“Eu me senti humilhada”, diz Weny. Entenda porque a história da jovem exposta por praticar infração de trânsito é um combo dos problemas do Brasil atual

Weny foi obrigada a retirar a mascara e ouviu resignada a humilhação imposta por Giuliana (Foto: reprodução/Blog do Barreto)

Era para ser mais um dia normal na vida de Weny Maisa, funcionária da Cosern, que parou para almoçar em um restaurante no bairro de Capim Macio, área nobre de Natal. Mas como tantos de nós em algum momento da vida ela estacionou onde não podia: a frente de uma residência.

O Código Brasileiro de Trânsito em seu inciso IX do artigo 181 é claro na proibição:

IX – onde houver guia de calçada (meio-fio) rebaixada destinada à entrada ou saída de veículos:

Infração – média;

Penalidade – multa;

Medida administrativa – remoção do veículo;

Mas Weny era uma pessoa da classe trabalhadora num bairro chique cometendo um erro e é aí que se expõe o atraso da nossa elite dissecado nas obras do sociólogo natalense Jessé de Souza. Assim ela cruzou o caminho da publicitária Giuliana Amorim que estava com pressa, mas teve todo tempo do mundo para humilhar Weny, esperar o agente de trânsito, filmar o ato da multa e colocar nas redes sociais. O vídeo você pode conferir AQUI ou AQUI.

O fato em si é um combo que junta crime de violação do direito de imagem e um problema sociológico herdado dos tempos da escravidão que persiste nos dias atuais.

Giuliana perdeu a razão quando violou o inciso X do artigo 5º da Constituição Federal que diz:

Art. 5º, X: são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das pessoas, assegurado o direito a indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação.

E expôs a chaga da escravidão que ainda persiste no comportamento de setores da sociedade brasileira, um tema bastante estudado por Jessé de Souza autor de livros como A Elite do Atrasado e A Classe Média no Espelho. Confira trecho de uma entrevista dele a Isto É em 2018 que mostra bem o que a gente encontra no vídeo. “O Brasil é um país doente, patologicamente doente pelo ódio de classe. Isso é o mais característico do Brasil: o ódio patológico ao pobre. É a doença que nós temos. A gente nunca assumiu a autocrítica de que somos filhos da escravidão, com todas as doenças que a escravidão traz: a desigualdade, a humilhação, o prazer sádico na humilhação diante dos mais frágeis, o esquecimento e o abandono da maior parte da população. Esse é o grande problema brasileiro. O resto é bobagem”.

Giuliana não só manifestou seu ódio de classe contra Weny como sentiu o prazer sádico de expor o assunto nas redes sociais e em seguida fazer uma enquete para saber se o que fez merecia aprovação.

Publicitária buscou aplausos nos Stories do Instagram após humilhar Weny

É um caso de narcisismo clássico em que ela se sentiu triunfante por ter humilhado alguém em situação social e economicamente inferior além da necessidade de mostrar ter prestígio com o poder público municipal fazendo questão de agradecer ao prefeito de Natal Álvaro Dias (PSDB) pela rapidez do serviço de fiscalização de trânsito. Por sinal, a publicitária trabalhou na gestão municipal até 2018. “Obrigado Álvaro Dias, “Tacinho” e Flávio que ajudou (sic) nessa operação”, gabou-se.

Mas a tentativa de demonstrar poder sobre outra pessoa fez, na verdade, ela perder a razão em um caso simples de se resolver tornando-o público e recebendo uma saraivada de críticas nas redes sociais.

Resultado: Giuliana fechou o perfil no Instagram para não ser insultada por haters.

“Eu me senti humilhada”, diz Weny que estuda processar Giuliana

Mostrando a mesma dignidade do vídeo, em conversa com o Blog do Barreto Weny Maisa contou como se sentiu quando foi achincalhada por Giuliana.

“Eu me senti bem humilhada pra falar a verdade”, desabafa.

Ela conta que o vídeo é só uma parte do que teve que ouvir por ter errado no estacionamento d veículo. “Eu só vim ver o vídeo há pouco. Ela nem postou tudo que falou, mas não quero entrar em detalhes”, frisou.

Sobre a possibilidade de processar Giuliana, Weny está buscando orientação, mas a tendência é que tente uma reparação judicial. “Provavelmente sim para que outra pessoa não precise passar pelo que passei”, analisou.

A funcionária da Cosern reforça o que o vídeo demonstra sobre seu comportamento no caso: ela reconhece que errou. “Eu sei que errei, eu pedi desculpa. Esperei e não fui reativa quanto à multa. Por pura falta de atenção não notei que era garagem”, explica.

Reação de conhecidos

No post do vídeo que o Blog do Barreto fez no Twitter várias pessoas que conhecem Weny se manifestaram sempre no sentido de se tratar de uma pessoa educada. Os depoimentos seguem com a grafia original:

“Conheço essa menina. Gente finíssima, super educada, e reforçou isso se portando de maneira exemplar perante uma humilhação dessas… Espero que ela processe essa “cidadã de bem” pelo constrangimento. Inacreditável…”, disse Igor V.

“Não acredito que fizeram isso com ela boy… era da minha turma de estágio e um amor de pessoa, um poço de educação, que ódio desse povo de Natal”, disse Renato Lopes.

“A moça é minha amiga. Uma das pessoas mais sensíveis, inteligentes e incríveis que já conheci na vida. Tem uma doçura e leveza que poucas pessoas hj em dia tem. Nunca encontrei uma pessoa tão disposta a ajudar sempre e qualquer pessoa”, falou Thaís Celina.

Pai de Giuliana sai em defesa da filha: “não tem sangue de barata”

Após críticas, Giuliana fechou conta no Instagram

O pai de Giuliana, Flávio Pipolo Amorim, reagiu as críticas que a filha vinha sofrendo nas redes sociais e postagem no Twiter:

“Eu sou o pai da “cidadã de bem” a quem você se refere. Gostaria de saber se V.S. estaria feliz em ter sua garagem residencial bloqueada por um carro, por mais de 2 horas, sem poder sair de sua casa em uma emergência. Sangue de barata não é todo mundo que tem”.

O problema é que a versão dada por Flávio se contradiz com o conteúdo do vídeo em que Giuliana fala que queria colocar o carro para dentro de casa e não retirar para uma emergência. “Você me obrigou a deixar o meu carro no sol”, diz aos 25 segundos do vídeo. Você pode conferir AQUI ou AQUI.

Ou seja: ela estava chegando e não saindo de casa, o que derruba a tese da situação emergencial para justificar o chilique transmitido nas redes sociais.

Cosern diz estar acompanhando o caso e prestando assistência à Weny

Por meio de nota ao Blog do Barreto a Cosern informou que está acompanhando o caso e prestando assistência a funcionária Weny Maisa que também passará por uma “reciclagem”.

Confira a nota:

NOTA COSERN

Com relação ao vídeo que circula nas redes sociais mostrando uma infração de trânsito praticada por uma colaboradora da empresa, a Cosern informa que a penalidade prevista no Código Brasileiro de Trânsito já foi aplicada e que a colaboradora passará por uma reciclagem.

A Cosern lamenta o episódio, ressalta que condena, veementemente, quaisquer condutas de humilhação e desrespeito nas relações profissionais e sociais e informa que está prestando assistência à colaboradora.

Por fim, a Cosern reitera o compromisso com os valores de transparência e de integridade difundidos e praticados pelo Grupo Neoenergia.

ASSESSORIA DE IMPRENSA DA COSERN

Comments

comments

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on facebook
Share on twitter