Fátima mostra resiliência e melhora popularidade mesmo com Operação da PF e CPI

Fátima mostra resistência em cenário desfavorável (Foto: Elisa Elsie)

A pesquisa do Instituto AgoraSei! traz um dado praticamente ignorado pela a imprensa do Rio Grande do Norte: a governadora Fátima Bezerra (PT) mostra uma resiliência que seus dois últimos antecessores, Robinson Faria (PSD) e Rosalba Ciarlini (na época no DEM) não possuíam e chega a um ano do início do processo eleitoral competitiva, líder nas pesquisas e com saldo positivo de popularidade.

E olhe que ela encara uma CPI, problema que seus antecessores não tiveram, e a pesquisa foi realizada no calor da Operação Lectus que apura superfaturamento em contratação de empresas hospitalares terceirizadas.

Ainda assim ela melhorou os números em relação a maio.

Há quatro meses ela tinha uma aprovação de 42,6%, agora tem 45,5%. A desaprovação caiu de 40% para 37,9%. A diferença de aprovação e desaprovação que era de 2,6% (dentro da margem de erro) agora é de 7,6% (fora da margem de erro).

Nos cenários de primeiro turno da corrida eleitoral também há melhoras nas intenções de voto em relação a maio. Se antes ela transitou entre 28,1% e 29,1% agora ela variou entre 33,3% e 37,6%, a depender do cenário.

E o melhor para ela: os principais adversários ou ficaram estagnados numericamente como Carlos Eduardo Alves (PDT), preso aos 19%, ou oscilaram positivamente como senador Styvenson Valentim (PODE) este com pico de 16%, mas sem tirar a diferença em relação a governadora. Por outro lado, o prefeito de Natal Álvaro Dias (PSDB) embora siga com popularidade em alta em Natal oscilou para baixo nas intenções de voto para o Governo, caindo de 15% para 11,9%.

Nas simulações de segundo turno também temos melhoras em relação a maio em que ela aumenta a vantagem sobre todos os adversários, exceto Carlos Eduardo, que não teve o nome colocado em confronto com o de Fátima na pesquisa de maio. Confira os números:

Cenário simulado Maio Setembro Crescimento da vantagem
Fátima x Carlos Eduardo Dado não divulgado 39,% x 29,9

(+9,4%)

        –
Fátima x Styvenson 42,5% x 28,4% (+14,1%) 43,2% x 24,2% (+19%) + 4,9%
Fátima x Álvaro Dias 37,4% x 36,3% (+1,1%) 41,2% x 26,4% (+14,8) +13,7%
Fátima x Rogério Marinho 42,6% x 26,8% (+15,8) 44,6% x 18,8% (25,8%) + 10%

Os números da pesquisa ainda não indicam um cenário confortável para Fátima. Ela ainda tem um índice de desaprovação preocupante e uma rejeição de 32,7%, mas os meios para crescer na campanha são bem claros: a comparação com as gestões de Rosalba e Robinson e o fator Lula.

 

Comments

comments

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on facebook
Share on twitter