Movimento para implantar Comissão de Ética na Câmara visa intimidar futuro vereador

Conhecido por ter discurso duro, Gilberto Diógenes provoca temor em futuros colegas (Foto: Cezar Alves)

Conhecido por jogar duro no debate político o sindicalista Gilberto Diógenes (PT) se tornará vereador em fevereiro de 2019 quando Isolda Dantas (PT) deixará a Câmara Municipal para se tornar deputada estadual.

Sabendo que Gilberto não poupará adversários nos debates, a bancada governista pressiona a presidente Izabel Montenegro (MDB) para implantar a comissão aprovada na legislatura passada, mas que sempre permaneceu engavetada.

Durante o primeiro biênio desta legislatura houve pedidos para implantar a comissão no sentido de intimidar Isolda Dantas.

É grande a possibilidade de a Comissão de Ética ser implantada este ano. Ela seria formada por cinco membros sendo três da situação e dois da oposição.

Compartilhe:

Comments

comments

3 opiniões sobre “Movimento para implantar Comissão de Ética na Câmara visa intimidar futuro vereador

  • 16 de novembro de 2018 em 12:17
    Permalink

    Bruno, você deve rever os seus posicionamentos, pois os mesmos estão ficando demasiadamente tendenciosos!
    Todo parlamento deve, obrigatoriamente, contar com uma Comissão de Ética. Esta serve para julgar excessos cometidos no exercício de seu mister pelos parlamentares (e puni-los), justamente porque estes gozam de imunidade de palavras e ações quando em atividade parlamentar.
    Muitos são os que excedem esses limites (seja por conhecimento ou por pura ignorância profissional)!
    Como a própria matéria relatou, tal Comissão é um pleito antigo e já deveria estar em plena atividade, seja para julgar situacionistas ou oposicionistas…
    Em se tratando da futura deputada estadual, é bom até para ela já ir se acostumando, pois na ALRN não se aceitará reiteradas quebras de decoro, muito menos desrespeitos aos seus iguais com berros etc.

    Resposta
    • 16 de novembro de 2018 em 14:43
      Permalink

      Tendencioso = não agradou. Entenda o contexto meu caro. Fui o primeiro jornalista de Mossoró a cobrar a criação do Conselho de Ética. Aprovaram e engavetaram. Agora querem por em prática apenas porque está chegando um vereador com perfil incendiário. Isso não é ser tendencioso é relatar um fato revelando as verdadeiras intenções. Interpretação de texto é fundamental para não passar vergonha.

      Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *