que vai – mais uma vez! – “reconstruir” Mossoró.

Fontes:

¹ – https://portuguesaletra.com/latim/cave-ne-cadas-latim/

² – https://www.bibliacatolica.com.br/biblia-ave-maria/eclesiastico/1/

*É representante comercial e graduado em história pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN).

Compartilhe:

Comments

comments

2 opiniões sobre “Mossoró: da Rosalatria à Rosafobia?

  • 4 de janeiro de 2021 em 09:58
    Permalink

    Beleza amigo. Vida nova para os Mossoroenses, a esperança do povão da periferia esta chegando.Em nome de Jesus Cristo.
    Amigo teve não sei se foi um blog que relatou Mossoró do passado no final da materia saiu o Meu Pai Messias Lopes e esposa Joanita, tambem saiu Trio Mossoro e Carlos Andre. mas não encontro aqui não sei onde procurar para salvar aqui no meu arquivo.O pior é que não sei o nome da pessoa que escreveu. Tem como ajudar? Quando manerar essa pandemia gostaria de contar com o amigo para me apresentar ao novo Prefeito, acredito que ele deve me conhecer de nome. Abs.Carlos Andre.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *