O verdadeiro sentido de ser mãe

Por Thiago Fernando de Queiroz*

Chega um determinado momento na vida de algumas mulheres que o sentimento de ser mãe se aflora, esse sentimento inexplicável surge como uma mágica do viver, e, como tudo aquilo que é inexplicável nessa vida, ao descobrir que se está grávida, a primeira reação é, colocar a mão na barriga e começar a sonhar. Os pensamentos nesse momento vêm na mente e diversas perguntas são feitas como se estivesse perguntando a si mesma.

Como será seu rostinho? Sua mãozinha? Seu cheirinho? Seu primeiro sorrisinho? Qual será sua primeira palavrinha quando começar a falar? Com quantos meses começará a andar? Como será o seu dormir e o seu levantar? Como será seu futuro? Nossa, são tantas as perguntas e sonhos, que como o conto de uma história, o que espera é um final feliz.

No momento ao descobrir a gestação, não se dorme do mesmo jeito, o sentimento de proteção surge, uma leoa ruge a quem tentar dizer ao contrário a seu filho que está sendo gerado, e, como uma flor linda que exala perfumes marcantes, ela quer ser apreciada, cuidada e amada pelos os que cercam.

Então, como ponteiros de relógio que passam rapidamente, o dia chega, momentos de preocupações vem à mente, dores e medos são presentes, mas, quando ele ou ela nasce, as dores somem rapidamente, e, o que se mais quer é seu sonho esteja em seus braços. A partir daí um desejo enorme mais forte que o normal flui ao ver pela primeira vez aquele rostinho vindo como um presente, sentir o seu cheirinho traz as memórias todos aqueles dias que em sua barriga ele ou ela estava, e, quando ele ou ela dar a primeira mamada, nossa, por um instante você se sente como Deus, que nos deu a sua vida pra nos salvar e nos deixar acreditar em uma vida eterna de alegria, e, é essa a alegria que você quer que seu filho ou filha tenha ao viver e a toda sua vida.

É nos embraçares de todas essas emoções e sentimentos que neste Dia das Mães, eu entrevisto uma mãe guerreira, uma mãe que luta com amor pelo bem-estar e os direitos de seu filho com deficiência. Essa mulher guerreira vivi na Comunidade Rural Maísa, situado no município de Mossoró/RN. Não falarei muito agora, pois, vamos para a entrevista.

Entrevista com Neta Mendes

Thiago Queiroz – Neta, é um prazer enorme está lhe entrevistando e poder contar a sua história. Conte-nos um pouco sobre você, onde nasceu e exponha um pouco sobre sua família?

Neta Lima – Meu nome é Maria da Luz Pereira Lima, conhecida como Neta, nasci em Aracoiaba no estado do Ceará. Sou filha de Luiz Pereira Lima e Maria Terezinha de Lima, meus pais tiveram 14 filhos e acabaram criando 9. Eu concluir o Ensino Médio e hoje trabalho como locutora em uma Rádio da Comunidade Maísa, onde vivo atualmente com meu filho Francisco Erislan Pereira de Oliveira.

Thiago Queiroz – Neta, antes de ser mãe, qual era o seu sonho?

Neta Lima – Nunca foi muito de sonhar, pois, aos 9 anos tive que tomar a responsabilidade da casa e cuidar dos meus irmãos, visto ao falecimento de minha mãe. Mas, uma coisa que sempre almejava é que meu pai tivesse orgulho de min, e, acredito que ele tenha. Apesar de ser uma das mais novas entre os filhos, todas as decisões tomadas pela família passam por mim. Mas, eu tenho um desejo, é que acabe o preconceito no mundo.

Thiago Queiroz – Neta, com quantos anos você foi mãe e em que data nasceu Erislan?

Neta Lima – Fui mãe aos 19 anos, e, Erislan nasceu em 21 de março de1997.

Thiago Queiroz – Conte-nos um pouco sobre o pai de Erislan? Se ele participa da criação, se ajuda de alguma forma, a história de vocês?

Neta Lima – Meu filho é a pessoa mais importante de minha vida, como ele eu aprendi a viver coisa que eu achava que não era capaz, eu aprendi que cada dia vale a pena acordar, porque a gente tem uma razão para isso, eu a minha razão é meu filho. Todos os dias meu despertar, olhar para ele é a minha razão de viver. Algumas pessoas me ajudaram na criação do meu filho, mas, na verdade, sempre foi só eu. A minha família me apoiou, me apoiou em qual sentido, não desistir de mim, mas, em questão de alimentação, eu lutava para conseguir, pois, eu não queria que alguém que viesse me ajudar dando uma lata de leite ou uma bandeja de Danone jogasse na minha cara depois, e, se sentisse no direito de bater em Erislan. Então, isso eu não aceitava, o que fiz eu? Eu fiz faxina, cheguei até limpa muro de enxada pra ganhar um trocado para comprar uma lata de leite pro meu filho, porque quando ele nasceu, uns dois meses depois, ele teve a primeira crise. A partir daí, o pai dele nos abandonou, então, com o abandono do pai dele, como a gente morava numa casa de aluguel, eu não tinha condições de manter. Assim, eu voltei pra dentro da casa do meu pai e quando eu voltei pra dentro da casa do meu pai, eu voltei decidida a criar o meu filho sozinha. E foi isso que eu fiz.

Thiago Queiroz – Quando Erislan nasceu, os médicos lhe informaram que ele seria uma pessoa com deficiência?

Neta Lima – Não! Os médicos não me informaram nada. Erislan nasceu de parto normal com quatro quilos e trezentas gramas, cinquenta e dois centímetros. Após o parto, Erislan não chorou, deram aquelas palmadinhas nele, em seguida ele chorou. Ele nasceu todo roxinho e uns vinte minutos depois levaram ele até a mim, mas, ele não foi diagnosticado com nenhum tipo de deficiência quando nasceu.

Thiago Queiroz – Neta, explique um pouco sobre qual é a deficiência de Erislan.

Neta Lima – Erislan é portador de paralisia cerebral, epilepsia, extrofia e é usuário de cadeira de roda. Erislan também tem outro problema que a gente veio descobrir a uns quatro anos, ele não tem lágrima e hoje ele não tem lágrimas ao chorar. Levei ele para uma Doutora e ela disse que esse caso da visão de Erislan é rara. Ele tem um grau perfeito, enxerga muito bem, mas ele não se interessa por televisão. A doutora disse que tem alguma coisa a ver com ele não vê muito bem o colorido. Eu não entendi bem. Só que uma coisa que me intriga é que Erislan conhece as cores. Eu coloco as cores assim, verde, azul, amarelo; e, a cor que eu mandar ele pegar, ele pega. Então assim, ela disse que era uma coisa rara, mas, ele tem esse problema na vista, ao qual, ele não chora, de restante na visão, ele não tem nada.

Thiago Queiroz – Fale um pouco das lutas que você passa para garantir os direitos de seu filho?

Neta Lima – Essa é uma das piores partes. Vou começar contando um fato que ocorreu a mais ou menos vinte e um anos atrás. Quando fui matricular meu filho no jardim da infância, ao qual ele nunca teve o direito de estudar no jardim, visto que a diretora na época, uma pessoa muito conhecida e que se tornou vereadora em Mossoró, não deixou meu filho se matricular, dizendo que meu filho era doente. Como toda mãe que ver seu filho chegando em fase escolar, eu queria que ele estudasse. Comprei os materiais escolares, a fardinha, fui a escola matricular ele, mas, ouvir absurdos de alguém que deveria educar, mas, com palavras frias, me magoou muito. Pois, seria o primeiro aninho dele na escola, porém, a palavra da diretora dizendo que aquele lugar não era para o meu filho doeu muito. Abaixei meus olhos e comecei a chorar. Vim pra casa, chorei muito e fiquei com aquele não e pronto. Quando Erislan completou cinco anos, me falaram de uma instituição chamada APAE, em Mossoró. Naquele mesmo instante eu disse: Eu vou lá! Porque quando vieram me falar da APAE, disseram assim: Neta, na APAE Só tem crianças igual o seu ou pior que seu filho! Eu pensei, “então lá é o canto pro meu filho”. Fui na APAE, e, quando cheguei lá, fui muito bem recebida. Meu filho passou cinco anos na APAE, onde ele tinha direito a tudo que se dá a uma criança especial e foi na APAE que eu aprendi a ser mãe de uma criança especial. Lá eu aprendi qual era o meu direito, qual era os meus deveres, como lidar com meu filho, como lidar com um filho da vizinha, como lidar com uma criança que era especial também. Tudo isso eu devo a APAE. Meu filho tinha atendimento de hidroterapia, terapeuta ocupacional, fisioterapia e estudava em sala de aula. A merenda que as crianças merendavam, os professores e as pessoas da secretaria também merendavam, era todo mundo no refeitório, e, as mães também tinham o mesmo direito. Então assim, eu entrei no céu, a minha ida para a APAE, eles diziam “aqui você vai aprender tudo que você precisa saber, e, lá eu aprendi tudo que eu precisava. Foi um salto por céu. Quando eu saí da APAE e durante esses cinco anos nunca fui em carro de Prefeitura, sempre fui pagando do meu bolso. Eu pagava um táxi pra levar eu e meu filho durante esses cinco anos. Eu lutei, batalhei, corri atrás, mas eu nunca consegui um carro por parte da Prefeitura, nunca ajudaram em nada. Então meu filho passou cinco anos lá e se fosse preciso, ele estaria lá até hoje. Se voltasse ao passado, eu taria indo da mesma forma que foi do começo. Quando ele completou uma determinada idade, mandaram colocar ele numa escola normal, aí o meu Deus, o que é uma escola normal? Daí minha preocupação foi, aonde eu poderia colocar ele pra ele estudar, interagir com outras crianças. Aí vai eu fazer a matrícula de Erislan na Escola Estadual Gilberto Rola, que é aqui na Maísa. Quando eu consegui encaixar meu filho para fazer a matrícula, graças a Deus deu certo, porém, foram dois anos de espera, eu tive que procurar a Secretaria de Educação para garantir o direito a educação de meu filho, a Secretária me deu uma carta, entreguei para a diretora e só assim consegui engajar meu filho na sala de aula. Foram dois anos difícil, eu não sofria preconceito com meu filho na sala de aula, com os alunos, mas, eu sofria com as mães dos alunos. Elas diziam que não sabia o que meu filho tava fazendo ali, porque ele era doido, ele era doente, ele não era capaz. Contudo, eu já tava experiente, já sabia como me defender e defender o meu filho. Eu mostrei pra população que o meu filho tem o mesmo direito dos filhos deles. Essa foi uma luta muito difícil, mas, a gente venceu.

Thiago Queiroz – Neta, muito chocante esse relato, sabemos que foram muitas lutas que você enfrentou com o seu filho, visto que temos uma sociedade preconceituosa e excludente, e, ainda sei, essas não foram nem a metade de suas lutas, mas, você vem vencendo. Me conte, o que você almeja para Erislan e qual o seu sonho hoje como mãe?

Neta Lima – É verdade Thiago, parte das lutas que vivi não tive como contar, pois, o tempo é curto. Porém, o que almejo a meu filho é que ele viva feliz, que tenha direito de ter uma vida digna. Sobre sonhos, posso dizer que hoje como mãe, Meu maior sonho já foi realizado que foi ser mãe; e, como mãe, eu só quero que todos dias sejam dia melhores pra mim, pra o meu filho, pra toda sociedade, porque o dia mais difícil sempre vai ser o amanhã.

Thiago Queiroz – Neta, eu quero agradecer por essa entrevista, obrigado por compartilhar suas experiências de vida, e, muito obrigado por demonstrar tanto amor pelo seu filho, isso me emociona muito. Antes de fazer a matéria com você, pesquisei várias mães para entrevistar, e, o mais engraçado, é que quando eu perguntava a alguns professores da educação especial alguém que fosse exemplo, diziam você. Assim, comecei a pesquisar você, e, o mais lindo de tudo, é que me disseram que você para onde vai, seja passeio ou compromissos sociais, está com o seu filho, e o mais, demonstra um cuidado e um amor enorme. Isso é muito emocionante, pois, como militante na inclusão de pessoas com deficiência, conheci diversas realidades, e, estou orgulhoso de ti, parabéns.

Neta Lima – Eu amo demais meu filho, se eu voltasse ao tempo, eu queria ter ele novamente, ele é a pessoa mais forte desse mundo, um exemplo para mim. Thiago, agradeço a oportunidade de contar minha história e de Erislan. E, aproveitando essa oportunidade, desejo a todas as mães, um Feliz Dia das Mães.

Thiago Queiroz – Muito, e, muito obrigado Neta!

É impossível não se emocionar com essa história, assim, espero que ela lhe marque, que seja um presente a sua vida. Termino desejando a todas as mães um Feliz Dia das Mães a todas as mamães, e, em especial, a minha mãe Francisca Martir Lassalete Fernandes, pois, como Neta que é mãe de um filho com deficiência, a minha também é, como alguns sabem, sou pessoa com deficiência visual, e, mãe vivencia muitos dos preconceitos sociais que passo.

Agora, eu peço a vocês caros amigos e amigas leitores, pelo amor de Deus, ajude a Neta Lima no tratamento do filho dela, ele precisa ser atendido por fisioterapeutas mediante a atrofia dele, e, a Prefeitura Municipal de Mossoró nunca cumpriu com o seu dever na garantia o direito a saúde dessa mãe e do filho dela. Peço que quem tiver o contato de alguma pessoa influente, busque garantir o direito deste jovem, até digo pelo amor de Deus. Pois, é desumano o descumprimento do direito a saúde desse jovem.

Vamos lutar por um mundo melhor, vamos lutar por igualdade, vamos lutar juntos, pois, juntos somos mais fortes.

FELIZ DIA DAS MÃES

*É pesquisador em Inclusão e nos Direitos das Pessoas com Deficiência.

Compartilhe:

Entrevista: Emanuela Sousa e o olhar sensível para pessoas em situação de rua

Jornalista fala sobre o livro lançado na última sexta (Foto: divulgação)

Emanuela Sousa é apresentadora da TCM Telecom, graduada em jornalismo e radialismo pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. É uma profissional de comunicação com rara sensibilidade para questões sociais e humanas. Uma de suas frases marcantes énós jornalistas, não somos máquinas humanas. Somos, pessoas com sentimentos, e isso não pode ser deixado para trás”.

Toda esta carga de sensibilidade jornalística pode ser encontrada no livro-reportagem “Sinal Fechado”, fruto de seu trabalho de conclusão de curso em jornalismo que contou histórias das pessoas em situação de rua. A obra foi lançada na última sexta-feira em evento bastante concorrido no Memorial da Resistência.

O livro está em negociação para ser disponibilizado nas livrarias da cidade, mas pode ser adquirido em contato com a autora pelo Whatsapp 9.8846-9512 ou Instagram @emanueladesousa.

Nesta entrevista ela conta como elaborou o livro e suas impressões sobre as pessoas que dormem ao relento pelas ruas de Mossoró.

Confira:

 

Blog do Barreto: Como surgiu a ideia de escrever este livro?

Emanuela Sousa:  O tema sobre população de rua é uma das minhas pautas mais presentes. Desde 2014, quando eu e o cinegrafista Jocieliton Costa, levamos ao ar pela TCM Telecom a Série Excluídos, com destaque para o universo dessas pessoas, passei a sentir uma inquietação. O que eu, enquanto pessoa e profissional da comunicação, ainda posso fazer em prol desta causa? Então, ano passado, 2018, para concluir o curso de jornalismo pela Uern, decidi que escreveria um livro-reportagem capaz de retratar em detalhes as causas que levam uma pessoa a viver em condição de rua, a forma como vivem essas pessoas, e o que elas sonham para o futuro; foi assim que nasceu Sinal Fechado. Agora, o sinal está aberto para falarmos cada vez mais a respeito deste assunto.

Blog do Barreto: Qual trecho de sua obra você considera fundamental para entender o que sentem as pessoas em situação de rua?

Emanuela Sousa:  Todas as pessoas presentes no livro-reportagem apresentam pontos em comum, mas cada uma com suas particularidades. O leitor poderá sentir o quanto a base familiar é importante, sendo essa, a estrutura capaz de nos manter unidos, felizes e saudáveis. A quebra da estrutura familiar é um dos principais motivos que levam uma pessoa a viver em situação de rua. Em meio às trinta reportagens apresentadas em Sinal fechado, é possível deparar-se com trechos que constatam isso. Abandono, fome, frio, preconceito; sonhos de uma hora poder refazer os laços. É predominante entre essas pessoas o desejo de ressocialização, de que a invisibilidade possa ceder lugar a oportunidade de uma vida digna e com direitos respeitados.

Blog do Barreto: Antes desse livro, você já tinha feito uma série de reportagens sobre o tema para a TV. Quais as diferenças e semelhanças dos dois trabalhos?

Emanuela Sousa: A série Excluídos é impactante. O recurso das imagens é algo revelador. Já o livro Sinal Fechado, também é forte, capaz de revelar ainda mais detalhes sobre o universo dessa população de rua. Para a TV precisamos trabalhar com o fator tempo, tudo precisa ser o mais objetivo possível. Na construção das reportagens para o livro, foi possível conviver mais com cada personagem, lançar conversas profundas, reportar lembranças, trazer à tona pensamentos, sentimentos, vivências de todos os tipos. O jornalismo literário permite que isso seja colocado em prática. Digo que, nós jornalistas, não somos máquinas humanas. Somos, pessoas com sentimentos, e isso não pode ser deixado para trás.

Blog do Barreto: O que mais te chamou atenção sobre o perfil das pessoas em situação de rua?

Emanuela Sousa: A maioria das pessoas que vive essa situação é formada por homens, com idades entre 19 e 55 anos. Para sobreviver trabalham como flanelinhas, descarregam mercadorias na região do centro da cidade, principalmente na Cobal. A presença das mulheres já é significativa. Um recurso usado por elas como forma de conseguir algum dinheiro é, a prostituição do corpo. As drogas representam um problema de saúde pública instalado no universo dessas pessoas. A quebra da estrutura familiar, o rompimento dos vínculos afetivos, e o desemprego, são pontos que ligam todo esse público.

Blog do Barreto: Estamos em um momento de retrocessos sociais. Você observa um crescimento da quantidade de pessoas em situação de rua?

Emanuela Sousa: O número de pessoas em situação de rua em Mossoró, mais que dobrou desde a série  de reportagens apresentada na Tv, em 2014, até aqui. De acordo com dados do serviço Consultório de Rua, ligado ao município, são mais de duzentas pessoas cadastradas e vivendo em condição de rua. Estima-se, porém, que mais de trezentas pessoas vivenciem essa mesma realidade. Faltam mais políticas públicas. A cidade caminha para trezentos mil habitantes, e não temos um Centro POP, ou albergue. Não existe um programa do governo capaz de trabalhar a capacitação e assim, ressocializar esse público. Fica o grito de alerta. A minha intenção é a de que a sociedade possa treinar o olhar acolhedor para que vive em condição de rua. É urgente a luta para que os direitos de cada cidadão sejam garantidos e respeitados. Próximo ano, 2020, teremos eleições. Um dos meus desafios é para que o leitor/ cidadão, possa cobrar medidas urgentes voltadas para o crescente número de pessoas que hoje estão em condição de rua. Aliás, não é preciso esperar 2020 chegar, a luta precisa começar desde agora. O que você pretende fazer?

Compartilhe:

“Bolsonarismo é uma ideologia de classe média americanizada, ressentida”, diz historiadora

Enders é professora titular de História Contemporânea da Universidade Paris 8.  Foto: Arquivo pessoal

Carta Capital

A historiadora francesa Armelle Enders é apaixonada pelo Brasil, país que visita e estuda há mais de 30 anos. Nesta entrevista a CartaCapital, ela comenta o episódio dos ataques grosseiros desferidos por Jair Bolsonaro e Paulo Guedes à primeira-dama francesa, Brigitte Macron. “O bolsonarismo é uma ideologia de classe média americanizada, ressentida. E tem também a personalidade do Macron, um homem culto, o que para o bolsonarismo é uma coisa que instiga a homofobia deles. Cultura é vista como uma coisa feminina, desprezível, de homossexual.”

A historiadora desconstrói ainda a personagem de Fernando Henrique Cardoso, “que goza de uma reputação de esquerda esclarecida entre franceses de sua geração, mas é, na realidade, um coronel da política brasileira que faz em Paris análises totalmente equivocadas sobre a realidade do País”.

Professora titular de História Contemporânea na Universidade Paris 8 e pesquisadora do Institut d’Histoire du Temps Présent, Armelle Enders publicou, entre outros livros, A História do Rio de Janeiro (Editora Gryphus) e Histoire du Brésil (Chandeigne), que acaba de ganhar a terceira edição, atualizada com a eleição de Bolsonaro.

MACRON E BOLSONARO FOTO: FREDERICO MELLADO / ARG

CartaCapital: Em janeiro deste ano, em Paris, FHC disse que não houve golpe de Estado, as instituições no Brasil funcionavam normalmente e a eleição de Bolsonaro foi a expressão da rejeição da corrupção e da violência.

Armelle Enders: Acho que há um divórcio entre a imagem que o FHC tem na França, por causa das relações que ele tem de amizade com uma certa inteligência francesa da geração dele, e a realidade. Ele tem uma imagem de esquerda esclarecida, esquerda moderna, e na realidade é um coronel da política brasileira. Como historiadora, vejo como uma coisa típica que havia na Primeira República: políticos que tinham posições públicas progressistas e, na verdade, no reduto eleitoral de poder deles, eram muito atrasados, oligarcas tradicionais. A análise dele é equivocada. É a versão do PSDB, surgida antes da campanha de 2014, de que o “lulopetismo era um sistema para se perpetuar no poder”. A propaganda foi massiva e espalhou-se. Pode-se contestar o PT, num contexto democrático isso faz parte da luta política. Mas, com o golpe, a situação política no País virou uma construção diabólica, de destruição do Estado.

CC: Uma construção diabólica?

AE: O PT foi acusado de se corromper para manter um projeto autoritário de poder. Foi isso o que os brasileiros teriam rejeitado. A afirmação de FHC é a consagração dessa lógica, que se desenvolveu num contexto de eleições, mas virou verdade para muita gente. Acabou por abalar as consciências. Outro argumento foi usado no pleito de 2018: o PT e Bolsonaro são dois extremos. Então, ambos devem ser rejeitados. Esses dois temas são desdobramento do contexto eleitoral, mas totalmente equivocados.

FOTO: LUIZ RAMPELOTTO/EUROPA NEWS WIRE/AFP

CC: O escritor chileno Ariel Dorfman afirmou recentemente: “O Brasil continua de costas para seu passado. A impunidade das Forças Armadas brasileiras abriu o caminho para Bolsonaro ser presidente e dizer as barbaridades que pronuncia diariamente”. Concorda?

AE: Na verdade, esse conflito nasce da correlação de forças no final da ditadura. A extrema-direita militar e civil negociou uma transição pretensamente democrática feita por cima, um acordão. O poder estava do lado dos militares, o que estava em jogo era a anistia. Foi preciso escolher: ou a ditadura persiste ou se processa os militares. O preço foi uma anistia negociada, sem punição. O problema sempre surge em função dos militares.

CC: Por que não se revogou a Lei da Anistia, como Néstor Kirchner fez na Argentina?

AE: Essa correlação de poder se manteve. A Comissão Nacional da Verdade desfez o pacto da Anistia, mas sem julgar os torturadores e responsáveis por crimes contra a humanidade.

CC: E essa série de incidentes degradantes e ridículos protagonizada por Bolsonaro, Guedes e outros em relação à França? Houve ofensas à mulher do presidente Macron que envergonham qualquer brasileiro decente.

AE: Analiso em dois níveis. Primeiro, o nível político, da relação do Brasil de Bolsonaro com o governo americano e Trump. Houve atritos entre Trump e o presidente Macron. Logo em seguida, começaram os atritos do Bolsonaro com Macron, o alinhamento era evidente. Foi também uma maneira de Bolsonaro agitar a bandeira da soberania diante das velhas potências europeias. Há ainda um componente cultural. A representação da Europa, e particularmente da França, é o contrário da ideologia dos bolsonaristas. A França é representada pela cultura, sofisticação de uma certa elite brasileira tradicional. O bolsonarismo é uma ideologia de classe média americanizada, ressentida. E tem também a personalidade do Macron, um homem culto, o que para o bolsonarismo é algo que instiga a homofobia. Cultura é vista como uma coisa feminina, desprezível, de homossexual. Macron valoriza a cultura, não é o estilo varonil do russo Vladimir Putin. O casal que ele forma com Brigitte, uma mulher culta e mais velha, representa tudo o que eles odeiam.

CC: Bolsonaro não esconde o interesse de se apropriar das terras indígenas para favorecer o agronegócio e explorar as riquezas do subsolo. Como a comunidade internacional pode ajudar a proteger a biodiversidade da Amazônia, mas também a proteger essas populações?

AE: Políticos populistas, como Trump, Netanyahu ou Putin, desrespeitam totalmente as instituições internacionais. Imagino que Bolsonaro fará a mesma coisa. As ONGs sofrem perseguição do governo brasileiro, e há ainda os consumidores do mundo. O que pode alterar a situação do Brasil da era Bolsonaro são os interesses econômicos. Mas não é fácil, porque muitas empresas multinacionais lucram com o bolsonarismo.

CC: Em artigo publicado no Le Monde, o filósofo Alain Badiou sustentou que o capitalismo é o responsável pela destruição do planeta. E propôs: “Que não exista propriedade privada do que deve ser comum, a saber a produção de tudo o que é necessário à vida”.

AE: Na verdade, a única alternativa que tivemos ao capitalismo foi a União Soviética, que em relação ao meio ambiente também não foi exemplar. É uma crise não só do capitalismo, mas da civilização, do que era a social-democracia. Não acredito também na economia administrada ou num Estado todo-poderoso, que pode acabar sendo predador.

CC: Qual seria a solução?

AE: É uma questão de consentimento das populações. Uma grande parcela apoia a predação. É difícil resolver.

CC: Será resolvido somente quando todos perceberem que estamos à beira do precipício?

AE: Já estamos. Aparentemente, há uma consciência mais nítida do que muitos anos atrás. O Brasil tem uma coisa mais forte, uma tradição escravocrata, que vem da época colonial. E o Bolsonaro refere-se a isso no imaginário da conquista do Oeste. Existe a ideia de que o território do Brasil é infinito. Pode-se explorar as terras à vontade, com permissividade absoluta.

