Pesquisa aponta alto risco para candidatura de Carlos Eduardo Alves

CARLOS
Palanque pesado proposto para Carlos Eduardo tem 70% de rejeição

Até 7 de abril o prefeito de Natal Carlos Eduardo Alves tem uma decisão importante a tomar: renunciar ou não ao cargo que ocupa na capital do Estado. A comparação com a Wilma de Faria de 16 anos atrás é inevitável. Mas o cenário é totalmente adverso.

Naquela época, quando Wilma arriscou disputar o Governo do Estado deixando o próprio Carlos Eduardo no lugar dela, o cenário era totalmente diferente. A então prefeita era bem avaliada na capital e isso serviu de impulso e discurso para ela no interior. A “Guerreira” apresentou-se como o velho travestido de novo embalando e vencendo.

Há ainda um fator simbólico: Wilma nasceu em Mossoró e passou parte da juventude em Caicó, isso lhe dava discurso para entrar com aceitação nas regiões onde era menos conhecida.

Além disso, ela ainda tinha as estruturas das prefeituras de Natal e Parnamirim, respectivamente a primeira e a terceira do Estado.

Agora o que Carlos tem? A estrutura de uma Prefeitura de Natal combalida, que ficaria sob a batuta de um Álvaro Dias (MDB) envolvido em escândalos como os fantasmas da Assembleia e o apoio de aliados desgastados como Garibaldi Alves Filho (MDB) e José Agripino Maia (DEM).

Além disso, Carlos Eduardo Alves prometeu seguir com o mandato até 31 de dezembro. A renúncia para disputar o Governo é péssima para a imagem dele em um cenário de eleitor mais atento e exigente.

Não se trata apenas de mera opinião, mas informações materializadas nos números da Pesquisa Seta divulgada ontem pelo Blog do BG. Apenas 11,6% dos entrevistados aprovam uma eventual renúncia do prefeito para disputar o Governo do Estado. Outros 34,8% reprovam a decisão e 53,6% são indiferentes.

No entanto, essa indiferença não se converte em votos. As intenções de voto dele estão em 8,1%, muito baixo para quem está há mais de 30 anos na política e governa a capital do Estado pela quarta vez. Mas esse mau desempenho tem explicação: 57,3% dos natalenses reprovam a gestão de Carlos Eduardo. Em outro item da pesquisa ruim e péssimo somam 55% sendo 44,7% avaliando a gestão como péssima e 10,3% colocando como ruim.

Tudo isso pesa contra o prefeito de Natal. Além de tudo ele teria, no cenário atual, um palanque pesado com José Agripino e Garibaldi Filho, os nomes mais rejeitados para o Senado (ver AQUI).

Não por acaso 70,4% dos entrevistados rejeitam a parceria Garibaldi/Agripino/Carlos Eduardo. Apenas 17,3% apoiam a união entre os políticos tradicionais. Outros 12% não souberam ou não quiseram opinar.

É um sinal claro da decadência dos grupos Alves e Maia exposto nas eleições de 2014 quando o esvaziado palanque de Robinson Faria (PSD) e Fátima Bezerra (PT) levou a melhor.

Todos os recados do eleitor no passado e no presente são ruins para a postulação de Carlos Eduardo. Se tudo der certo para ele em outubro teremos um fenômeno político novo a ser estudado.

Compartilhe:

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *