Categorias
Artigo

Análise de risco: “terrorismo” volta ao poder

Talibã promete menos radicalismo (Foto: reprodução)

Por Ney Lopes

Não é apenas a preocupante crise política brasileira, que cresce dia a dia, com gravíssimos riscos iminentes.

Nos últimos dias, o mundo assiste perplexo, após 20 anos, o retorno ao poder do terrível grupo terroristas e fundamentalista Talibãs, ao comando do governo do Afeganistão.

A permissão foi do atual presidente Joe Biden, que vem sendo acusado por áreas de política internacional. Vale lembrar, a própria opinião pública americana era largamente a favor da saída dos USA do Afeganistão. Em julho, uma sondagem mostrava 70% de apoio à retirada dessas tropas.

Ainda candidato em 2019, Joe Biden lembrava aos americanos, que se vencesse as eleições seria o primeiro presidente dos EUA desde Dwight Eisenhower, nos anos 50, a ter tido um filho que servira num cenário de guerra.

O filho era Beau Biden, que serviu no Iraque, onde recebeu a Estrela de Bronze por bravura. Beau morreu em 2015, o que sempre reforçou a sua disposição em retirar as tropas americanas do Afeganistão.

Idêntica posição, ele manteve desde os tempos de vice-presidente de Barack Obama, mesmo se em 2001, como senador, votar a favor da invasão do país para derrubar o regime dos talibãs, na sequência do atentado de 11 de setembro.

A ideia de sair do Afeganistão não era uma obsessão só de Biden. Já Obama prometera retirar do país que Bush filho mandara invadir com apoio unânime da comunidade internacional e Donald Trump, denunciando a “guerra sem fim”. Ambos traçaram maio deste ano, como data da retirada, inclusive da OTAN, exatamente o dia 1º de maio.

Vinte anos depois de terem sido corridos do Afeganistão, os talibãs regressam ao poder e já existem certas previsões, de que o país poderá voltar a discriminar as mulheres, tal como aconteceu entre 1996 e 2001 quando os fundamentalistas religiosos dominaram o país.

Sem saída para o oceano e caracterizado por regiões montanhosas, o Afeganistão é um país historicamente importante nas rotas comerciais e disputas políticas da Ásia.

Os homens eram obrigados a deixar a barba crescer e as mulheres a usar a burca, uma vestimenta que cobre o corpo todo. O Talibã proibiu a televisão, a música e o cinema, e não permitia que meninas de 10 anos ou mais frequentassem a escola. Eles foram acusados ​​de vários abusos contra os direitos humanos e culturais.

Um exemplo foi em 2001, quando o Talibã destruiu as famosas estátuas do Buda Bamiyan no centro do país, gerando indignação internacional.

Outro ataque do Talibã, conhecido e condenado internacionalmente, foi em outubro de 2012, quando a estudante Malala Yousafzai foi baleada a caminho de casa, na cidade de Mingora.

Mas, agora, a partir do último domingo os Talibãs voltaram a dominar o país, depois da retirada das tropas americanas.

Felizmente, nas últimas horas têm surgido informações de otimismo, em relação ao novo tratamento dos rebeldes ao sexo feminino. As mulheres não terão de estar cobertas da cabeça aos pés; sem permissão para trabalhar, exceto em circunstâncias muito limitadas; proibidas de frequentar escolas.

Poderão usar autocarros especiais e utilizar táxi, além de poderem estar com homens na rua que não sejam da sua família. Dessa forma, as mulheres têm razões de otimismo, de que não perder os seus direitos e liberdades, nem receios de represálias, se não cumprirem as regras.

O comando Talibã prometeu que respeitará os direitos das mulheres, que podem trabalhar e estudar se quiserem, mas desde que o façam “dentro da lei islâmica”.

“Não queremos inimigos dentro ou fora do país. Nossas mulheres são muçulmanas e ficarão felizes em seguir as regras da sharia”, disse ele.

Ele também garantiu que não haverá retaliação contra soldados afegãos ou membros do Governo. “Ninguém vai te machucar, ninguém vai bater em suas portas”, acrescentou.

Do ponto de vista econômico, estima-se que o grupo Talibã arrecade até US$ 1,5 bilhão, por ano. Parte desse dinheiro vem do tráfico de drogas.

O Afeganistão é o maior produtor de ópio do mundo e o Talibã domina a maioria das áreas onde estão as plantações de heroína.

O país abriga reservas de matérias-primas como cobre, ferro, mercúrio, cobalto e lítio, úteis para a indústria da alta tecnologia. Mas, quase nenhuma mina é explorada devido à insegurança e falta de investimento.

A retirada dos Estados Unidos abre caminho para que países como China, Rússia e Irã explorem o mercado e os seus recursos, agora governado pelo Talibã.

O diálogo comercial já começou.

O Afeganistão tem um tesouro ainda inexplorado, que chama a atenção da China, que é o cobre. A China tem um grande interesse no setor de minérios do Afeganistão, que vale muitos bilhões de dólares. Com isso, poderão influenciar na Ásia Central.

A correta decisão de Biden

Na última segunda, 16, Biden cumpriu o que prometera juntamente com Obama e Trump e se afastou do Afeganistão. O Presidente agiu corretamente. À primeira vista pareceu abandono de antigos parceiros. Mas, não foi, assim.

Agora, ele chegando à Casa Branca Biden, manteve-se coerente.A tomada da cidade de Cabul concluiu a mais longa guerra americana, que deixa uma “fatura” de mais de 2,26 biliões de dólares (perto de 1,92 biliões de euros) ao país.

Biden recentemente, antes de decidir-se, cientificou previamente o governo do Afeganistão para que assumisse a defesa da nação.

Numa época de gastos astronômicos com a pandemia, o desembolso financeiro dos Estados Unidos, ao longo dos anos, supera em muito o chamado Plano Marshall, através do qual os EUA deram uma nova vida à Europa, após a Segunda Guerra Mundial.

O que Biden não esperou foi a facilidade com que o governo do Afeganistão abriu as portas do país, sem qualquer tipo de resistência ao inimigo.

O presidente Ashraf Ghani fugiu, levando bilhões de euros, facilitado pela inércia do exército afegão. Não tinha sido isso o combinado com o presidente americano.

Biden alega, que os EUA já haviam feito a sua parte treinando soldados afegãos, garantindo armas e financiamento para o regime civil, treinando e equipando quase 300 mil membros ativos da Força Nacional de Segurança Afegã, e muitos outros que não estão mais na ativa.

“Já tivemos gastos e mortes demais”.

Por fim justificou Biden:

“Os líderes do país fugiram. Isso comprovou que não devemos estar lá. Não devemos lutar e morrer em uma guerra que os afegãos não querem lutar”.

Concluiu: “Demos a eles todas as chances que podíamos, mas não podíamos dar a vontade de lutar”.

O presidente americano agiu dentro do pensamento do sábio Rabino Hilel, o Ancião, que viveu de 60 a.C à 10 d.C., grande estudioso e pensador:

“Se não eu por mim, quem por mim? Se eu for só por mim, quem sou eu? Se não for agora, quando? ”

A indagação que surge é obre o que virá depois?

De agora por diante, os Talibãs irão montar uma forte república terrorista global.

*É jornalista, ex-deputado federal, professor de direito constitucional da UFRN e advogado.

Este texto não representa necessariamente a mesma opinião do blog. Se não concorda faça um rebatendo que publicaremos como uma segunda opinião sobre o tema. Envie para o barreto269@hotmail.com e bruno.269@gmail.com.