Desconstruir o adversário é recurso retórico legítimo

Aspasmo

Não existe político inatacável. Numa disputa política critica-se o adversário e se elogia o aliado. É assim desde que a política passou a mover o mundo.

Quando autores da Análise do Discurso publicam trabalhos sobre política é quase sempre abordando os confrontos entre os políticos e nisso entra a desconstrução dos adversários.

Isso é recorrente em obras de Courtine e Charadeau, apenas para ficar entre autores franceses. O que acontece em Mossoró se repete em maior ou menor grau em todos os lugares.

Faz parte do debate político a desconstrução dos adversários. O prefeito Francisco José Junior (PSD) não teria a impopularidade estratosférica que atingiu sem ter adversários bem articulados para desconstruí-lo. Não seria meramente o mau desempenho administrativo por si só que levaria a popularidade dele à bancarrota. Teve muita “propaganda de boca”.

Agora o alvo é a ex-governadora Rosalba Ciarlini (PP). Líder nas pesquisas, favorita, tida como “mito” para muitos, idolatrada por setores significativos do eleitorado mossoroense e com um cartel variado de temas para ser vidraça.

Assunto não falta. A ex-governadora prefere a defensiva e a posição de vítima sempre que confrontada. Quanto menos satisfação der, melhor. Foi assim no encontro com panificadores no último domingo. O que deveria ser meramente uma sabatina acabou se tornando um confronto entre ela e o prefeito que partiu para o confronto direto.

A reação da militância nas redes sociais foi de colocá-la no papel de vítima e de cobrança de propostas do prefeito e demais adversários. Por trás desse discurso há implícito um pedido para “não falar da Rosa”. Como se ela fosse uma divindade inatacável e sem erros.

Parte da mídia, por motivos variados, embarca nesse discurso que serve muito mais para animar a militância rosalbista e fomentar a intolerância à dialética tão saudável ao debate político.

A ex-governadora e o prefeito em maior grau que os demais candidatos têm muita satisfação a dar ao eleitor mossoroense. O eleitor desapaixonado agradece.

Compartilhe:

Comments

comments

3 opiniões sobre “Desconstruir o adversário é recurso retórico legítimo

  • 22 de agosto de 2016 em 10:47
    Permalink

    O que vejo é uma crise economica alastrada pela cidade. Trabalho com vendas de porta em porta e posso falar com propriedade do que está acontecendo nas ruas, nas favelas, nos bairros de Mossoró. Existe um didato que diz: não é preciso dizer verdades a cegos. Mas eu afirmo que e preciso sim. É necessário e até mesmo urgente que o pessoal abram os olhos e vejam o que aconteceu, o que está acontecendo e tenham uma ligeira previsão das consequências que o seu voto vai causar.

    Resposta
  • 22 de agosto de 2016 em 16:40
    Permalink

    Na politica local como também a nível nacional, sempre vai existir esse tipo de coisa.

    Ambos usam as artimanhas para lesar a cabeça do eleitor.

    Mas o resultado deve ser consciente e na urnas !!!!

    ACORDA MOSSORÓ, DESPERTA BRASIL!

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *