Sem sucesso quanto à mudança na data do Enem, secretários de Educação manterão busca pelo adiamento

Provas estão marcadas para o mês de novembro (Imagem: Reprodução)

Integrantes do Conselho Nacional de Secretários de Educação (CONSED) se reuniram ontem, 4, por videoconferência, com o presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP), Alexandre Lopes. Na pauta, a necessidade de incluir alunos da rede pública para serem contemplados com a isenção da taxa de inscrição do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) e de adiar a aplicação das provas.

“Nesta reunião, nós colocamos todas essas nossas preocupações e fomos discutindo com eles por onde nós caminharíamos. A primeira foi sobre a isenção que já houve, já passou tempo. Explicamos que para muitos desses alunos a isenção é feita na própria escola, porque eles não têm equipamentos”, informa o secretário estadual de Educação do RN, Getúlio Marques, que participou da reunião.

Segundo ele, quanto a essa solicitação, foi definido que no retorno das atividades letivas as secretarias enviarão os nomes de alunos que não conseguiram solicitar a isenção para tentar alcançar a dispensa do pagamento e fazer com que mais alunos da rede pública possam fazer o Enem.

“O segundo ponto que é essa questão de adiar essas datas que eles já se programaram, ele mostrou muitas dificuldades. Colocou as questões de logística. Nós colocamos a necessidade de ampliar, poque hoje os alunos das escolas públicas estariam, entre aspas, em desvantagens, considerando que pelas suas fragilidades econômicas têm menos acesso às tecnologias e possibilidades de aulas remotas. Muitos deles as aulas que têm são aquelas aulas na própria sala de aula durante o período normal”, explicou Getúlio Marques.

De acordo com o secretário, apesar de o presidente do Inep ter se mostrado sensível, o ministro da Educação insiste em manter a data. “Insiste em dizer que quer atender aqueles que estão estudando, como se os alunos da escola pública que não estão podendo ter acesso ao aprendizado fossem alunos que não fazem isso porque não querem. Então, essa insensibilidade do ministro nos deixa preocupados, mas, mesmo assim, nós estamos insistindo, vamos insistir junto aos parlamentares. Estamos fazendo todo o esforço para que o Enem seja adiado. Provavelmente, se nós conseguirmos não será com o mesmo número de dias que a gente deixou de ter aulas, mas, pelo menos, que ele vá um pouco mais para a frente, que no retorno nós possamos preparar melhor os nossos alunos para concorrerem, se não em pé de igualdade com os estudantes da escola privada, pelo menos, que eles possam ter acesso a um processo de ensino-aprendizagem mais qualificado. Então, defendemos isso. A reunião que nós aguardamos tanto imaginando que teríamos já essa resposta, mas não. O ministro insiste em manter o Enem para aquela data”, reforça o secretário.

Até o momento, as provas do Enem estão marcadas para os dias 1º e 8 de novembro – para quem fará as provas no modelo tradicional impresso – e 22 e 29, para candidatos que farão o Enem digital.

Compartilhe:

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *