ENTREVISTA: ‘O Bolsonaro pegou um eleitor pobre do PT’, avalia cientista político

Luís Eduardo Gomes

Sul 21

O primeiro turno das eleições gerais brasileiras apresentaram o surgimento de uma grande onda pró-Jair Bolsonaro, que levaram o seu partido, o PSL, à segundo maior bancada na Câmara dos Deputados, sair de zero para quatro senadores e quase levar a disputa presidencial em primeiro turno. No final das contas, ele ficou em 46% e enfrentará no segundo turno o petista Fernando Haddad, que fez pouco mais de 29%. Para avaliar o cenário que emerge do pleito e se a disputa presidencial já está decidida ou pode ser revertida, o Sul21 conversou com o cientista político Alberto Almeida.

Almeida é o autor dos livros “A Cabeça do Brasileiro” e o “Voto do Brasileiro”, lançado em maio deste ano e que busca explicar, a partir de dados numéricos, porque o brasileiro vota como vota. Ele também é diretor da Brasilis, empresa especializada em análises e dados sobre a sociedade brasileira, informações sociais, políticas, econômicas e culturais.

Para o cientista político, o resultado das urnas é um reflexo da “rejeição a medalhões”, o que levou, por exemplo, à perda de mandato de 24 dos 32 atuais senadores que buscavam a reeleição. A respeito do segundo turno, ele destaca que a tendência é sim de favoritismo de Bolsonaro, mas ressalta que esta nova etapa elimina “ruídos”, como a presença de candidatos sem chances na disputa, a imporá um debate mais direto de ideias. Para ele, a questão chave para uma possível reversão do quadro por Haddad seria recuperar votos perdidos pelo PT no Rio de Janeiro e em Minas Gerais, estados onde Dilma Rousseff (PT) venceu Aécio Neves (PSDB) no segundo turno de 2014 e agora deram ampla vantagem para Bolsonaro. Em 2014, Dilma fez 51% dos votos válidos nestes estados. Agora, no primeiro turno Bolsonaro alcançou 48% em Minas e 59% no Rio.

A seguir, confira a entrevista com Alberto Almeida.

Sul21 – Como o senhor recebeu o resultado do primeiro turno da eleição presidencial?

Alberto Almeida: É um resultado de rejeição a todos os medalhões da política, digamos assim. Dos 32 senadores que disputaram a reeleição, apenas oito foram reeleitos. Pega os nomes que não conseguiram, são nomes muito medalhões. Jorge Viana (PT-AC), Eunício Oliveira (MDB-CE), o presidente do Senado, Cristovam Buarque (PPS-DF), Ricardo Ferraço (PSDB-ES), considerado um bom senador, Magno Malta (PR-ES), Lúcia Vânia (PSB-GO), Edison Lobão (MDB-MA), Flexa Ribeiro (PSDB-PA), Roberto Requião (MDB-PR), Lindbergh Farias (PT-RJ), Romero Jucá (MDB-RR). E medalhões que não eram senadores tentaram ao Sanado e também não conseguiram. No Mato Grosso do Sul, Zeca do PT, Sarney Filho (PV-PA), Marconi Perillo (PSDB-GO), Dilma (PT-MG), César Maia (DEM-RJ), Garibaldi Alves Filho (MDB-RN), Eduardo Suplicy (PT-SP). Todos eles são medalhões, eram nomes conhecidos, e não conseguiram a vaga no Senado. É claro que alguém que vai conseguir ser reeleito, justamente para confirmar a regra, mas a grande maioria não conseguiu. E essa grande maioria são de políticos medalhões. Isso mostra o desejo de dar uma lição grande no ‘establishment’ da política brasileira.

Sul21 – E o senhor avalia que essa é uma lição pelo lado conservador ou considera que o Congresso já era conservador e não mudou tanto o perfil?

AA: A gente vai ter que ver. Conservador em quê? Tem muitos policiais eleitos, esse pessoal acaba sendo, do ponto de vista econômico, gastador. E conservador nos hábitos, na coisa da repressão. Então, tem aí uma salada, uma determinada coisa que ainda precisa clarear. Mas, a princípio, por conta de recursos próprios para a campanha, a gente pode dizer que tem um conservadorismo maior sim.

Sul21 – Qual a projeção que o senhor faz para o segundo turno?

AA: É um segundo turno que vai dar mais clareza para o eleitor sobre as candidaturas. O primeiro turno tinha muito ruído. Só para pegar um exemplo importante, o do Meirelles (MDB). Um candidato que teve menos votos do que o Cabo Daciolo (Patriota) e que tinha o terceiro maior tempo de televisão. Então, para o eleitor, isso é uma confusão tremenda. ‘Como é que esse cara tem tanto tempo de televisão e ele é tão desimportante e defende um governo que eu rejeito e odeio?’ Então, confusões como essa vão deixar de existir no segundo turno. E aí, pro eleitor, a campanha é mais compreensível. Você vai confrontar duas pessoas, duas figuras, dois símbolos, muito claramente. Cada um se auto-elogiando, o que é normal, política é venda, e criticando o outro. Isso é uma coisa. A outra coisa que é importante olhar no resultado eleitoral é que, de fato, o Bolsonaro ficou próximo de ganhar no primeiro turno. Porém, a gente pode fazer uma conta e colocar a maior parte dos votos do Ciro Gomes (PDT), com o Haddad. Pensando em ontem, eu não estou pensando na primeira pesquisa pós-primeiro turno, que tem efeito de mídia e várias coisas, mas pensando em ontem. Se você pegar 12% do Ciro, diminui um pouco, 10%, o Haddad sai de 29% para 39%. Então, vamos dizer que, sem o Ciro, talvez o Haddad tivesse chegado a 40%. Seria 46% a 40%. Nesse aspecto, uma eleição não muito distante, apesar da proximidade do Bolsonaro em relação ao sarrafo dos 50%.

Sul21 – O senhor considera que esse primeiro turno já foi quase o segundo turno, no sentido de que tinha um lado do Bolsonaro e outro que era Haddad/Ciro, visto que os demais candidatos fizeram poucos votos?

AA: Sim. A votação do PSDB é impressionante do ponto de vista negativo. Menos de 5% para presidente. O PSDB, é algo impressionante. Aí depois você tem o Amoêdo e depois todo mundo com 1%. Então, grande parte do voto decidido, com exceção do voto em Ciro Gomes, evidentemente muito maior que os demais. Nesse aspecto, você tem uma quantidade de votos que tende a caminhar para o Haddad, mas creio que, de fato, você tem o favoritismo do Bolsonaro.

Sul21 – O que o Bolsonaro precisa fazer ou evitar para confirmar essa vantagem no segundo turno?

AA: As duas campanhas não têm muita alternativa. O marketing está mais ou menos encaminhado, definido. O Bolsonaro batendo no PT, mais ainda do que ele sempre bateu, colocando a culpa de todos os males do sistema no PT. O PT haveria uma novidade, porque não atacou ainda o Bolsonaro, colocando ele como o candidato da elite, que apoiou o governo Temer, caminhando por aí.

 

Sul21 – A estratégia que o Haddad tem para reverter o quadro passa por tentar vincular o Bolsonaro ao governo Temer?

AA: É difícil dizer, pode ser que sim. A gente vai ver em função dos pronunciamentos do Haddad antes de começar o programa de TV e depois que começar. Vamos ter que aguardar.

Sul21 – O que restou ao auto-intitulado “centro democrático” depois das votações de ontem? Seria bom para partidos como PSDB e MDB aderir ao Bolsonaro ou isso pode significar um encolhimento maior nas próximas eleições?

AA: Olha, o eleitor já vai definido, esses apoios não importam, essa coisa de fazer campanha para outro. Eu acho que isso aí já está definido. O eleitor desses partidos, se fizer uma pesquisa, já sabe em quem votar. Esse pessoal, no fundo, na prática, vão ser observadores do segundo turno, na minha visão. Porque um deputado não vai fazer campanha para um candidato a presidente, não vejo dessa forma. Você pode ter as máquinas estaduais, os governadores mobilizando as suas máquinas locais, aí sim.

Sul21 – Mas o senhor avalia que o Alckmin declarar apoio para alguém não interferiria?

AA: Eu acho que não muda nada, isso daí é um mito. Ah, o ‘Ciro declara apoio’, acho que não muda nem pouco. O eleitor do Ciro tem menos identidade com o Bolsonaro, obviamente.

Sul21 – Haveria um eleitor que votou em um lado e poderia fazer a migração para o outro no segundo turno? Há espaço nos votos do Bolsonaro para migrar para o PT, e vice-versa?

AA: Sim. O Bolsonaro pegou um eleitor pobre do PT, em particular no Rio de Janeiro e Minas Gerais, que foram estados bem desfavoráveis para o PT. O que aconteceu nessa eleição? MG e RJ não entregaram ao PT os votos que costumavam entregar. Aí o PT tem que ir lá tentar recuperar. Talvez não dê para recuperar, mas uma parte desses votos é possível.

Sul21 – Estes serão os principais palcos eleitorais que o PT tem para prestar atenção?

AA: Sim, não tenho a menor dúvida.

Sul21 – Falamos de apoio de candidatos nos estados a Bolsonaro ou Haddad. Por outro lado, o apoio deles a algum candidato a governador pode influenciar? A gente viu candidatos surgirem do nada no RJ e em MG.

AA: Isso aí é um mito. Ninguém vai apoiar um candidato porque ele apoiou o Bolsonaro. Se você pegar em Minas, tinha aquele Márcio Lacerda, que saiu no acordo do PT com o PSB. Todo mundo previa que o Lacerda ia ganhar, porque em Minas não iriam querer nem PT, nem PSDB. O Lacerda saiu e vai ganhar o outro, que não é nem PT, nem PSDB, mas não tem nada a ver com ele ter declarado voto no Bolsonaro, isso aí é um mito.

Sul21 – O senhor já consegue projetar como devem vir as primeiras pesquisas?

AA: Elas devem vir mais favoráveis ao Bolsonaro em função da mídia positiva que ele teve. Da surpresa relativa ao desempenho dele.

Compartilhe:

Oligarquia milionária parece querer um Brasil de analfabetos, diz cientista

Vanderlan Bolzani é pesquisadora

Gabriela Fujita

Do UOL

Olhando para os caminhos já percorridos pela professora Vanderlan Bolzani, 68, é possível compreender que ela levou ao pé da letra a orientação dada por seu pai desde a infância. “Meu pai sempre falou: ‘Meus filhos não são filhos não são filhos de coronéis, então têm de ser letrados’. Ele era quase semianalfabeto, mas de uma inteligência brilhante. E isso vale para a nossa sociedade de hoje”, afirma.

Pesquisadora do Instituto de Química da Unesp (Universidade Estadual Paulista) e vice-presidente da SBPC (Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência), ela falou à reportagem do UOL sobre a queda de investimentos públicos na área de ciência e tecnologia, os desafios para o próximo presidente eleito e o que a levou a

“fugir” das bonecas para se aventurar, criança, em outras brincadeiras.

De acordo com a SBPC, o orçamento para Ciência e Tecnologia teve um corte drástico em 2018, em comparação aos anos anteriores: começou o ano 25% menor em relação a 2017 e ainda encolheu mais 10% nos primeiros meses do ano, chegando ao valor de R$ 4 bilhões. Em 2013, os recursos para esta área somavam R$ 8,4 bilhões. Em agosto, a Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) anunciou que poderá haver corte de 200 mil bolsas de estudo em 2019, caso o governo federal mantenha como está a proposta de orçamento para a entidade

Confira, a seguir, os principais trechos da conversa com a cientista.

UOL – A senhora afirma que está no caminho errado um país que acha que ciência é custo. Pode comentar?

Vanderlan Bolzani – Num mundo onde se trocam músculos por cérebros, temos no conhecimento a ferramenta mais preciosa para o desenvolvimento econômico e a melhoria social. Isso é o que acontece nas nações desenvolvidas. Percebendo que conhecimento gera riqueza, quanto mais se investe, maior a possibilidade de gerar produtos de alto valor agregado, de ser competitivo.

O Brasil começa a ter o seu sistema de educação, pesquisa e tecnologia organizado com a criação da Capes e do CNPQ (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), nos anos 1950. E quando começa a organização das indústrias e daquilo que gera riqueza no país? Na época Getúlio Vargas, quando foram criadas as primeiras metalúrgicas no Sudeste, algumas

[empresas] agrícolas e a Petrobras.

 Em fontes renováveis de energia, nós somos um país respeitado no mundo; em alguns problemas de endemias também, como o caso zika, por exemplo. Nós temos uma ciência que evoluiu com o trabalho de muitos cientistas e de muitos políticos que acreditavam que só se constitui uma nação robusta com ciência e tecnologia.

Em 2012, chegamos a quase R$ 9 bilhões para o orçamento do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Isso vem caindo e chega a 2018 em torno de R$ 3,2 bilhões. E agora você não tem mais o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Temos um ministério que tem outra pasta no meio, chamada de Comunicação. São dois ministérios, e a verba enxugou de forma drástica. É muito triste ver que o país tem uma vertente forte que manda no destino da nação que acha que educação, ciência e tecnologia é custo, não é investimento.

No começo de agosto, a Capes informou, em nota pública, que 200 mil bolsas de estudo podem ser suspensas a partir de 2019, caso o governo federal mantenha a proposta orçamentária sugerida à entidade para o ano que vem. Como a senhora recebeu este comunicado?

 

Eu fiquei muito assustada. É um momento em que os reitores das estaduais e das federais deveriam se manifestar. A pós-graduação fez um diferencial enorme para as universidades públicas federais e estaduais, que é onde se realiza a pesquisa de qualidade neste país. Quando o presidente da Capes faz um manifesto falando que no próximo ano não haverá bolsas, e o presidente [da República rebate] falando que vai ter bolsas, só que no próximo ano este presidente não está mais aí. E quem define a política econômica, o Ministério da Fazenda, não tem compromisso com aquilo que dá riqueza a um país, que é a sua educação sólida em todos os níveis, ciência e tecnologia.

A impressão que dá é que aqui [no Brasil] tem uma oligarquia pequena de milionários querendo um país de analfabetos absolutos e escravos e que trabalhem como mão de obra barata. Que sejam massas de manobra, porque um povo que não é educado é massa de manobra para político. Você só estuda com bolsa, a não ser que seja filho desses milionários aí, de coronéis.

E quem define a política econômica, o Ministério da Fazenda, não tem compromisso com aquilo que dá riqueza a um país, que é a sua educação sólida em todos os níveis, ciência e tecnologia.

O que a senhora sugeriria para o próximo presidente da República?

O próximo presidente do Brasil deveria ser compromissado e tentar, junto com pessoas dignas e honestas, que não desviam dinheiro público, fazer uma agenda de prioridade de educação, ciência, tecnologia, inovação e segurança para o Estado brasileiro. Precisamos de um programa mínimo do Estado brasileiro. Seja o governo A ou o governo B, não importa. Porque cada governo faz suas agendas, promete mundos e fundos, e o próximo [governo] é capaz de destruir o que o anterior fez para mostrar que pode ser “melhor”. Isso é escoamento de dinheiro público. Governar um país como o Brasil não é uma tarefa simples. É um país continental, regional, com muitas diferenças. Chegamos a um nível de desenvolvimento que nós não merecemos retroceder.

Somos o maior exportador de soja do mundo (https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2018/05/brasil-assume-lideranca-mundialna-producao-de-soja-segundo-eua.shtml). Para produzir a soja que o Brasil tem hoje, se fez muito investimento em ciência e tecnologia. Fixação de nitrogênio [que interfere na produtividade] é uma coisa fascinante. Houve uma quantidade de trabalhos [científicos] gerados. São produzidas toneladas de soja, mas veja quantos chips de computador são comprados. A balança econômica não fecha. E aí, para fazer superávit primário, começa-se a congelar aquilo que tem de mais precioso no país, que é a sua educação, a sua segurança e a sua ciência e tecnologia. Banco não traz riqueza para o país, banco guarda a riqueza que é produzida. Na hora em que você não tem mais uma indústria robusta de alta tecnologia e você tem uma sociedade com salários baixos –que é isso o que gera uma sociedade que não tem uma industrialização baseada em alta tecnologia, a circulação de renda de pessoal altamente capacitado–, você tem uma estratégia que nós estamos vivendo agora. Há uma minoria que gasta muito, mas isso não é suficiente, somente para essa minoria.

O [atual] presidente da República congelou por 20 anos os investimentos. A justificativa é que o país está descapitalizado e não tem dinheiro. Quando você congela por 20 anos prioridades em uma nação, como saúde, educação, segurança, é uma coisa estapafúrdia e não dá para acreditar. Se isso acontecesse num país onde as pessoas tivessem noção, com certeza toda a sociedade estaria reivindicando. Nós somos ainda muito ignorantes. E uma crítica grande é que a ascensão econômica não levou a uma ascensão de escola, de entendimento. É o que eu chamo de analfabetos funcionais. Isso é grave para o país.

O [atual] presidente da República congelou por 20 anos os investimentos. A justificativa é que o país está descapitalizado e não tem dinheiro. Quando você congela por 20 anos prioridades em uma nação, como saúde, educação, segurança, é uma coisa estapafúrdia e não dá para acreditar.

Como evitar que um governo desfaça o que anterior fez de bom?

Tem muitos fatores envolvidos. Uma sociedade minimamente instruída vota melhor. É extremamente importante que você tenha os representantes do povo com um olhar de não legislar para seus interesses pessoais, mas para uma comunidade maior. Uma política que olhe para o seu desenvolvimento industrial baseado em tecnologia. Não adianta ter investido tanto em ciência para ter uma soja altamente produtiva, se toneladas de soja valem alguns produtos como chips de computadores, quando a gente faz essa balança econômica. Vamos estar sempre devendo. O grão é muito importante, vamos continuar exportando, mas por que não tem alguma indústria para fazer isoflavona* de soja? E aí não é só exportar soja, mas exportar o produto manufaturado, molécula de alto valor agregado. (* Isoflavona é uma substância encontrada em alta quantidade na soja e que ajuda, por exemplo, no controle de colesterol e doenças coronárias. Por ter estrutura semelhante à do hormônio feminino estrogênio, pode ser aplicada em tratamentos para amenizar os efeitos da menopausa.)

A Amazônia é um exemplo fantástico. Nós detemos a maior biodiversidade do planeta. Aquilo é uma fonte de inspiração para produtos de alto valor agregado para a indústria farmacêutica, indústria de cosméticos, agroquímicos, fragrâncias e aí por diante, não para ficar só extraindo. Tem que ter um laboratório para você fazer pesquisa e dali tirar produtos de alto valor agregado, como fazem os países desenvolvidos.

Por que isso não acontece no Brasil?

É uma questão política mesmo.

Fazer ciência é a coisa mais fascinante para uma mulher. Nós temos algumas características que propiciam que sejamos muito boas cientistas: poder de observação, poder de se concentrar e de se organizar.

Qual é uma dica sua para as mulheres que querem ser cientistas?

 

Eu era muito levada [na infância]. Minha mãe, uma portuguesa conservadora, queria que eu brincasse de boneca, que coisa mais sem graça. Eu ia para o portão de casa e via os meninos jogando bolinha de gude, jogando pião, ficava fascinada. Eu escapava, fugia, ia brincar com os meninos. Quando ela via, ela me puxava pela orelha: “Menina não pode brincar com menino!”. Por mais que a gente esteja avançando, as brincadeiras dos meninos são mais de desenvolvimento cerebral, de associação lógica, do que as das meninas. Eu insisti para brincar com os meninos numa inocência, porque eu gostava de ver [as brincadeiras], sempre fui muito curiosa.

Fazer ciência é a coisa mais fascinante para uma mulher. Nós temos algumas características que propiciam que sejamos muito boas cientistas: poder de observação, poder de se concentrar e de se organizar. Se você faz e gosta, tudo o que se faz com paixão se faz bem, só depende de você, do seu intelecto. O que é diferente do que as pessoas associam hoje a “poder” de cargo, para ser reitor, diretor, presidente, governador… Aí já começa um outro tipo de competição, que pode envolver o conhecimento. E aí, devido ao processo histórico, os homens são mais competitivos que as mulheres.

Isso não significa que você não é uma boa mãe, eu adoro meus filhos, sou uma mãe daquelas leoas, meus netinhos são apaixonados pela avó, mas não tem nada a ver uma coisa com a outra. A gente tem que pensar nas crianças também. Penso que é muito importante que se prepare esse futuro, essa geração, para se fixar no país, que tem uma riqueza. O que se projeta para essas crianças com esse ambiente de pessoas que não têm juízo, um país esquizofrênico? As pessoas olham uma para a outra com cara de ódio, em vez de construir.

 

Compartilhe:

Agripino garante que desistência de reeleição foi exclusivamente por acomodação partidária

O senador José Agripino (DEM) esteve ontem em Mossoró onde concedeu entrevista ao Blog do Barreto. Na oportunidade ele explicou os motivos que levaram a desistir da reeleição, analisou o quadro eleitoral no Rio Grande do Norte e falou ainda sobre a política nacional.

Confira:

Compartilhe:

“As pessoas estão procurando um terceiro campo e não é Bolsonaro e o fascismo”, diz Robério Paulino

Cumprindo agenda em Mossoró, o professor Robério Paulino (PSOL) foi entrevistado pelo Blog do Barreto. Surpresa das eleições de 2014 quando ficou em terceiro lugar, ele agora é candidato a deputado estadual utilizando o discurso de combate ao fascismo e aos grupos tradicionais da política potiguar.

Confira o bate-papo.

Compartilhe:

‘Sempre optei em governar para os mais fracos’, diz Robinson Faria

Robinson-Faria-2

Nosso entrevistado desse domingo é o governador Robinson Faria (PSD). Na conversa ele faz um balanço da administração e fala da tentativa de reeleição. O chefe do executivo estadual afirma que faz uma gestão que quebra paradigmas, que governa para os mais pobres e garante deixar nas mãos do povo a decisão sobre a reeleição.

Blog do Barreto Vamos começar falando de administração. Nas entrevistas o senhor sempre costuma dizer que faz um governo que está quebrando paradigmas. Quais são?

Robinson Faria: São vários, mas eu vou listar alguns que considero bem ilustrativos. O primeiro foi ter montado uma equipe de secretários eminentemente técnica, em detrimento de escolhas políticas que são as mais comuns. Um outro paradigma foi que sempre optei em governar para os mais fracos, os que mais precisam. Criar programas e ações de Governo que atendam aos mais necessitados, como o Transporte Cidadão, o Microcrédito Empreendedor e os Restaurantes Populares. Só sabe o valor destes programas quem realmente precisa. Posso citar também a ousadia das escolas de tempo integral, que hoje já são 49 escolas. Antes, não existia nenhuma. Ousadia no sentido de que é complexo montar e manter este tipo de escola, mas enfrentamos o desafio e conseguimos. E a retomada de grandes obras como a barragem de Oiticica, no Seridó, o Saneamento e a avenida Moema Tinoco em Natal, por si só uma ousadia pelo alto valor destas obras. Como falei, são vários exemplos.

Blog do Barreto: O senhor tem perspectiva de pôr o salário em dia neste semestre?

Robinson Faria: A gente trabalha dia e noite com esta perspectiva. Temos feito um trabalho contínuo de ajustes na despesa primária e estamos também na expectativa de que a economia volte a crescer, como inclusive já está ocorrendo. Temos buscado fontes extras de recursos, como empréstimos e antecipação de receitas. O que está mais próximo de se concretizar é a antecipação de royalties. Com isso iremos ao Banco do Brasil buscar receitas extraordinárias provenientes dessa natureza. Vale ressaltar que estes recursos serão consignados integralmente para a previdência pública, para o IPERN ter destinações de cobertura de déficits dos servidores inativos e pensionistas. Estamos focados de forma absoluta, toda nossa equipe econômica está concentrada num esforço para que o estado volte a ter equilíbrio fiscal. De 2015 pra cá, todos sabemos, o país ingressou numa crise macroeconômica brutal e histórica, o que impactou fortemente nas receitas. Hoje já conseguimos pagar 87% da folha praticamente em dia, ou seja, de 111 mil servidores, 98 mil são pagos praticamente sem atraso. Os 23 mil servidores da Educação, Detran, Ipern, Idema e DEI já recebem o salário dentro do mês trabalhado. E os servidores da área de segurança da Sesed, Sejuc, PC, PM, CBM, Itep, GAC e Vice-Gov (ativos, inativos e pensionistas PM e CBM) já têm recebido em média por volta do quinto dia útil do mês seguinte. Posso afirmar que esta situação já foi grave, e hoje está quase sendo sanada. E quero dizer ainda que, tudo isso, é fruto de uma decisão que tomei ainda em 2015, quando me foi sugerido demitir 20 mil servidores (e a Lei me permitia fazer isso). Eu optei por não tirar o emprego de milhares de pais de família e enfrentar o desgaste de correr pra colocar a folha em dia. Prefiro o pai de família recebendo atrasado, do que sem emprego. Não me arrependo. E vamos vencer esta crise. Já estamos vencendo.

Blog do Barreto: A Segurança é considerado o maior problema do Rio Grande do Norte. O que tem sido feito?

Robinson Faria: A questão da Segurança não é problema apenas do Rio Grande do Norte, é um problema nacional, e crônico. É fruto de anos e anos de fronteiras mal vigiadas e de falta de prioridade do Governo Federal em priorizar esta área, o que transformou as facções em entidades poderosas, que se espalham pelo país. As facções hoje têm mais dinheiro que os grandes bancos, são verdadeiras empresas do crime. E isso chega na ponta, nos Estados, que estão às voltas com a crise financeira que abalou a economia do país e não conseguem acompanhar o ritmo das facções. Mesmo assim, com toda dificuldade, nós temos enfrentado a crise da insegurança e não paramos um só dia de combater o crime organizado. Criamos a Ronda Integrada, compramos armamentos e mais de 500 viaturas, promovemos policiais. É uma guerra sem trégua, diária, e determinei tolerância zero. Tudo o que podemos fazer estamos fazendo, investindo em inteligência e em estratégias. É uma guerra longa. Mas vamos vencer.

Blog do Barreto: Qual o maior desafio para o senhor nesses pouco mais de seis meses de mandato que ainda restam?

Robinson Faria: Estabilizar os índices de violência que, como falei, são fruto de um problema crônico nacional. Quando explode um banco aqui, não é gente daqui, é crime organizado, querendo fazer dinheiro para o tráfico de drogas. O crack, onde chega, destrói famílias. É uma guerra. Mas, assim como fizemos com Alcaçuz, que de uma rebelião que foi manchete na CNN virou um case nacional em gestão prisional, vamos conseguir sim em algum momento estabilizar os índices da área de segurança. Todos os dias isso ocupa parte do meu trabalho como gestor do estado. Investimos hoje 15% do orçamento em segurança, é o maior já feito no estado.193264

Blog do Barreto: Para Mossoró, qual avanço o senhor destaca em sua gestão?

