Categorias
Matéria

Beto Rosado e Agripino comentam especulação sobre fusão entre PP e DEM com PSL

Beto e Agripino avaliam fusão com distante (Fotomontagem; Blog do Barreto)

O site Poder 360 informou que DEM, PP, e PSL estudam se fundir para formar um único partido que sozinho reuniria 121 deputados federais e 15 senadores.

O assunto repercutiu o no Rio Grande do Norte onde o presidente estadual do DEM, o ex-senador José Agripino descartou a possibilidade. “Esse é um assunto está fora de questão”, disse ao Blog do Barreto. “Se tivesse algum fundamento o PP não estaria indicando o chefe da casa civil”, argumentou.

A fala de Agripino casa com as declarações do presidente nacional do DEM, o ex-prefeito de Salvador ACM Neto que disse se tratar de especulação.  “É tudo especulação. Houve conversas de gente com esse interesse, mas eu não participei. Neste momento, esse assunto é especulação”, disse ao site O Antagonista.

O deputado federal Beto Rosado (PP) ao ser questionado sobre o assunto pelo Blog do Barreto foi lacônico: “desconheço”.

O único deputado federal do PSL no Rio Grande do Norte, o General Girão, está em litígio com o partido. Quem responde pela agremiação no Estado é o delegado Sérgio Leocádio, terceiro colocado nas últimas eleições para prefeito do Natal. O Blog tentou contato, mas ele está em viagem.

Contexto

O assunto vem à tona em um momento em que os partidos encontram dificuldades para chegar a um consenso sobre uma reforma política. A proposta do “distritão” é vista como um retrocesso e nas regras atuais a solução seria as fusões partidárias.

 

Categorias
Matéria

PSL e PP negociam fusão

Resultado de imagem para Luciano Bivar
Bivar e Bolsonaro estão em crise (Foto: JC Imagem/Folhapress)

O presidente nacional do PSL Luciano Bivar negocia com o comandante máximo do PP Ciro Nogueira a fusão entre os dois partidos. A informação é do jornalista Guilherme Amado da Revista Época.

A articulação tem efeitos imediatos em Mossoró. A prefeita Rosalba Ciarlini (PP) tem todo interesse neste alinhamento.

No entanto, ela reforça tempo de TV e recursos do fundo eleitoral, mas não garante o apoio dos bolsonaristas locais já que a negociação é consequência da crise do PSL.