Compartilhe:

Brasileiro abandonou ‘máscara’ de cordial e assumiu sua intolerância, diz Lilia Schwarcz

Bolsonaro durante assinatura de decreto que flexibiliza regras para porte de armas
Em novo livro, antropóloga traça longo histórico da violência, da corrupção, da intolerância e das questões de raça e gênero no país para discutir momento atual, que caracteriza como uma ‘guinada conservadora e reacionária’ (Foto: WILSON DIAS/AGÊNCIA BRASIL)

Por 

As manifestações em 2013 e o impeachment da presidente Dilma Rousseff “abriram a tampa da democracia no Brasil e permitiram aflorar sentimentos que andavam um pouco reclusos”, diz a antropóloga Lilia Moritz Schwarcz.

Para ela, até então o brasileiro zelava por uma imagem “de muito receptivo, muito aberto” que servia de verniz para uma intolerância e um autoritarismo que ficavam escondidos e que estavam enraizados na própria história do país – a característica mais marcante do “homem cordial” descrito em 1936 pelo historiador Sérgio Buarque de Holanda.

O conceito, que dá nome ao capítulo mais célebre do livro Raízes do Brasil, foi muitas vezes mal interpretado como um elogio – quando queria expor, na verdade, “uma representação do que queríamos ser”, explica a historiadora.

A “cordialidade” que se manifesta, por exemplo, no uso de diminutivos ou na informalidade que marca a nossa cultura seria o expediente usado para misturar as relações públicas e privadas e guardar uma proximidade que, na verdade, disfarça as distâncias sociais. Algo que “evita as hierarquias para, no silêncio, reafirmá-las”.

Quase 80 anos depois, em um contexto de avanço do conservadorismo no mundo e de crise das democracias, esse homem “tira a máscara”.

“Com a crise, a recessão, o impeachment, acho que nós avalizamos pessoas que não tinham a coragem de dizer coisas do tipo: ‘eu sou contra negro mesmo’, ‘acho que lugar de mulher é no fogão’, ‘acho que os trans são uma vergonha'”, diz ela.

Uma mudança que transformou a percepção que o mundo tinha sobre o país, diz a historiadora, que dá aulas na Universidade de São Paulo (USP) e na universidade americana de Princeton.

Lilia Moritz SchwarczMinha geração falhou por colocar todas as fichas na democracia e não lidar bem com a recessão, diz a autora de ‘Sobre o Autoristarismo Brasileiro’ (Foto: RENATO PARADA/DIVULGAÇÃO)

No recém-lançado Sobre o Autoritarismo Brasileiro (Companhia das Letras), escrito entre outubro de 2018 e março deste ano, ela traça um longo histórico da violência, da corrupção, das desigualdades sociais, da intolerância e das questões de raça e gênero no país para discutir o momento atual, que caracteriza como uma “guinada conservadora e reacionária”.

Para ela, a eleição de Jair Bolsonaro em 2018 marca uma nova fase do autoritarismo brasileiro, referendado pelas urnas.

“Por mais que (o livro) tenha endereço certo, acho que de nada adianta apontar só para o Bolsonaro, senão eu também faria o jogo do personalismo que eu quero evitar.”

O livro é uma tentativa de abrir mão dos rigores da academia para buscar um público maior e debater temas atuais, à semelhança de autores americanos como Steven Levitsky e Daniel Ziblatt, ambos da Universidade Harvard e autores de Como as Democracias Morrem, e Timothy Snyder, da Universidade Yale, que escreveu A Tirania e Na Contramão da Liberdade: A Guinada Autoritária nas Democracias Contemporâneas.

Nesse sentido, ela foi além: mantém uma conta no Instagram e um canal no YouTube em que aborda temas que vão de violência e racismo a ditadura e corrupção.

Se há alguns meses a antropóloga não sabia ainda que as respostas aos comentários no YouTube eram públicas ou que o Instagram não era lugar de “textão”, hoje ela admite que quer usar o espaço das redes sociais para “cutucar” aqueles que discordam de seus pontos de vista a fim de discutir “com argumentos”.

Leia, a seguir, trechos da entrevista à BBC News Brasil.

BBC News Brasil – Muita gente defende que Bolsonaro só existe como presidente por causa do PT. Em que medida corrupção e crise formam o alicerce desse, como a senhora classifica, novo período autoritário referendado nas urnas?

Lilia Schwarcz – O primeiro eleito nas urnas e o primeiro que usa as redes sociais, isso é muito importante. Eu acho que a gente tem que ser um pouco mais sério com o Bolsonaro. Fazer esse jogo do tipo “ele só ganhou porque”… Ele também ganhou. Mas dizer que só ganhou (por causa do PT) é minimizar um fenômeno que eu tento mostrar no livro que é de mais longo curso.

Ou seja, não é que os brasileiros viraram autoritários, eles sempre foram autoritários.

Acho que a gente também tem que entender o fenômeno Bolsonaro à luz do fenômeno do autoritarismo no mundo.

Porque se você pensar em EUA, Hungria, Polônia, Filipinas, Israel, Venezuela, estamos falando de governos populistas e autoritários.

Diferentes, mas governos, sobretudo os populistas autoritários mais à direita, que têm uma fórmula muito comum: esse repúdio à imprensa – você deve estar sentindo isso -, essa desautorização do discurso das minorias, essa tremenda desautorização do discurso da academia, o uso muito inteligente das redes.

Nicolás MaduroPopulismo autoritário também marca momento atual da Venezuela, diz Schwarcz (Foto: REUTERS)

Esse é o modelo internacional, grosso modo. Mas cada país carrega sua própria especificidade.

A do Brasil é essa que eu tentei tratar nesse livro: o fato de ter sido o último país a abolir a escravidão, de ter recebido quase metade dos africanos e africanas que saíram compulsoriamente de seu continente, de ter sido uma colônia de exploração, administrada por meio de mandonismos localizados, um país tremendamente violento, muito corrupto.

E eu tento mostrar como a corrupção é longa entre nós. A gente atribuir tudo ao PT…

O PT teve uma parte fundamental, e acho que meu capítulo da corrupção mostra o quão independente eu sou…

BBC News Brasil – Vou aproveitar então para emendar uma pergunta. Em alguns trechos, ainda que com ressalva, a sra. coloca argumentos que fazem parte do discurso do PT, especialmente o da perseguição política, como no trecho em que fala que “jogar todas as baterias contra apenas uma pessoa – e, assim, personalizar a questão ou transformar um único partido em bode expiatório – não dá conta do problema”. Não teme que seja interpretado como partidarismo e abra um flanco para críticas?

Schwarcz – Eu penso que o livro tem flanco pra todos os lados. Acho que os meus colegas do PT não vão gostar da análise que eu faço do Mensalão e da Lava Jato – e é esse mesmo capítulo.

Esse é o capítulo mais longo, salvo engano, e o mais difícil justamente porque eu tinha uma questão de mostrar a minha independência e a minha autonomia aí muito claras.

Quando você vai tratar da questão da corrupção, ninguém é favor da corrupção e ninguém é corrupto. Eu sou uma pessoa da academia que chego lá e digo com todas as palavras que a corrupção criou uma máquina de governar, não eximo o PT, não eximo o PSDB.

Essa sua pergunta poderia ser “Você não tá dando argumento pros ‘bolsominions’?”. Tô também – “até ela está mostrando como o PT foi corrupto”. Acho que, se a gente for pegar o livro nesse momento de polarizações afetivas que nós vivemos, a cada página você vai ter alguém de carteirinha contra ou a favor.

O que eu tentei fazer foi me valer muito dos dados, contar a história inteira, para só depois me dar ao luxo de opinar.

Dama em liteira, carregada por escravos, e suas acompanhantes], aquarela de Carlos Julião, último quarto do século 18. 35 x 45,5 cmHistoriadora liga tradição autoritária do Brasil a passado escravista (Imagem: FUNDAÇÃO BIBLIOTECA NACIONAL)

BBC News Brasil – O livro está recheado de ironias e provocações. Há um momento em que a sra. se refere de forma indireta à ministra Damares Alves, quando diz, ao falar dos feminicídios, que “a princesa não casa com o príncipe”, há também uma crítica velada ao ministro Sergio Moro no trecho: “juízes que combateram a corrupção vigente, mas igualmente, usaram de seu poder de formas muitas vezes subjetiva e ao sabor dos afetos políticos”. Com que emoção a sra. escreveu?

Schwarcz – Eu fiz em pouco tempo, mas fiz muitas versões desse livro. Tive momentos claramente destemperados, né, e meus editores aqui falavam: “Beleza, mas agora vamos ponderar isso, aquilo”.

Eu tentei de alguma forma contrabalançar as opiniões, tentei bravamente.

Tem um lado que você pode falar que é muito meu, a parte dos feminicídios. Claro, vai ter que me aguentar. Pediu para uma mulher escrever, então vamos lá, né?

Essas são todas questões que me afetam no sentido de “afetar” da antropologia, porque o afeto é produtor. Porque, quando você se afeta, isso quer dizer que você se contamina do outro.

BBC News Brasil – Voltando ao seu comentário sobre o fato de o fenômeno de ascensão da direita ser global. Em que medida ela não se deve também a uma crise global das democracias liberais, que não estão conseguindo mais dar conta dos efeitos da globalização, aumento da desigualdade, da violência?

Schwarcz – Com certeza, eu digo no livro que corrupção, violência, insegurança não são sentimentos inventados por Bolsonaro.

Costumo dizer que a minha geração falhou. Colocou todas as fichas na democracia e não lidou muito bem com o que fazer com a nossa recessão, o que fazer com as populações que vão ascendendo e que não se espelham exatamente nesse momento.

Como é que a gente pode valorizar a nossa Constituição, mas também mostrar as suas falácias? Quais são os nós que resolvemos não enfrentar e que vão aparecendo agora?

Você tem toda razão. Houve uma soberba, sobretudo no consórcio criado entre PT e PSDB. Uma cegueira. Nós não atendemos a uma parte da população que se sentiu atendida por Bolsonaro.

E não é possível caricaturar essa população. Eu, por exemplo, tenho como projeto entender mais as igrejas evangélicas. E no plural. Porque a gente ataca tanto as pessoas que fazem de nós um só…

Esse é um fenômeno fundamental para entender o Brasil, e eu nunca parei para estudar.

BBC News Brasil – Fazem sentido então críticas como a do cientista político Mark Lilla, de que a esquerda vem perdendo espaço porque se prende a pautas identitárias e não privilegia, por exemplo, pautas econômicas ou temas que falem com um público mais amplo?

Schwarcz – Eu gosto muito do Lilla, mas discordo que o discurso identitário seja só ruim. Há uma tese lá de que o discurso identitário enrijeceu esses famosos lugares de fala e jogou para fora parte da população que não sentia de modo algum representada por esses discursos.

Eu penso que o discurso dos direitos civis produziu esse discurso de identidade, um discurso que vai ter que se transformar em algo menos enrijecido, mas que tem um papel fundamental para pressionar para que o mundo mude.

Nós vivemos em um mundo muito branco, muito “europocêntrico”, muito colonial, que só vai mudar se for questionado.

BBC News Brasil – E a sra. vê a esquerda brasileira fazendo isso, se reinventando para abordar essas pautas de forma diferente, não se isolar?

Schwarcz – Eu digo no livro – e vai desagradar as esquerdas também – que a polarização é uma relação. Você só polariza de um lado se o outro lado polarizar também.

Acho que as esquerdas brasileiras são muitas. E vão ter que vivenciar esse luto, vão ter que se haver com o que aconteceu com o Partido dos Trabalhadores. Mas não só: também com o que aconteceu com esse projeto das esquerdas. Vão ter que se reinventar.

É difícil falar de todos, senão eu vou estar caricaturando, mas acho que uma parte das esquerdas tem ficado mais alerta e mais ciente sobre o que foi esse processo das eleições de 2018. Acho que a gente não tem que só demonizar o que foi, mas fazer um esforço de compreensão, até para fundar uma nova República.

BBC News Brasil – A sra. se refere a quais figuras, à corrente mais jovem, representada, por exemplo, pela deputada Tabata Amaral?

Schwarcz – Acho que houve um projeto de uma geração que se mostrou insuficiente.

E acho que existe aí um outro discurso, não só o discurso dos jovens, mas que carrega outros marcadores, um discurso feminista, negro, trans. Pessoas que vêm de outros locais. Um discurso religioso progressista.

Penso que a saída virá da formação de novas figuras. Não só de novas figuras, porque eu não gosto de “essencializar” a juventude. Juventude não é uma qualidade em si, é uma situação. Mas eu acho que a gente tem que encontrar novas saídas e novos repertórios. Nós estamos carentes de repertório mesmo.

BBC News Brasil – E consegue enxergar essa mudança?

Schwarcz – Eu penso que sim. Outro dia falei que era otimista e fui quase morta. Nós não estamos em um momento bom, estamos em uma crise de desemprego, temos essa questão pela frente da reforma, senão o Estado vai falir, estamos vivendo momento de grande intolerância.

Por todos os lados que você olhar não há motivo para otimismo. Mas, por exemplo: uma manifestação como a do dia 15 (contra os contingenciamentos na Educação) me faz otimista, porque você vê na rua que tem mais pessoas clamando por um Brasil mais justo, mais generoso.

Manifestações pela educaçãoManifestações contra contingenciamentos na Educação é sintoma de reação da sociedade civil ao momento atual (Foto: NELSON ALMEIDA/AFP/GETTY)

BBC News Brasil – Como vê as manifestações do último domingo, a favor do presidente?

Schwarcz – Foi um ato democrático como aquela do dia 15. Mas o esforço do governo de, ao mesmo tempo, afirmar que tudo era “espontâneo”, mas também “convocar a manifestação” representa mais um gesto populista.

Esse tipo de palavra de ordem serve mais para candidatura do que para mandato.

BBC News Brasil – A sra. não cita nominalmente o presidente em nenhum momento do livro. Foi proposital?

Schwarcz – Foi. E foi um esforço. Porque, por mais que tenha endereço certo, eu acho que de nada adianta apontar só para o Bolsonaro. Isso aí é, de alguma forma, perder a figura e o fundo.

A família aparece claramente no capítulo dos mandonismos, né.

Mas foi proposital, porque senão eu também vou fazer o jogo do personalismo que eu quero evitar. O meu problema não é pessoal, é com aquele que ocupa a chefia do Estado.

BBC News Brasil – Em mais de um trecho a senhora afirma que o “homem cordial” de Sérgio Buarque de Holanda não é um elogio ao brasileiro, pelo contrário. Próximo ao fim, parece chegar à conclusão de que essa figura não existe mais e tem dado lugar ao “homem da intransigência e da aversão à diferença”. Esse seria, então, um momento de inflexão?

Schwarcz – Eu tento mostrar aqui que nunca foi (cordial), né, que é uma representação do que queríamos ser.

BBC News Brasil – Isso, mas a tese do Sérgio Buarque é de que a gente ainda disfarçava…

Schwarcz – Eu penso que o tempo provou que o processo do impeachment da presidente Dilma de alguma maneira abriu a tampa da democracia e permitiu aflorar uma série de afetos e sentimentos que andavam um pouco reclusos porque “não ficavam bem”, porque o que era bom era dar sempre essa face – como nós brasileiros somos muito cordiais, muito receptivos, muito abertos.

O livro tenta provar que nunca fomos isso.

Senhora na liteira com dois escravos, c. 1860. Salvador, BAOs proprietários (de escravos) podiam ser publicamente chamados de ‘sinhô’, ‘nhonhô’, ‘ioiô’, mas jamais abriam mão da distância social’, diz a autora em trecho que ilustra a ‘cordialidade’ conceituada por Sérgio Buarque de Holanda (Direito de imagem: ACERVO IMS)

Mas eu acho que, a partir de 2013, com a crise, a recessão, o impeachment, nós avalizamos pessoas que não tinham a coragem de dizer coisas do tipo: “eu sou contra negro mesmo”, “acho que lugar de mulher é atrás do fogão”, “acho que os trans são uma vergonha”.

BBC News Brasil – Então o “homem cordial” agora tira de vez a máscara, é isso?

Schwarcz – Por isso um episódio como o da Marielle é pra mim muito significativo, porque nós tiramos a máscara não só nacionalmente, mas também internacionalmente.

Internacionalmente o Brasil não é mais visto (como um país receptivo e tolerante)… e isso eu sei porque há dez anos dou aula em Princeton e os meus cursos foram mudando sistematicamente. E não porque eu mudei.

As pessoas vinham em busca do Zé Carioca, do futebol, da capoeira, dessa “exotização” dos trópicos como paraíso dos costumes, dos hábitos. E cada vez mais as pessoas vêm pra falar de contravenção, violência, falta de lei, intolerância.

Você tem um governo como esse, ministros como esses, da Educação, das Relações Exteriores, da Agricultura. São ministros que não têm a mínima preocupação em professar valores que nós acreditávamos que eram nossos. Esse foi o tombo grande que as esquerdas tomaram também.

Compartilhe:

Para cientista político ‘Nós ou eles’ enfraqueceu a democracia e afastou as classes médias do debate político

Para Moisés, é preciso uma frente democrática (Foto: FELIPE RAU/ESTADÃO)

Por Gabriel Manzano

Estadão

A polarização política, implantada com o “nós ou eles” do PT e reafirmada, no extremo oposto, pelo bolsonarismo, significou o adeus à moderação e ao consenso na política brasileira e afastou do debate público largos setores de classe média. A isso se juntou “uma crise de lideranças que levou a uma perda de conteúdo da democracia liberal”.

A advertência é de um dos mais experientes analistas da cena brasileira dos últimos 40 anos, José Álvaro Moisés. De um lado, Moisés aponta a radicalização no debate sobre segurança e corrupção. De outro, uma perda de conteúdo dos partidos do centro, em especial PSDB e MDB. E deixa, nesta entrevista a Gabriel Manzano, uma ideia para se tirar a sociedade do impasse: a formação “de uma frente democrática, envolvendo as diferentes forças independentemente de elas estarem um pouco à esquerda, ou à direita. O momento está exigindo isso.”

À parte tarefas imediatas dessa frente, como aprovar o voto distrital misto e redefinir os limites que a sociedade aceita para financiar campanhas, “temos de deixar claro que defender a democracia é mais importante do que atacar o outro lado”. É preciso, conclui, “de novo impor a moderação como marca do debate social e político”. A seguir, os principais trechos da conversa.

O Brasil vive, há tempos, uma polarização alimentada pelo “nós ou eles” de Lula e depois pela “nova política” de Bolsonaro, e no meio uma imensa classe média órfã de representação nesse debate. Como analisa isso?

O que temos é uma crise de liderança política e econômica desde 2013. Ali ficou clara a rejeição de parte importante da classe média em relação ao mundo político. Em 2018 a classe média identificou o PT como responsável pela sua perda de renda com a recessão e votou contra ele. Acabou aceitando os termos da polarização. Não estou dizendo que não tivessem razão ao criticar, especialmente na questão da corrupção. Mas, sem dúvida, isso afastou do diálogo político a moderação, levou a classe média a conviver com uma posição mais extrema.

As recentes pesquisas apontam uma queda no prestígio do atual governo. Isso significaria que o atual cenário pode ser mudado?

Ele está começando a mudar. É visível a decepção com o governo, que não está entregando o que prometeu. A classe média começa a perceber e vai para uma posição mais crítica, já detectada nessas pesquisas. Mas ainda faltam, a meu juízo, novas lideranças que sejam capazes de aglutinar esses segmentos insatisfeitos. O fato é que temos, ao lado da crise econômica, uma crise dos partidos políticos, especialmente os de centro, centro-esquerda e centro-direita. Refiro-me especificamente ao PSDB, ao MDB, que perderam seu conteúdo programático e não foram capazes, desde então, de renovar as lideranças.

O que poderiam ter feito e não fizeram?

Se você olhar em relação aos protestos de 2013, ninguém, nenhuma liderança, mesmo, disse uma única palavra de empatia, de identificação com a rejeição que aqueles segmentos afirmaram nas ruas, em relação ao modo de funcionamento da política. Eles se afastaram.

O que seria essa empatia?

Os atos de 2013 tornaram visível a rejeição de um segmento muito importante da sociedade quanto ao modo de funcionamento da política. O que estava em questão era o esvaziamento dos partidos, a desconexão entre representados e representantes. E há também um funcionamento ruim das instituições, com resultado negativo nas políticas públicas. Essa rejeição apareceu com clareza em inúmeras pesquisas. Inclusive nas que eu conduzi na USP que apontaram altos índices de desconfiança com relação a partidos, Congresso, Judiciário. Veja o papel das lideranças na campanha presidencial. Alckmin, Meirelles, Ciro Gomes, Marina, nenhum desses líderes foi capaz de responder àquela crise.

Isso apareceu também nos níveis de rejeição aos candidatos nas urnas em 2018.

Exato, um alto nível de rejeição. Faltou aos líderes se mostrarem solidários com o sofrimento de uma parte importante da sociedade brasileira. Gente que, ao perder renda, perder emprego, ficou numa situação crítica. Não se estabeleceu nenhuma conexão.

Ficou um espaço vazio.

Sim, um espaço que foi ocupado por Bolsonaro e por uma posição de ultradireita que radicalizou o debate sobre segurança e sobre corrupção. Cabe perguntar: por que outros setores, democráticos, não tomaram uma posição clara em relação à corrupção? E os partidos? Não poderiam fazer uma autocrítica, admitir que cometeram erros, e que assumiriam o compromisso de se corrigir?

Pode-se dizer que 2018 ‘se esqueceu” de 2013, não?

Num certo sentido, de fato, 2018 foi uma consequência de esses líderes e partidos terem virado as costas para 2013, para o que ele representava. Nem o PT fez sua autocrítica. No caso do PSDB, o Tasso Jereissati, que ocupava a presidência interina, fez uma tentativa de autocrítica, inclusive com um programa de TV no qual se admitia que o partido cometeu erros, mas os estava corrigindo.

Mas a causa não avançou.

Sim, isso não foi aceito pela grande maioria do partido. Morreu ali. O que traz à tona outra questão fundamental: a crise de lideranças no País, que teve como consequência uma perda de conteúdo da democracia liberal.

De que forma?

Porque permitiu que se organizasse um ataque da extrema direita em relação aos direitos fundamentais da democracia, em relação às minorias. Tivemos um bom exemplo disso agora, quando Bolsonaro, na ONU, abordou a questão indígena falando em “um indigenismo ultrapassado”. E houve outros ataques a outras minorias, como sabemos. A meu ver isso é responsabilidade das lideranças chamadas democráticas, que de algum modo representavam uma alternativa para as classes médias, mas não se apresentaram.

Como imagina que isso vai ser resolvido?

Temos de saber se esses efeitos negativos podem desencadear uma reação. Se novas lideranças conseguirão reafirmar posições mais moderadas. Acredito que estamos diante de um desafio: a formação de uma frente democrática, envolvendo as diferentes forças independentemente de elas estarem um pouco mais à esquerda, ou à direita. O momento está exigindo isso. Mas não pode ser, como alguns já acenam, uma frente de esquerda, que de novo leve ao isolamento.

Teria de ser uma frente obrigatoriamente ampla…

Não precisamos de isolamento neste momento. Precisamos de unificação de todos os segmentos que tenham algum compromisso com a democracia. Isso significa, por exemplo, chamar os liberais, eu até diria os liberais conservadores, que não são a ultradireita. Setores que não concordam com o governo Bolsonaro.

Quais seriam as tarefas práticas dessa frente?

Ela deve reiterar os compromissos da democracia, os direitos fundamentais envolvendo minorias – destaco os índios e os afrodescendentes. Vamos entender aqui: as políticas de segurança não estão respondendo ao fato de que as maiores vítimas da criminalidade e da insegurança continuam sendo os jovens negros. Em especial se moram nas periferias, nas favelas. Este é outro item quando eu digo que o governo não está entregando o que prometeu. O caso do Rio de Janeiro é dramático, mas não é só no Rio que isso ocorre.

Isso ajudaria a romper a polarização do “nós” contra “eles”?

Essa frente precisaria combater a sério essa bipolarização. Deixar claro que defender a democracia é mais importante do que atacar o outro lado. Isso é essencial para trazer essa parcela da sociedade de volta a um papel proativo na política. Significa de novo impor a moderação como marca do debate social e político. E uma forma de antecipar essa meta é a qualificação desses segmentos para propor nomes novos já nesta eleição para prefeitos em 2020.

Já tem gente se dedicando a formar novas lideranças. O RenovaBR, o Raps e o Agora qualificam pessoas para os partidos.

Acho extremamente positivo, é por aí. Selecionar e estimular novas lideranças é tarefa das instituições da sociedade civil, como as que você citou. Mas é também tarefa da universidade. Ela precisa… não digo lançar líderes, mas preparar uma camada de profissionais com conhecimento dos problemas do País e que se disponham a atuar na política com outra perspectiva.

Qual perspectiva?

A democrática e republicana. Porque, vamos nos entender, nem sempre a democracia reivindica os princípios republicanos. E nem sempre os princípios republicanos são realizados em contexto democrático. Essa é uma grande questão, na formação de novos líderes: a junção dessas duas perspectivas. Democracia com probidade administrativa e respeito ao interesse público.

A universidade, de modo geral, acha isso importante?

Há uma preocupação com esse tema no Instituto de Estudos Avançados da USP. Ali se faz um esforço nessa direção. Mas precisamos fazer mais do que o que tem sido feito até agora, avançar esse empenho em formar novos líderes.

Voltemos à ideia de uma frente. Imagina para ela um programa prioritário?

Um primeiro passo seria em relação às eleições de 2020, preparar candidaturas pensando nesse objetivo. E o segundo, preparar também lideranças para 2022. E tem aí também uma estratégia essencial, a de criar lideranças para disputar o Legislativo. Construir uma conexão entre os dois poderes, formar uma base de apoio político. Independentemente de partido A ou B, tem de focar em renovar a política.

Renovar em que direção?

Enfrentar os estrangulamentos do sistema político. Em primeiro lugar, caminhar logo para o voto distrital misto. Em segundo, focar a questão do financiamento das campanhas, definindo qual o nível que a sociedade aceita de recursos para financiar a democracia. Está claro que ela precisa, sim, ser financiada, mas não por atores privados porque isso já significa distorcer resultados eleitorais. Qual o grau que é aceitável? E isso leva à ideia de que as campanhas precisam ser mais baratas.

E o terceiro ponto?

Resolver, numa reforma política, a assimetria que hoje temos entre Executivo e Legislativo. Hoje é o Executivo que tem todos os poderes para definir a agenda política no País. Citaria no mínimo duas questões: limitar as medidas provisórias do Executivo e sua prerrogativa de montar e propor o Orçamento anual do governo. É o Orçamento que define as prioridades das políticas públicas, e isso não pode ficar nas mãos só do Executivo.

Compartilhe: