RN é o Estado com maior quantidade de denúncias de violações contra idosos no Nordeste

Denúncias podem ser feitas através de ligação para o Disque 100, que funciona gratuitamente, 24 horas por dia (Foto: Divulgação MMFDH)

O Rio Grande do Norte é o quarto estado do país e o primeiro do Nordeste em quantidade de registros relacionados a casos de violações contra pessoas idosas. O índice registrado pelo estado potiguar foi de 30,5 denúncias por grupo de 100 mil habitantes. Em números absolutos, em 2019 foram mais de mil casos. As informações são do balanço divulgado pelo Disque 100 (Disque Direitos Humanos), na quinta-feira passada, 25 de junho, através do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH).

Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) a população estimada do RN é de cerca de 3,5 milhões de habitantes.

O critério de avaliação dos dados por grupo de 100 mil habitantes objetiva a obtenção de indicadores que permitam comparar diferentes localidades, independentemente do quantitativo da população, conforme explica o MMFDH, que é responsável pelo canal de denúncias.

“No Nordeste, o RN é seguido da Paraíba, que ocupa o quinto lugar do país. O estado paraibano registrou o índice de 28,0. O local, que possui mais de 4 milhões de habitantes, teve 1,1 mil casos denunciados de violência contra pessoas idosas”, informa o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos.

Entre os estados do Nordeste, o Ceará aparece na sequência, com índice de 21,4, seguido de Sergipe (20,0) e Piauí (20,0), que ocupam a 11ª e a 13ª posições, respectivamente. De acordo com as informações, o décimo quinto lugar é de Pernambuco (17,8), seguido por Maranhão (17,1), que é o décimo sétimo do ranking. Alagoas (13,1) e Bahia (12,6) ocupam o 21º e a 22º.

Cenário nacional

Segundo o Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, mais de 48,4 mil denúncias de violações contra pessoas idosas foram recebidas em todo o Brasil no ano de 2019. O número representa um aumento de 22,6% quando comparado a 2018, quando o serviço registrou 37,4 mil casos.

“O levantamento realizado pelo MMFDH também informa que ocorreram 93,3 mil tipos de violações contra idosos no ano passado. Os relatos envolvem negligência (38.542), abuso financeiro e econômico (18.573), discriminação (122), trabalho escravo (17), tortura e outros tratamentos ou penas cruéis (4), tráfico de pessoas (1), outras violações (296). Casos de violência psicológica (22.409), física (11.248), institucional (1.882) e sexual (212) completam os índices. É importante destacar que cada denúncia pode ter mais de um tipo de violação”, informa o Ministério.

Canais de atendimento

O MMFDH informa que o Disque 100, o app Direitos Humanos Brasil e o site da Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos (ONDH), implantados pelo Ministério, são disponibilizados gratuitamente e funcionam 24 horas por dia, inclusive em feriados e nos finais de semana.

“Os canais funcionam como ‘pronto-socorro” dos direitos humanos, pois atendem também graves situações de violações que acabaram de ocorrer ou que ainda estão em curso. Por meio deles, qualquer vítima ou testemunha pode acionar os órgãos competentes e colaborar para que os autores sejam pegos em flagrante”, informa o Ministério.

Com informações do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos

Compartilhe:

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *