Padre pode falar em política? Pode e deve

padre flavio ricardo
Padre Flávio deu aula de cidadania na última semana

O título pergunta e na mesma hora responde. Na curta semana pós-carnaval o assunto no Rio Grande do Norte foi a cobrança pública do padre Flávio Augusto cobrando do senador Garibaldi Filho (PMDB) e do deputado federal Beto Rosado (PP) que votem contra a reforma da previdência.

O assunto foi mais comentado que a leitura da mensagem anual da prefeita Rosalba Ciarlini (PP) que disse ter encontrado uma dívida de mais de R$ 150 milhões na Prefeitura de Mossoró.

Muita gente mostrou-se incomodada com o fato de o sacerdote ter “roubado a cena”. “Padre não deve ser meter em política”, diziam os críticos.

Onde está escrito que padre não pode falar sobre política? Que coisa mais quadrada essa de um líder religioso ter que ficar apenas rezando missa ou orando em cultos!

Atitudes como a de Padre Flávio são salutares. Como foram as críticas feitas pelo Padre Talvacy aos políticos num passado recente.

Eu, particularmente, acho válida essa postura cidadão dos padres. É positivo até porque raramente um padre entra para a política e quando isso ocorre a Igreja Católica os afasta temporariamente.

Bem diferente de quem usa a posição de líder para conquistar mandatos eletivos, muitas vezes usando um discurso de ódio contra homossexuais e esbanjando outros tipos de preconceitos.

Política e religião se misturam sim, ao contrário da velha e despolitizada máxima. A censura a essa simbiose depende apenas da forma como isso acontece. Quando padres usam o discurso em defesa de uma causa justa é muito válido.

O que eu acho covardia é explorar a fé alheia para tirar dinheiro de pessoas, conquistar mandatos eletivos e pregar o ódio, repito.

Política e religião sempre se misturaram. Durante milênios o poder político emanou da fé. Um faraó egípcio não era nada sem o apoio dos sacerdotes. Um rei absolutista se legitimava afirmando que o seu poder emanava de Deus. Na Idade Média o mando político dos senhores feudais passava pelo aval da Igreja Católica.

Na modernidade do século XXI a fala dos líderes religiosos deve ser no sentido da defesa dos interesses da coletividade.

Falem mais sobre política, padres e pastores!

Compartilhe:

Comments

comments

3 opiniões sobre “Padre pode falar em política? Pode e deve

  • 5 de março de 2017 em 18:27
    Permalink

    Eu defendo que sim, deste com sabedoria. Até por que antes de ser sacerdote, o mesmo é cidadão brasileiro, e conhece muito bem as consequências positivas ou negativas de determinadas ações do Poder Executivo e Legislativo Brasileiro, no cotidiano dos Brasileiros. Então nada mais justo em poder expressar o desejo da população.

    Resposta
  • 5 de março de 2017 em 20:58
    Permalink

    Política e Religião podem se misturar,quando é para o mesmo fim,ajudar os menos favorecidos,o que politicamente não ocorre isso,hoje muitos políticos se elegem com único intuito de se beneficiar.Porque os Padres não seguem o exemplo de Jesus? Que viveu exclusivamente para ajudar os pobres sem precisar de políticos.A Igreja Católica precisa de políticas sociais para não perder seus fiéis.

    Resposta
  • 15 de agosto de 2017 em 22:53
    Permalink

    Democracia é uma soma de valores de todos para que o bem comum se sobre saia, então qualquer opinião é valida e com respeito.
    Abraços

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *