Cem dias na oposição: rosalbismo está sem rumo

Rosalbismo está sem rumo no exercício da oposição (Foto: Web/autor não identificado)

Depois de 32 anos de dominação política em Mossoró o rosalbismo não se saiu bem nos seus 100 primeiros dias na oposição.

Fazer oposição não chega a ser uma novidade para o grupo da ex-prefeita Rosalba Ciarlini (PP). Ela exerceu durante o último mandato de Dix-huit Rosado (1993/96) e nos três anos de Francisco José Junior (2014/16). Nestas duas situações ela tinha, mesmo fora do poder, o controle da narrativa. Não por acaso são duas gestões de péssima avaliação no imaginário popular.

Assim ela fazia impor a narrativa de que voltaria para reconstruir Mossoró.

Nos simbólicos 100 primeiros dias de Allyson Bezerra (SD), com seus altos e baixos, o rosalbismo não soube explorar temas pertinentes. Ficou na picuinha e distorções que deram muito certo contra Francisco José Junior.

A questão é que no último mandato de Dix-huit e no de “Silveira” Rosalba era perspectiva de poder, coisa que não é mais após ser derrotada nas eleições do ano passado.

É uma situação que dificulta a imposição de narrativas.

Prova disso? O grande momento da oposição a Allyson foi protagonizado pelo vereador Pablo Aires (PSB) que tomou a iniciativa de defender a vacinação contra a covid-19 nos finais de semana. A ideia pegou e foi acatada pelo prefeito.

E o rosalbismo? Gastou tempo especulando que o prefeito iria ser candidato a presidente da Femurn, cargos comissionados e se a primeira dama iria ser candidata ano que vem.

Sem o controle da narrativa na política mossoroense, o rosalbismo corre o risco de ceder espaço para novas forças.

Do ponto de vista da estratégia política para fazer oposição afirmo sem sombra de dúvidas que o rosalbismo está sem rumo.

Compartilhe:

Comments

comments

2 opiniões sobre “Cem dias na oposição: rosalbismo está sem rumo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *