Vereador afirma que Igreja ocupa vácuo deixado pela classe política em defesa da UERN

O vereador Francisco Carlos (PV) que também é professor da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) afirmou que o envolvimento da Igreja Católica supriu o vácuo provocado pela falta de representatividade política de Mossoró. “A igreja se pronunciar sobre a UERN não é um episódio comum. Revela a importância que a igreja atribui a educação de forma ampla e à UERN em especial. Mas também revela a inércia e a omissão das principais lideranças políticas do RN”, analisou.

Para ele é revoltante o silêncio da classe política que não se manifesta em defesa da UERN. “Todos falam em nome da educação, mas a retórica não encontra respaldo na prática. Educação é projeto de Estado, de uma sociedade inteira. Deveria ser defendida com firmeza pelos representantes do povo”, declarou.

Para ele restou a Igreja Católica assumir o papel dos políticos. “Está sendo necessário que a igreja assuma a defesa da UERN. Os líderes religiosos perceberam o que os líderes políticos jamais poderiam ter perdido de vista. Assim, a igreja demonstra seu compromisso social e histórico com as causas sociais. Isso é bom. Mas é lamentável que esteja sendo necessário”, frisou.

Para ele além dos políticos, outros setores da sociedade devem se manifestar. “Nossos senadores, deputados federais e estaduais não assumiram a defesa da instituição. Demonstram que não compreendem o valor da educação. Os líderes políticas calaram e quando falaram (nas pouquíssimas e quase inaudíveis vezes falaram), fizerem de forma tímida, só para “cumprir tabela” e se defender quando cobrados. Onde estão as nossas lideranças políticas, mas também os líderes empresariais e sindicais? A igreja já se pronunciou, e o fez de forma clara e contundente”, concluiu.

Compartilhe:

Comments

comments

2 opiniões sobre “Vereador afirma que Igreja ocupa vácuo deixado pela classe política em defesa da UERN

  • 4 de outubro de 2015 em 08:14
    Permalink

    É preocupante a situação da UERN, não vamos deixar que essa instituição que presta a sociedade potiguar grande revelia de conhecimento se apagar

    Resposta
    • 5 de outubro de 2015 em 16:24
      Permalink

      Olha, eu acho que está faltando à UERN, bom senso. Caraca ! ! ! Será que esse povo não ver a conjuntura atual? Eu não quero pomizar, escureceno os valores dessa instituição mas, a UERN,diga-se de passagem, ainda é uma privilegiada, no estado, do ponto de vista salarial. Será que alguém pesou quanto custa, tirar do estudante, o direito de atrasar o seu trabalho em seis meses? A UERN precisa entender que o estado tem, além dela, milhares de trabalhadores que dependem, também, das finanças equilibradas do estádio. Isso está cheirando à metáfora da irresponsabilidade.

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *