Rosalba se rende a hidroxicloroquina

Médica, Rosalba confia na hidroxicloroquina (Foto: Web/autor não identificado)

A fonte é insuspeita. É a própria comunicação da Prefeitura de Mossoró que informa a possibilidade de o Município adotar o protocolo sugerido pelo Conselho Regional de Medicina do Rio Grande do Norte (CREMERN) para o sobre uso de medicamentos para tratamento da covid-19 dentre eles a controversa hidroxicloquina.

A posição foi assumida pela prefeita em reunião por vídeoconferência com a secretária de Saúde Saudade Azevedo, coordenadores médicos das UPAs e o representante do CREMERN Manoel Nobre.

A prefeita se mostrou favorável ao uso do medicamento na fase inicial da covid-19. “Minha preocupação como prefeita e angústia como médica é salvar vidas.”, argumentou. “Há vários trabalhos pelo mundo que mostram que a hidroxicloroquina, por exemplo, ajuda na fase inicial. Não podemos ficar esperando meses e meses e as pessoas morrendo”, complementou.

No último domingo o programa Fantástico da Rede Globo mostrou que os estudos que apontavam eficiência no uso do medicamento além de usar número insuficiente de pessoas excluiu os resultados negativos para o uso da cloroquina em pacientes com covid-19.

Além da hidroxicloroquina, o CREMERN também recomenda os medicamentos azitromicina, cloroquina e ivermectina.

A posição da prefeita, que é médica pediatra, vai na contramão da orientação da Organização Mundial de Saúde (OMS) que anunciou na segunda-feira, 25, que estão suspensos os testes da cloroquina e hidroxicloroquina após estudo realizado com 96 mil pessoas ser publicado na conceituada revista Lancet apontando que o medicamento não só não recupera pacientes como piora a situação.

Dois ministros da saúde já caíram por não concordarem em recomendar o medicamento conforme desejava o presidente Jair Bolsonaro.

Comments

comments

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on facebook
Share on twitter