Rogério Marinho aposta no que vem dando errado (Foto: Icem Caraúbas)

Rogério aposta em estratégia que vem dando errado no RN

O ministro do desenvolvimento regional Rogério Marinho patina nas pesquisas de intenção de voto para o Senado. Nome atrelado as impopulares reformas trabalhista e da previdência ele está longe de empolgar o eleitor.

Sem ter o que oferecer ao eleitorado, Marinho aposta na intermediação de prefeitos e lideranças políticas.

Ele está montando um grande palanque para superar as desconfianças e não tem sido cuidadoso no aparelhamento do Estado para se viabilizar via tratoraço, esquema que gerou desconfianças nos órgãos de controle.

A estratégia de Marinho de montar palanque grande e com muitos prefeitos é um cálculo político que vem dando errado nos últimos anos.

Em 2006, Fernando Bezerra gabava-se de ter no seu entorno 112 prefeitos. Sua tentativa de reeleição terminou em derrota para Rosalba Ciarlini.

Em 2014, Henrique Alves (com um perfil político bem próximo ao de Marinho em termos de relação com o eleitorado) juntou oposição e situação no interior do Estado.

Saiu derrotado por Robinson Faria.

Em 2018 foi a vez do próprio Robinson montar um palanque enorme. Acabou nem indo ao segundo turno com caneta na mão e tudo.

A montagem de palanques enormes é uma estratégia que tem se mostrado ineficaz para alavancar políticos impopulares no Rio Grande do Norte.

Isso vale para políticos impopulares por avaliação negativa do eleitor como Robinson ou elitistas demais como Fernando Bezerra.

Pesam contra Rogério as duas coisas. Ele é mal visto e elitista.

 

Comments

comments

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on facebook
Share on twitter