Ex-funcionários da Porcelanatti buscam ajuda da Câmara Municipal

A imagem pode conter: 1 pessoa, sentado, mesa, escritório e área interna
Vereadores discutem caso Porcelanatti (Foto: Edilberto Barros/CMM)

A Tribuna Popular da Câmara Municipal foi ocupada por José Ronaldo da Silva. Ele pediu apoio dos vereadores para buscar respostas junto aos empresários responsáveis pela empresa Porcelanatti. Ele esteve representando os funcionários.

De acordo com o José Ronaldo, há cinco anos os funcionários buscam por seus direitos e se sentem enganados pela empresa. “Em 2017 houve uma audiência pública na Câmara e os responsáveis pela Porcelanati fizeram promessas. Disseram que reabririam a fábrica em janeiro de 2019, e antes disso pagaria o valor de nossas rescisões”, protestou.

Para os funcionários, a empresa precisa dar uma resposta urgente aos ex-funcionários, ao Poder Executivo e ao Governo do Estado. “Precisamos de uma solução. A empresa recebeu muitos benefícios de nossa cidade como terrenos para instalação, incentivo através de tributos, e fez promessas que não cumpriu”, finalizou.

Reações

O vereador Rondinelli Carlos (PMN) disse que Porcelanatti lesou a cidade e precisa sofrer sanções na justiça. “A Câmara está sempre à disposição dos funcionários. Já realizamos audiência pública com a empresa e recebemos promessas que não foram cumpridas Infelizmente agora a via judicial é o único caminho para que os empregados consigam ter os direitos garantidos”, frisou.

Para a vereador Sandra Rosado (PSDB) os últimos prefeitos foram enganados pela empresa. “Qual o prefeito e governador que não quer uma empresa de grande porte gerando emprego e renda para a população? Rosalba, Fafá Rosado, Cláudia Regina e Francisco Carlos foram enganados pela Porcelanati. Doaram terreno da prefeitura, buscaram recursos para a empresa e não obtiveram o retorno prometido à população”, declarou. Ela lembrou que sempre desconfiou das promessas: “Denunciamos há muito tempo atrás quando questionávamos os valores absurdos que a empresa pedia ao poder público e ao Governador da época”.

Nota do Blog: ainda volto a este assunto.

Compartilhe:

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *