Prefeito não sanciona lei que torna profissionais de educação prioridade na vacinação contra covid-19

Allyson não se posicionou sobre projeto (Foto: reprodução)

Venceu o prazo para o prefeito Allyson Bezerra (SD) sancionar a lei que torna prioritária a vacinação de professores.

O projeto é de autoria da vereadora Marleide Cunha (PT) que reclamou nas redes sociais. “Prefeito Allyson não cumpriu a palavra. Deixou encerrar o prazo e não sancionou o PL 90/21. Optou por ignorar os professores e profissionais da educação. A indiferença é atitude de quem diz valorizar a educação?”, disparou.

O Blog do Barreto procurou o prefeito por meio da Assessoria de Comunicação que informou que ele não vetou o projeto que agora será devolvido ao legislativo.

O presidente da Câmara Municipal de Mossoró Lawrence Amorim (SD) em conversa com a nossa página disse que vai solicitar um número para a lei e analisar se vai promulga-la. “A gente precisa aguardar que o projeto retorne para a Câmara Municipal e precisaremos solicitar um número para a lei. Acredito que na segunda-feira vamos solicitar a devolução e analisar a promulgação”, explicou.

Nota do Blog: a lei promulgada ou não será ineficaz. O que vale é definido pelo Plano Nacional de Imunização.

Compartilhe:

Comments

comments

2 opiniões sobre “Prefeito não sanciona lei que torna profissionais de educação prioridade na vacinação contra covid-19

  • 7 de maio de 2021 em 15:12
    Permalink

    E porque tem cidades já estão vacinando professores, se estou enganado em São Paulo, tem municípios já estão vacinando professores professores.

    Resposta
  • 7 de maio de 2021 em 18:00
    Permalink

    É uma atitude desajustada e desastrosa quando olhamos a origem do Prefeito; e olhamos a situação de uma categoria desvalorizada; a partir dos Governos Municipais que se estende até o Federal. São tratados como nada! A começar pelos Planos de carreira; Salários; reconhecimentos e oportunidades de aperfeiçoamentos em suas Áreas.(essa última somente no Governo Lula)!
    Se essa atitude e ação viesse dos Rosados, seria admissível! Mas, vinda de um criança ruralista que está onde chegou por teve o apoio de todos os professores começando do infantil até a UFERSA. É triste e lamentável ver Allyson se comportando de forma tão mesquinha e baixa com uma classe oprimida, desvalorizada e sem reconhecimento dos governantes. Estou falando dos professores do Infantil até o Ensino Médio!
    Aprendi uma lição há muito tempo atrás com meus avós: “Quer conhecer as pessoas, deem poder a elas!”

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *