Tião reage afirmando que teve contas aprovadas e lembra que Rosalba teve contas rejeitadas

Tião-couto

Abaixo a nota de esclarecimento do empresário Tião Couto sobre a notícia da denúncia dos advogados da prefeita Rosalba Ciarlini (PP). Ele se defende e ataca a adversária na eleição de 2016.

Abaixo a resposta:

NOTA DE ESCLARECIMENTO À POPULAÇÃO
Venho por meio desta esclarecer ao Rio Grande do Norte o contexto e a desinformação constante em reportagens veiculadas neste dia 08/02/2018 em alguns órgãos de mídia do RN.

Todas as informações publicadas foram uma cópia quase que exata do texto do advogado da prefeita Rosalba Ciarlini numa ação que ela ajuizou contra mim na justiça eleitoral de Mossoró, há cerca de um ano, portanto não se constituindo em nenhuma novidade.

As informações contidas nas matérias são exatamente os termos escritos pelo advogado de Rosalba na ação. Trata-se, portanto, de argumentos de uma só parte que sequer foram apreciados pelo juiz.

Aliás, só existem duas decisões judiciais tomadas pela justiça eleitoral de Mossoró sobre a prestação de contas da campanha eleitoral de 2016. A primeira aprovando integralmente minhas contas de campanha e a segunda desaprovando as contas de Rosalba.

A ação que Rosalba move contra mim é baseada em alegações jurídicas sem a menor chance de prosperar nas instâncias judiciárias, porque são desprovidas de fundamentação lógica e de provas. Mas, o intuito é outro, é criar um noticiário político paralelo negativo em torno do meu nome, confiando na morosidade do processo, que mesmo com o arquivamento que será o destino final desta ação, já se tenha tirado o devido proveito com a estratégia de “assassinato de reputações”.

Aliás, chama a atenção na publicação destas matérias, que em todas elas seja omitida o nome da autora da ação judicial, como se fosse uma ação anônima. Assim como nas matérias a construção dos enunciados se dá como se fossem fatos verdadeiros e não apenas alegações de uma das partes contra seu adversário político.

Feitas estas ponderações, esclareço que todos os pontos elencados com o objetivo de levantar suspeitas de conduta irregular de minha parte foram abordados, esclarecidos e acatados pela Justiça Eleitoral por ocasião da prestação de contas da campanha que ao final restaram aprovadas com trânsito em julgado.

Esclareço ainda que as matérias se equivocam quando citam o Ministério Público como origem dos pedidos de quebra de sigilo, quando na verdade são pedidos feitos pelo advogado de Rosalba.

Considerando que todas essas alegações patrocinadas por Rosalba Ciarlini já tinham sido objeto de apreciação das minhas contas de campanha e que ao final a Justiça as declarou aprovadas, torna-se muito grave que este blog traga uma reportagem sobre estes mesmos fatos usando expressões como: fraude na minha campanha, abuso do poder econômico, uso de empresas fantasiosas, mascarar gastos, farsa na prestação de contas, farsa descrita, fantasia ilusória e criminosa, fraude na eleição, comandante de um esquema, indícios de ilegalidade.

É por demais gravoso a quantidade de adjetivos pejorativos contra minha pessoa numa matéria que se pretende jornalística e imparcial.

Feito o esclarecimento me dirijo ao leitor do blog para pedir que levem em consideração dois fatos importantes.

Que se trata de uma ação judicial não julgada e que a matéria traz enfoque quase exclusivo no que escreveu o advogado de Rosalba.

Que só tem uma decisão tomada até agora pela justiça. Minhas contas foram aprovadas e as contas de Rosalba foram rejeitadas.

Não façam julgamento precipitado agora, nem a favor e nem contra mim. Peço encarecidamente que esperem o fim da ação, o julgamento final. Aí sim, todas as máscaras cairão.

Atenciosamente,
Tião Couto.

Compartilhe:

Em nota, TJ informa que comprou novos carros para evitar gastos desnecessários com manutenção de frota antiga

Abaixo a resposta da Assessoria de Comunicação do Tribunal de Justiça esclarece a aquisição de novos carros para os desembargadores (ver AQUI). Abaixo o texto:

Caro jornalista Bruno Barreto,
Sobre a aquisição dos veículos adquiridos pelo Tribunal de Justiça, o Poder Judiciário do Rio Grande do Norte informa que a decisão de adquirir novos veículos foi tomada para evitar a utilização de dinheiro público na manutenção de carros que já estavam gerando gastos permanentes.
Em julho do ano passado, o Tribunal de Justiça do RN adquiriu 16 carros para atender aos deslocamentos institucionais feitos pelos magistrados no exercício da função. Os veículos substituem a frota que já tinha, em média, oito anos de uso e vinha gerando, aos cofres públicos, alto custo com manutenção.
Como está disponibilizado no site do Poder Judiciário, 13 carros que foram comprados custaram R$ 97.850,00 (cada). Esses irão atender aos magistrados. Os outros três, custaram R$ 235.500 (cada), e servirão ao Presidente do TJRN, ao Vice-Presidente e à Corregedoria Geral de Justiça, cujas funções exigem o deslocamento constante para visitas técnicas e correições às comarcas do interior do estado.
Importante ressaltar que a frota antiga será leiloada e o dinheiro arrecadado irá para o Fundo de Desenvolvimento da Justiça (FDJ) e servirá para compensar o valor utilizado para a compra dos carros novos.
Compartilhe:

Assessoria de Rosalba afirma que pagamento a Odebrecht foi relativo a obra da gestão anterior

Abaixo nota em que a prefeita Rosalba Ciarlini (PP) informa que os pagamento feito a Odebrecht dentro da gestão dela foi relacionado a uma obra de 2010, quando ela ainda não era governadora. A manifestação não aborda o depoimento de Alexandre Barradas, ex-executivo que relatou ter pago R$ 450 mil (ver AQUI e AQUI) em caixa dois para a campanha dela em 2010.

Rosalba esclarece que não contratou Odebrecht para obras da Caern

A Assessoria de Rosalba Ciarlini reitera que não houve nenhuma obra contratada à Odebrecht para realizar saneamento básico no período que esteve à frente do executivo estadual.
O valor liquidado pela CAERN que foi citado na reportagem refere-se  a um serviço contratado e executado pela administração anterior, a Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) do Baldo em Natal-RN, obra que se concluiu em meados de 2010, logo um valor devido e definido neste período , antes de Rosalba Ciarlini assumir o executivo estadual.

Compartilhe:

Políticos do RN se defendem de acusações da Lava Jato

Por meio de notas os senadores José Agripino (DEM) e Garibaldi Filho (PMDB). Os deputados federais Walter Alves (PMDB) e Felipe Maia (DEM) também emitiram notas.

Agripino e Felipe enviaram textos separados. Garibaldi e Walter mandaram uma nota conjunta.

Abaixo as defesas:

 

Apesar de desconhecer o inteiro teor da delação do ex-senador Sérgio Machado, devo esclarecer o seguinte:

1- As doações que, como presidente de Partido tenho a obrigação de buscar, obedecendo à legislação vigente, foram obtidas sem intermediação de terceiros, mediante solicitações feitas diretamente aos dirigentes das empresas doadoras.

2- Presidente de Partido de oposição que sou, não teria nenhuma contrapartida a oferecer a qualquer empresa que se dispusesse a fazer doação em troca de favores de governo.

3- As doações recebidas – todas de origem lícita – foram objeto de prestação de contas, devidamente aprovadas pela Justiça Eleitoral.

4- A empresa citada, portanto, fez doação oficial a um parlamentar de oposição que nenhuma influência poderia ter sobre negócios com a Petrobras.

Senador José Agripino (RN)
Presidente nacional do Democratas

NOTA
Todas as doações recebidas na minha campanha foram devidamente contabilizadas e aprovadas pela Justiça Eleitoral.
Em 2014, as doações recebidas de empresas privadas, dentro do que permitia a legislação, foram arrecadadas através da minha conta campanha, bem como pelos Diretórios Nacional e Estadual do meu partido, sem intermediários.
Deputado Federal Felipe Maia

N O T A

Com relação à decisão do ministro Edson Fachin de autorizar a Procuradoria-Geral da República a investigar fatos incluídos em delação premiada do ex-senador Sérgio Machado, esclarecemos que o próprio delator – quando cita o senador Garibaldi Alves Filho e o deputado federal Walter Alves – ressalta que as doações feitas a eles foram oficiais. Não houve nenhuma troca de favor, benesse ou vantagem de qualquer natureza.

Vale destacar que a Lei 9.504 e as resoluções do Tribunal Superior Eleitoral previam esse tipo de arrecadação nas campanhas eleitorais, inclusive fixavam percentuais para as doações de pessoas físicas e jurídicas.

Assessorias do senador Garibaldi Filho e do deputado Walter Alves

Compartilhe:

João Maia diz desconhecer acusações

Por meio de nota o ex-deputado federal João Maia, presidente estadual do PR, disse desconhecer o teor das delações que apontam ele como beneficiário de propina no Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes (DNIT) – ver AQUI. Abaixo o texto:

NOTA DE ESCLARECIMENTO

 

 

A imprensa divulgou nesta terça-feira (04) notícia sobre delação premiada do Sr. Gledson Golbery de Araújo Maia, ex-chefe do serviço de engenharia do DNIT no Rio Grande do Norte, na qual eu sou acusado de ter sido favorecido por irregularidades cometidas naquele órgão.

 

O processo tramita em segredo de Justiça, e por isso ainda não tive acesso aos autos e ao conteúdo da delação, providência essa que os meus advogados já requereram e que aguarda deferimento para que eu, conhecendo de que sou acusado, possa me defender.

 

Confio plenamente no Poder Judiciário, e tenho a mais firme convicção de que as investigações irão distinguir a mentira da verdade, e ao final demonstrar que são acusações infundadas de quem busca culpados para as suas próprias fraquezas. 

 

João da Silva Maia

Ex-deputado federal e Presidente Estadual do PR

Compartilhe:

Prefeitura nega nepotismo e alega que irmã de Rosalba apenas repassou informações

Rosina Ciarlini

Por meio de nota a Prefeitura Municipal de Mossoró nega que Rosina Ciarlini, irmã da prefeita Rosalba Ciarlini (PP), esteja atuando como diretora da Escola de Artes. A alegação é de que ela, uma servidora concursada da educação, apenas repassou alguns informes. Abaixo o texto:

A assessoria de comunicação do Município informa que a servidora Rosina Ciarlini é funcionária efetiva, concursada da Educação.
Com o início das aulas em toda a rede municipal de ensino, incluindo a Escola de Artes, Rosina, enquanto concursada da Prefeitura, participou de reunião e repassou informes conforme orientação da Secretaria de Educação. A funcionária não exerce cargo de direção, apenas está trabalhando por dever de ofício, assim como deve fazer qualquer funcionário público efetivo municipal.

Nota do Blog: seis pessoas de classes sociais distintas passaram a mesma informação ao Blog pelo Facebook, Whatsapp e ligações telefônicas. Todas disseram a mesma coisa: a irmã da prefeita ocupa a direção da Escola de Artes. Na imagem acima um cidadão comemora a ida dela para o cargo e ainda escreve que a “Rosa acertou”. A postagem foi feita no grupo da Escola de Artes no Facebook.

Compartilhe:

Cosern culpa raio por falta de energia no Alto do Sumaré

Abaixo nota de esclarecimento da Cosern em resposta ao manifesto do leitor Wagner Sanches publicado no Blog do Barreto ontem (ver AQUI).

Caro Bruno Barreto,

 

Em relação a notícia publicada em seu prestigiado blog, sobre falta de energia no Conjunto Monte Olimpo, em Mossoró, a Cosern esclarece que a interrupção, que atingiu 1.156 consumidores, foi provocada por fortes descargas atmosféricas (raios) que provocaram danos em um isolador da rede elétrica. A demora no reestabelecimento da energia elétrica, por sua vez, deu-se em função da dificuldade de acesso das equipes da Cosern ao trecho da rede elétrica onde o defeito, de difícil detecção visual e recomposição, foi localizado.

 

 

Atenciosamente,

 

Departamento de Comunicação Institucional e Sustentabilidade

Compartilhe:

Vereador explica solicitação de antigo prédio do fórum para Câmara Municipal

Ofício - Estudo de Viabilidade de Cessão

Por meio de nota o vereador Rondinelli Carlos (PMN) explica-se a respeito do ofício enviado ao Tribunal de Justiça em que trata da possibilidade de transferência do antigo fórum para ser sede da Câmara Municipal foi alvo de reação (ver AQUI) da presidente da casa Izabel Montenegro (PMDB).

Abaixo a nota:

Em nota divulgada no Blog do Barreto, na última quarta-feira, 1 de fevereiro,  que trata sobre a possibilidade de cessão ou compra do prédio que abrigava o Fórum Municipal para ser a sede da Câmara Municipal, contêm equívocos.

No ofício que enviamos para o presidente do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte (TJ/RN) Dr. Expedito Ferreira de Souza, solicitamos um estudo de viabilidade de cessão do antigo prédio que abrigava a sede da instituição de justiça para ser a sede da casa legislativa.

Abrir diálogo para cessão ou aquisição de imóvel não pode ser considerado falta de conhecimento, e sim, vontade de contribuir diretamente para que o Poder Legislativo tenha um espaço apropriado para os trabalhos dos servidores, vereadores e de atendimento a população. Além da acomodação, estamos tratando do dinheiro do povo, fazendo uma economia de quase 1 milhão por legislatura. 

Na matéria, também é reproduzida a fala da presidente da Câmara Municipal, afirmando que é formada pela UERN e não compraria um imóvel que, atualmente, possui um andar – dos três andares do prédio – para utilização da prática jurídica da instituição. Sou formado em Geografia pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte e em nenhum momento propus o projeto com o objetivo de retirar o espaço da instituição, podendo o prédio abrigar o núcleo da prática jurídica e a casa do legislativo. Sou defensor assíduo da nossa UERN!

O mandato precisa ser voltado para questões que realmente interessam a população e estou sempre disposto ao diálogo. Defendo a sede própria nesta legislatura. 

Mantenho a minha postura e ética em defender os anseios dos mossoroenses e me coloco à disposição para responder e/ou resolver qualquer dúvida surgida sobre o nosso mandato.    

Estamos à disposição. Bom dia. Boa semana.

Segue em anexo o Ofício N° 005/2017 – GVRC.

 

Rondinelli Carlos

Vereador PMN 

Compartilhe:

Governador envia nota de esclarecimento rebatendo crítica do Blog do Barreto

Abaixo nota do governador Robinson Faria (PSD) rebatendo artigo que criticou o distancimento entre ele e a realidade do povo.

Caro jornalista Bruno Barreto,

Em artigo publicado em seu blog, o senhor afirma que a informação de que a cantora Paula Fernandes esteve no casamento de minha filha como convidada e não cobrou cachê é “conversa fiada”.

Sua afirmação é desrespeitosa e mentirosa por desconsiderar não somente minha palavra de homem público que age com transparência também em questões particulares, como é o casamento. Mas também por julgar como mentirosas informações amplamente divulgadas pela própria cantora, que por meio de nota destacou que veio como convidada e amiga do casal. Subiu ao palco e ao lado de uma banda local cantou três músicas destacando que era um presente para os noivos. Participou do começo ao fim da festa, dançando, conversando, como todos os convidados.

Quem me conhece sabe que confundir o público com o privado não faz parte do meu histórico como político. Sou o primeiro governador a abrir mão de direitos constitucionais que considerei privilégios, como o de morar numa residência oficial, o que resulta em economia ao erário público de R$ 180 mil por mês. Moro em minha casa, ando no meu carro particular. Como governador, continuo prezando pela simplicidade: frequento os mesmos lugares e tenho os mesmos amigos de antes, minha alegria está em momentos simples, como tomar um café no shopping, ir ao cinema com minha família. Ostentação está longe dos meus hábitos, inclusive sou um crítico de quem pratica. Sabe disso quem tem interesse em me conhecer, antes de atirar críticas.

Da mesma forma que tenho empenhado todas as minhas energias em construir saídas para a crise financeira do Estado, também tenho, como pai, o direito de comemorar a felicidade de minha filha, e junto com o noivo e demais familiares, oferecermos uma festa de casamento como o fazem famílias em diversas culturas, no mundo todo. Esse direito tem de ser respeitado.

Infelizmente, tenho me deparado com a necessidade de corrigir informações falsas e afirmações maldosas de cunho político, sem base jornalística, sem profissionalismo, que tentam encontrar numa celebração familiar relações inexistentes com questões públicas.

Estar feliz e realizado em minha família me fortalece ainda mais na luta pelo bem do nosso Estado, que é a minha missão como governador e homem público, da qual jamais recuo.

Peço a publicação desses esclarecimentos.

Robinson Faria

Compartilhe:

Prefeitura classifica como deturpadas informações sobre Agência Reguladora

Por meio de nota a Prefeitura de Mossoró afirma que as informações sobra a Agência Reguladora estão sendo deturpadas.

Nota de Esclarecimento

A Prefeitura Municipal de Mossoró vem a público esclarecer informações desencontradas sobre o Projeto de Lei que cria a Agência Mossoroense de Regulação dos Serviços Públicos, em tramitação na Câmara Municipal de Mossoró.
De acordo com o Decreto nº 8.629/2015, da Presidência da República, a partir de 2017, “a existência de plano de saneamento básico, elaborado pelo titular dos serviços, será condição para o acesso a recursos orçamentários da União ou a recursos de financiamento geridos ou administrados por órgão ou entidade da Administração Pública federal, quando destinados a serviços de saneamento básico.”.
Desta forma, a Agência Mossoroense de Regulação dos Serviços Públicos é imprescindível para o acompanhamento da execução das metas estabelecidas no Plano de Saneamento Básico e dos Contratos de Programa realizados entre o Município e as Concessionárias. A agência reguladora trará ainda uma autonomia ao município na discussão da prestação dos serviços, estabelecimento de metas e definição de tarifa, diferentemente de como atualmente ocorre em relação a água e esgotos, por exemplo, onde a Concessionária estabelece preços baseados exclusivamente em parâmetros do município de Natal. Além disso, o município terá condições de fiscalizar os serviços prestados pelas concessionárias e garantir a qualidade do serviço prestado aos mossoroenses.
Por fim, a Prefeitura de Mossoró esclarece que a cobrança da cota de regulação de cada concessionário ou permissionário, conforme estabelecido na proposta de Lei, garantirá a autonomia financeira da Agência Mossoroense de Regulação dos Serviços Públicos e não representará novos custos a Prefeitura de Mossoró, arcando inclusive com os custos com pessoal.
Todas essas informações constam no Projeto de Lei encaminhado à Câmara Municipal, devendo ser de conhecimento de todos os vereadores. Mais uma vez, a gestão municipal lamenta a deturpação de informações por parte da oposição a fim de tumultuar a administração pública.

Luziária Firmino Machado Bezerra
Secretária Municipal de Comunicação Social

Compartilhe: