Rogério Marinho vira alvo do MPF (Gustavo Moreno/Especial Metrópoles)

MPF abre investigação sobre Rogério Marinho por uso de recursos federais para obra que valoriza patrimônio do ex-ministro

O Ministério Público Federal (MPF) decidiu abrir investigação para avaliar se os ex-ministros do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, e do Turismo, Gilson Machado, cometeram atos de improbidade administrativa. A apuração foi aberta pelo procurador da República Paulo de Carvalho a partir de uma representação da deputada Natália Bonavides (PT-RN), que citou fatos revelados em reportagem do jornal “O Estado de S. Paulo”.

De acordo com denúncia publicada no jornal O Estado de São Paulo, o ministro aproveitou-se de “orçamento secreto” para indicar a destinação de R$ 1,4 milhão do orçamento da União para a realização de uma obra que o beneficia diretamente, sendo um mirante turístico a 300 metros da propriedade onde o próprio investigado construirá um condomínio privado.

Para Natália Bonavides, é possível que estejamos diante de atos de crimes de advocacia administrativa e prevaricação, pelo patrocínio de interesses privados perante a administração pública, e cometimento de improbidade administrativa: “O ato de Rogério Marinho ter negado que solicitou a alocação dos valores e do Ministério do Turismo ter informado que não teria como responder, e, em seguida, ter retificado a informação apresentando que a alocação do recurso se deu a pedido do investigado, configuram evidentes tentativas de ocultar informações públicas que são indícios de irregularidade”.

Comments

comments

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on facebook
Share on twitter