Robinson Faria: Eu sempre tive uma relação muito especial com Mossoró e com sua gente. Mossoró pra mim é a segunda capital do estado, eu sempre afirmei isso. Nosso governo já realizou bastante por Mossoró. Fizemos um investimento de R$ 1,4 milhão num tomógrafo para o Tarcísio Maia. Antes não existia tomógrafo em funcionamento da rede pública. O Estado era obrigado a contratar o serviço na rede privada. Hoje temos plantão permanente de neurocirurgia. Estamos aumentando de 9 pra 30 leitos de UTI e mais 36 leitos de internação. Antes não existia ortopedia plena na rede pública, e uma pessoa que quebrasse a perna em Mossoró precisava ser transferida pra Natal. Hoje trata em Mossoró, não precisa mais ir pra Natal. As neurocirurgias eletivas estão habilitadas desde setembro de 2017 no Wilson Rosado, que por sinal está recebendo 10 leitos de UTI clínica e 5 leitos de clínica médica. São leitos contratados e que funcionam como extensão do Tarcísio Maia até que as obras de ampliação da UTI sejam concluídas. Fizemos investimento em ortopedia de R$ 10 milhões, e hoje fazemos uma média de 98 cirurgias por mês. E o que dizer do trabalho do Governo pelo Aeroporto? Mossoró finalmente vai ter uma linha aérea regular, com a Azul, que só está vindo por causa da reforma e das adequações. Nós transformamos o aeroporto de voos privados em aeroporto de voos comerciais. E nós só garantimos o incentivo depois que eles se comprometeram com o voo fixo. Foram 6 meses de trabalho e investimento de R$ 2 milhões para reestruturar o aeroporto. Posso falar das 3 escolas de tempo integral, do centro de educação profissional, da adutora Jerônimo Rosado, que garantiu água pra 30% da cidade, dos novos poços perfurados, do esgotamento sanitário do Abolição III, em parceria com a prefeita Rosalba. Bombas novas que adquirimos, pra substituir as velhas e isso fazia faltar água em muitos bairros de Mossoró. É muita coisa. Quando eu disse que priorizaria Mossoró, eu não falei por falar, e estamos cumprindo. Inauguramos mais dois restaurantes populares e um café cidadão. Só sabe o valor de uma refeição a 1 real quem precisa. Pode acreditar nisso. Trouxemos a Ronda Integrada, 4 polícias juntas, no difícil combate à criminalidade, e os números já melhoraram. Já iniciamos a grande reforma do Teatro Lauro Monte, abrimos o Escritório do Empreendedor e estamos fazendo a maior obra de saúde da história de Mossoró, o Hospital da Mulher, que vai beneficiar pacientes de 62 municípios e 20 mil mulheres por ano. Sim, respondendo a sua pergunta, tivemos avanços para Mossoró. E olha que eu fiz um resumo.

 Robinson Faria: O senhor se sentiu sem apoio da bancada federal nesses quase quatro anos de mandato?

Robinson Faria: Boa parte da bancada sempre me acompanhou nas audiências, inclusive sempre presente o deputado Beto Rosado nas audiências. Sempre tive apoio, na medida do possível.

Blog do Barreto: Sua candidatura a reeleição vem sendo colocada em dúvida, mas o senhor vem formando um grupo com partidos médios e pequenos além do cortejo ao PSDB. O senhor depende de alguma aliança para ser candidato?

Robinson Faria: Se a minha história política dependesse somente de apoios pra ser candidato, você agora não estaria me entrevistando como governador. Mas os apoios políticos são sim importantes e é claro que quem quer ser candidato deve buscá-los, num entendimento amplo e que some forças. Mas isso será feito no momento devido. Agora meu foco é vencer a crise, uma crise nacional e que só agora, no meu último ano de mandato começou a arrefecer. Governei 4 anos com a crise batendo na porta. Trabalho todos os dias focado em gestão. E nunca faltei a um dia sequer de trabalho.

Blog do Barreto: Se uma eventual candidatura a reeleição estiver inviabilizada o senhor se entenderia com adversários para salvar o mandato de Fábio Faria?

Robinson Faria: Quem inviabiliza eleição é o povo, só ele pode decidir se uma candidatura é ou não viável. E o que eu ouço nas ruas é bem diferente do que muitos publicam ou falam. Costumo dizer sempre o seguinte: nunca subestimem a minha capacidade de enfrentar desafios.

Blog do Barreto: Em Mossoró, o senhor tem plano B caso não firme aliança com a prefeita Rosalba?

Robinson Faria: A pessoa que disser que não quer o apoio do grupo da prefeita Rosalba em Mossoró, sinceramente, não estará sendo 100% sincera. Mas tudo na vida precisa ser construído com paciência e com humildade, com diálogo, com bases bem construídas. No momento certo acredito que tudo se encaixa. Em Mossoró tem de ter Plano M (M de Mossoró) e não Plano B. Tem que ser bom para Mossoró, e eu acredito nisso. É justo.

Blog do Barreto: Voltando à administração qual o legado que o senhor pretende deixar para o RN?

Robinson Faria: O governo que enfrentou e venceu a crise. Antigamente governar era escolher onde investir, onde gastar. Desde o primeiro dia que eu assumi, a crise nacional nos obrigou a escolher o que podia pagar. Isso faz toda a diferença. Deixarei o legado de grandes obras estruturantes (Anel Viário, Moema Tinoco, Saneamento da capital, 49 escolas de tempo integral, o novo Aeroporto de Mossoró todo reformado, adutoras como a nova Jerônimo Rosado), da estrada do Melão de Baraúna e a da Castanha de Serra do Mel, um sonho de muitas décadas. Da descentralização da saúde e as dezenas de leitos de UTI por todo o estado, dos restaurantes populares, da volta da força do Turismo, do resgate do sistema prisional, enfim, um governo que enfrentou e venceu a crise.

Compartilhe:

Para 50,14% dos leitores do Blog porte de arma deveria ser permitido para pessoas devidamente habilitadas

Na votação mais apertada entre as enquetes do Blog do Barreto (contagem encerrada às 10h55) 50,14% dos leitores opinaram ser a favor do porte de armas para pessoas devidamente habilitadas (ver mais sobre o assunto AQUI).

Ao longo da semana vários leitores debateram o assunto polêmico. O critério da necessidade de legítima defesa terminou prevalecendo. “Com certeza na forma da lei Um cidadão de bem deve sim portar arma sem nenhum problema. Estabilizados os critérios necessários para não cair nas mãos de bandidos”, disse Aldo Arrais.

Entre os contrários ao porte de arma o argumento recorrente é a possibilidade de discussões banais terminarem em morte. “O brasileiro não tem maturidade psicológica pra porte de arma meu povo. Em vez de desculpa, ele dá um tiro. Basta observar!”, justificou a leitora Chiara Gandra.

Nota do Blog: enquetes diferentes resultados diferentes. A natureza da pergunta com base nos argumentos comuns nas redes sociais apresentou um resultado inverso ao questionamento mais objetivo e com estabelecimento de critérios. Não existe enquete tendenciosa, mas resultados que desagradam.

Compartilhe:

“Sem investir em educação ficaremos condenados à miséria”, afirma pré-candidato ao Governo

WhatsApp Image 2018-05-05 at 20.23.35

Empresário e professor universitário, Carlos Alberto Medeiros é o candidato do PSOL ao Governo do Estado. Ele vem com a missão de superar a surpreendente votação de Robério Paulino nas eleições de 2014. Conheça um pouco das propostas de mais um pré-candidato ao Governo do Estado.

 

Blog do Barreto: O senhor foi vice de Fernando Mineiro em 2012. O que te levou a deixar o PT?

Carlos Alberto: Venho sendo convidado para ingressar no PSOL há algum tempo. Desde então, procurei estudar profundamente sobre o partido. Analisei o programa de fundação do PSOL, um programa com visão de futuro e coerência. Impressionante a capacidade do PSOL em antever que a política de alianças com partidos de centro e até de direita ia dar errado. A aliança dos partidos de esquerda tem que ser com os anseios da população e com a busca da justiça social, isso é inegociável.

Blog do Barreto: O PSOL teve um desempenho surpreendente em 2014 na eleição de governador do RN, inclusive forçou o segundo turno. Como o senhor pretende ir além disso?

Carlos Alberto: O PSOL teve um bom desempenho na eleição para o governo do estado em 2014. O professor Robério Paulino, meu colega de UFRN, obteve 130.000 votos, chegando a quase 9% dos votos no Rio Grande do Norte e a 22,5% em Natal. Nesta eleição, acredito que a possibilidade de mudança é grande, as pessoas querem um candidato novo que busque fazer uma política diferente da que vem sendo feita no Rio Grande do Norte. Se o eleitor se identificar com a possibilidade de mudança a chance de vitória é real.

Blog do Barreto: O senhor é empresário. Como ser candidato ao Governo em um partido de orientação socialista?

Carlos Alberto: Como sempre fui um militante de esquerda, não me vejo em um partido com orientação diferente do PSOL, que busca o fim da miséria e da exploração. Deixei a condição de empresário há 20 anos quando ingressei como professor da UFRN no Departamento de Ciências Administrativas, desde então fiquei apenas como sócio da pequena empresa que fundei. Nesses 20 anos coordenei o Programa de Pós-Graduação em Administração de 2005 a 2007 e o Curso de Graduação em Administração de 2014 a 2017. Sou professor nos cursos de graduação em Administração e em Turismo, e também na pós-graduação desses dois cursos.  Além disso, me considero um pesquisador bem-sucedido na academia pois já fui citado por mais de 1.300 trabalhos científicos. Essa experiência no estudo da gestão é que desejo levar para o governo do Rio Grande do Norte.

Blog do Barreto: Como o senhor pretende se apresentar ao eleitorado potiguar?

Carlos Alberto: Pretendo me apresentar como um professor e administrador que quer fazer uma gestão diferente no Governo do Rio Grande do Norte. Um governador que perseguirá a meta de colocar todas as crianças e jovens na escola. Como disse Nelson Mandela, “a educação é a arma mais poderosa para mudar o Mundo”. Não existe outra saída para o Rio Grande do Norte que não seja a educação, só ela liberta as pessoas. Nos últimos 10 anos as matrículas das crianças e adolescentes vem caindo no Rio Grande do Norte, o IBGE aponta uma redução de aproximadamente 91.000 matrículas a menos do que em 2009. Temos o segundo pior ensino médio do Brasil, o terceiro pior ensino fundamental, uma enorme falta de vagas nas creches, como vamos crescer com uma educação tão desprezada?

Blog do Barreto: O PSOL tem chances de finalmente eleger um deputado estadual no Rio Grande do Norte. Esse projeto atrapalha ou ajuda sua candidatura?

Carlos Alberto: A ampla nominata de pré-candidatos do PSOL vai fortalecer bastante a campanha, serão mais de 50 candidatos nessas eleições. Mossoró terá a ex-vereadora professora Telma Gurgel como candidata ao Senado e o sindicalista Audiclésio Maia como candidato a deputado federal.  Acredito que o PSOL pode eleger dois ou até três deputados estaduais, já temos mais de 30 pré-candidaturas apresentadas. O professor Zacarias Marinho da UERN é um deles. A nominata para estadual vem com muita força, o vereador de Natal Sandro Pimentel, que está fazendo um grande mandato, os ex-vereadores Maurício Gurgel, com raízes no Seridó, e o Prof. Luis Carlos, que possui bases na região do Apodi. Temos o ex-prefeito de Janduís Dr. Salomão Gurgel; o professor Robério Paulino, que foi o candidato do PSOL a govenador em 2014; um importante líder comunitário do maior bairro de Natal que é o Milklei Leite; o professor Walker Francis, que tem um excelente trabalho como educador em Felipe Camarão. Além desses, candidaturas importantes em Currais Novos, com Solange Medeiros, Tibau do Sul e agreste com Suzane de Paula. Será uma campanha em que o PSOL apresentará uma nominata muito qualificada.

O senhor sendo governador qual seria prioridade principal?

Carlos Alberto: Os países que conseguiram vencer a luta contra a miséria foram os que investiram fortemente na educação. A prioridade do governo será a educação, por ela se atinge e se soluciona outros problemas graves como a segurança pública e o desenvolvimento. Não há mais como ficar se tapando o sol com a peneira, sem investir em educação ficaremos condenados à miséria. Quase 10% da população do Rio Grande do Norte vive na extrema pobreza, são quase 350.000 pessoas. 17% da população é analfabeta, em alguns municípios o número beira os 40%. Nosso governo executará as políticas públicas que estarão em nosso Programa de Governo e que serão extraídas dos anseios da sociedade.

Blog do Barreto: O senhor é do ramo empresarial deve compreender bem o quanto o modelo econômico do Estado carece de inovações. O senhor pensa em alterar os rumos da economia potiguar?

Carlos Alberto: Fui aluno do ex-governador Cortez Pereira, uma pessoa brilhante, o melhor governador que o Rio Grande do Norte já teve. Cortez Pereira foi o único governador com perfil socialista, isso em plena ditadura militar. Cortez trouxe a CEPAL para ajudar a planejar o Rio Grande do Norte. Concebeu e implantou o projeto Serra do Mel, um exemplo de sucesso de colonização e reforma agrária; apoiou o início da carcinicultura em nosso estado, hoje colhemos esses frutos; o plantio do coco; a fruticultura; o turismo. Cortez sabia identificar as atividades econômicas que tínhamos vantagem competitiva. Gostaria muito de fazer um governo nos mesmos moldes que ele fez, sem dúvida ele alterou para melhor os rumos da economia potiguar.

Blog do Barreto: O PSOL passou por algumas turbulências como a filiação rejeitada do advogado Fábio Holanda. Esses problemas atrapalham a disputa majoritária?

Carlos Alberto: Acredito que não.

Blog do Barreto: Como o senhor analisa a UERN?

Carlos Alberto: O desenvolvimento social e econômico do Rio Grande do Norte passa pela UERN, pois ela está presente em quase todas as regiões do estado, atuando fortemente na Graduação e na Pós-graduação. Vejo a UERN como a executora de uma política governamental abrangente no ensino e na pesquisa aplicada. A UERN deve assumir um papel preponderante em nossa gestão, pois tendo a educação como prioridade a UERN será um braço de atuação do governo para a elevação de nossos indicadores educacionais.

Blog do Barreto: Quais as propostas para Mossoró?

Carlos Alberto: Mossoró é a capital industrial do estado. Sou impressionado com a pujança econômica da região mossoroense e acredito que Mossoró será a líder do desenvolvimento do estado no médio prazo. O desenvolvimento econômico do Rio Grande do Norte tem que crescer do campo para as cidades. Só reverteremos o atual cenário de empobrecimento que o estado atravessa apoiando a agricultura familiar, as cooperativas, agregando valor aos produtos em nosso território com a industrialização. Quero estimular fortemente a produção de alimentos e a industrialização no território potiguar. Mossoró e região lideram a produção agrícola e a extração mineral em nosso estado e contará com o apoio do governo para instalar a infraestrutura necessária para continuar com seu forte crescimento.

 

Compartilhe:

“Nós vamos enfrentar este desafio com humildade”, diz Fátima ao admitir candidatura ao governo

Fátima admite candidatura ao Governo (Foto: Tribuna do Norte)
Fátima admite candidatura ao Governo (Foto: Tribuna do Norte)

Dando sequência à série de entrevistas com os pré-candidatos ao Governo do Rio Grande do Norte hoje trazemos uma conversa com a senadora Fátima Bezerra (PT). Líder nas pesquisas ela pela primeira vez admite de forma clara que aceita a candidatura. Não era para menos: ela foi lançada pelo ex-presidente Lula, seu líder político. Fátima também responde aos questionamentos a respeito das acusações de que ela deixa o Estado em segundo plano se preocupando mais com temas nacionais.

Blog do Barreto: O ex-presidente Lula lançou seu nome para o Governo do Estado. A senhora vai mesmo colocar o nome na disputa?

Fátima Bezerra: O PT decidiu que terá candidatura própria e me convoca para esta luta. Nós vamos enfrentar este desafio com humildade, gratos e motivados pela confiança do povo do Rio Grande do Norte, mas também com muita responsabilidade. O Brasil e o nosso estado atravessam momentos difíceis e é preciso muito espírito público e seriedade neste processo porque vamos lidar com a vida das pessoas, com as angústias, a esperança de que as coisas melhorem. Num momento de descrença com a política é motivador receber o carinho das pessoas, as palavras de incentivo, a preferência dos potiguares em cada pesquisa divulgada. Recebemos tudo isso acima de tudo com os pés no chão. Sabemos do tamanho do desafio que temos pela frente. As palavras do presidente Lula endereçadas a nós, naquele momento de uma injustiça profunda, nos incentiva ainda mais e nos encoraja a defender o legado que ele plantou: de justiça social, de um país mais igual, para todos e para todas.

Blog do Barreto: Como a senhora analisa tudo isso que vem acontecendo com o ex-presidente?

Fátima Bezerra: Um absurdo. Uma injustiça sem tamanho, sem precedentes. Como é que se prende um ex-presidente, o melhor da história do país, sem provas, puramente por convicção? Não se trata aqui de defender por defender ou de achar que o presidente Lula está acima da lei. É exatamente o contrário: a lei deve ser igual para todos. A Justiça, tão criticada pela morosidade, resolveu ser célere para condenar, prender – sem considerar a presunção de inocência até o trânsito em julgado em última instância, conforme prevê a Constituição – após negar vários recursos da defesa. A campanha de solidariedade ao presidente Lula se intensifica tanto pelo Brasil como pelo mundo afora e esperamos que essa mobilização social crescente chegue ao STF e que essa injustiça seja reparada. Lula é um preso político. 33 anos após o fim da ditadura vivemos esta triste realidade. Lula está preso porque os que golpearam de morte nossa democracia querem impedi-lo de disputar e vencer as eleições. Não podemos aceitar esse absurdo. Nossa luta não cessará enquanto a Justiça não for feita e ele libertado.

Fátima Bezerra e Lula

Blog do Barreto: Alguns analistas políticos entendem que a senhora tem uma candidatura ao Governo muito dependente de uma “dobradinha” com o ex-presidente Lula, mas ele hoje está preso e praticamente fora da disputa presidencial. Como a senhora atuaria numa campanha sem Lula?

Fátima Bezerra: Primeiro que Lula é o nosso candidato e, segundo, que em qualquer circunstância nós teremos candidatura própria ao Governo do Estado do RN. Depois, como eu já mencionei, este homem tão admirado pelo que fez ao Brasil, é vítima de uma espécie de impeachment preventivo. O grande acordo nacional não está simplesmente encarcerando Lula, mas está indo de encontro à vontade popular. Essa é a razão central de tudo isso. Em contrapartida, o sentimento de indignação da maioria do povo brasileiro contra essa arbitrariedade tem sido muito forte e isso vai refletir nas urnas, em solidariedade e em apoio eleitoral aos candidatos do PT e dos aliados que defendem o imenso legado dos governos do presidente Lula. Em qualquer cenário, o presidente Lula estará no centro do processo eleitoral deste ano, na medida em que é impossível a construção de uma alternativa à crise brasileira sem ter o seu legado como referência.

Blog do Barreto: A senhora tem sido criticada por se preocupar demais com temas nacionais e esquecer as questões locais. Como a senhora avalia esse tipo de opinião?

Fátima Bezerra: Outro dia um grupo de jovens me parou em um evento e alguns deles me falaram: “senadora, a senhora nos representa porque a senhora é por nós”. Eu poderia responder sua pergunta com essa frase cheia de ternura daqueles meninos e meninas. Mas é evidente que, como sempre, continuo minha luta incansável em defesa da educação, de uma saúde de qualidade, de uma segurança pública eficiente, de água para nossa população que sofre com a seca, de tantas e tantas outras causas. A Comissão de Desenvolvimento Regional, que presido, tem sido palco de iniciativas fundamentais e de impacto para o meu estado. Dou aqui como exemplo a crise hídrica. Fizemos a caravana das águas, audiências públicas, por três vezes recebemos o ministro da Integração, a quem cobramos a retomada e celeridade da conclusão das obras da Transposição do Rio São Francisco. Continuamos vigilantes. Mas acrescentaria aqui também a agenda municipalista na defesa da implementação do auxílio financeiro aos municípios; a agenda da educação, com destaque para o Fundeb e a cobrança de recursos destinados aos institutos e universidades federais; a manutenção dos bancos postais; a luta em defesa da Chesf, contra a privatização da Eletrobrás; a defesa dos investimentos da Petrobras e a Refinaria Clara Camarão no RN; a cobrança de investimento e conclusão de obras na infraestrutura rodoviária, como a conclusão do viaduto Maria Lacerda, Reta Tabajara, entre outros. Nós também estivemos na linha de frente contra a política regressiva e cruel de Michel Temer, sempre coerente com a minha trajetória em defesa dos direitos dos trabalhadores e do povo brasileiro. Estranho seria se eu fosse conivente com o pacote de maldades do governo ilegítimo, que penaliza o trabalhador com uma Reforma Trabalhista perversa, que tenta impor uma Reforma da Previdência excludente que pune a população, de uma PEC que congelou por 20 anos os investimentos em políticas públicas e sucateia o país. Esses temas nacionais não dizem respeito ao nosso RN? Neste aspecto, quem tem que se explicar ao povo do RN é quem tem respaldado essa agenda brutal de retirada de direitos.

Blog do Barreto: Uma das críticas ao seu nome é que seu desempenho parlamentar caiu no Senado em comparação aos tempos como deputada. A senhora concorda?

Fátima Bezerra: Quem acompanha com seriedade o meu mandato sabe que isso não é verdade. Eu discuto, critico o descaso do governo ilegítimo com o RN, defendo o meu estado com todo o meu empenho, com o mesmo vigor. A grande diferença deste mandato para os anteriores é que o governo de Michel Temer não é republicano, discrimina o Nordeste e não atende as reivindicações de sua própria base de apoio, avalie de quem é oposição. Nós vínhamos de governos republicanos que visavam a melhoria da população, mas agora a realidade é outra. Quem mudou não fui eu, o que está acontecendo é resquício do golpe, que infelizmente ainda segue seu curso. O povo não é mais prioridade. Nosso mandato tem recebido o reconhecimento pelo papel que desempenha no parlamento: pela terceira vez consecutiva aparecemos entre os mais influentes do Congresso nos levantamentos anuais realizados pelo Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap). Ano passado, aparecemos entre os 10 melhores senadores em votação realizada pelo site Congresso em Foco. No mais, cumpro minha obrigação e continuo fazendo política de cabeça erguida, com honradez, seriedade e espírito público.

Blog do Barreto: Qual o principal problema do Rio Grande do Norte na sua opinião?

Fátima Bezerra: Para além da recessão econômica que trouxe impactos para estados e municípios, como queda de receita e corte de investimentos, cabe aqui uma pergunta: o que levou o RN a ter um destino tão diferente de estados de porte semelhante, como a Paraíba, e de outros estados como o Maranhão, a Bahia, o Piauí e o Ceará, onde não há atraso no pagamento dos servidores e se consegue investir? O que levou o nosso estado a essa situação de caos? O PT está debruçado junto a técnicos e especialistas de diversas áreas que realizam um levantamento minucioso da situação do Estado. Precisamos saber, por exemplo, os gargalos da arrecadação, o diagnóstico da folha de pessoal, capacidade de investimento, políticas públicas em andamento, em especial nas áreas de Segurança, Saúde, Educação, etc.

De posse dessas informações, vamos dialogar com os nossos aliados e os diversos segmentos da sociedade e, aí sim, formataremos uma proposta de Governo ao povo do Rio Grande do Norte.

Blog do Barreto: O antipetismo já esteve mais em voga, mas ainda faz muito barulho nas redes sociais. Como a senhora vai lidar com a rejeição dessas pessoas?

Fátima Bezerra: A narrativa de que foi golpe o que fizeram com Dilma se sobrepôs desde que as máscaras dos personagens centrais daquele lamentável momento para o país começaram a cair uma a uma. Os dois chefões do golpe não nos deixam mentir: Eduardo Cunha, que dispensa comentários, e o presidente ilegítimo, que hoje vive mergulhado em acusações seríssimas de corrupção, agarrado a um mandato para desespero da grande maioria do povo brasileiro. Aliás, Temer e seus amigos, com direito a apreensão de dinheiro em mala, milhões escondidos em um apartamento na Bahia, entre tantas outras coisas. O que estava realmente acontecendo no Brasil foi ficando cada dia mais claro para as pessoas. E naturalmente vimos crescer a descrença das pessoas pela política. Graças a Deus, por onde passo, tenho recebido o carinho e o incentivo das pessoas do meu estado. Uma relação de respeito e isso é muito gratificante, ainda mais nos tempos em que estamos vivendo. As manifestações de intolerância nós vamos tratar como sempre fizemos: com esclarecimento e debate político.

Blog do Barreto: Como a senhora analisa os constantes ataques a UERN?

Um grande equívoco, um desserviço à sociedade e ao estado. A Uern cumpre um papel importante e estratégico do ponto de vista econômico e social. É como eu sempre falo: A educação deve ser tratada como investimento e não como gasto.

Compartilhe:

“Os que estão no poder há décadas criam mecanismos para inibir que propostas novas prosperem”, diz Clorisa Linhares

XP9A7567

Em um partido pequeno e excluída das pesquisas, a vereadora de Grossos Clorisa Linhares (PSDC) rema contra a maré da política apostando no sentimento de rejeição aos políticos tradicionais que impera no eleitorado potiguar. Se a maré se reverter a seu favor ela pode surfar rumo a um resultado que nenhum analista político do Estado acredita. Mas Clorisa sonha alto.

 

Blog do Barreto: A senhora está em um partido pequeno. Como ter um bom resultado sem apoios importantes?

Clorisa Linhares: O sistema eleitoral nos impõe barreiras. Os que estão no poder há décadas criam mecanismos para inibir que propostas novas prosperem. Contudo, estamos firmes. O PSDC é um partido pequeno pretendo oferecer uma alternativa para o Estado. Se apoios importantes são os que estão no poder, os que possuem estruturas partidárias e financeiras, oligarquias, não queremos ter. Buscamos apoios que representem o combate a esse sistema. O eleitor é o principal deles. Estamos diariamente no contato com as pessoas, ouvindo, sugerindo, mostrando nossas ideias. É com o povo que conto.

 

Blog do Barreto: Seu nome vem sendo capciosamente excluído das pesquisas. Como a senhora se sente?

Clorisa Linhares: Sinto que estou incomodando. Se eles, donos da estrutura partidária e financeira, nos excluem das pesquisas, há um sinal de que a nossa pré-candidatura tem apelo popular. Vejam as últimas pesquisas: o entrevistado nos cita espontaneamente, temos a menor rejeição entre todos, mas não nos coloca na questão estimulada. Ou se incluem, não divulgam. Tudo isso se faz para desestabilizar novas candidaturas, criar cenários fictícios, e assim fazer com que somente eles possam disputar o voto majoritário da população. Sou uma mulher de desafios, vencedora, que diariamente tenho desafios e enfrento todos com ânimo de vencê-los. Sempre foi assim. Sempre será.

Blog do Barreto: Vereadora de cidade pequena e sem mídia, a senhora cogita atrair os eleitores via voto de protesto?

Clorisa Linhares: O eleitor está indignado com os políticos atuais. Os escândalos de corrupção, os desgovernos como esse de Robinson Faria, tem feito a população refletir. Isso é bom. Temos uma proposta: fazer um Rio Grande do Norte diferente e assim esperamos conquistar o eleitor. Há uma pauta a ser discutida na campanha que inclui a reforma do estado, a segurança pública, o sistema de abastecimento de água, a retomada do desenvolvimento econômico com empregos e o melhor funcionamento da saúde. Há um grupo de profissionais elaborando um plano e nós estamos ouvindo a população sobre essas questões.

Blog do Barreto: A senhora conseguiu avançar em alguma parceria política para as eleições de outubro?

Clorisa Linhares: Os partidos tradicionais estão discutindo entre eles como continuarem no poder. Assim eles vão promover acordões para que eles se salvem, governador, senadores, deputados federais e estaduais. Tem sido assim. Com eles, não conversamos. Com o s partidos que estão interessados em mudar tudo isso temos realizado bons diálogos. Há uma articulação que envolve o Solidariedade, o PSC e o PV. Conversamos também com representantes do chamado G8, e mais recentemente com o Partido Novo e a Rede. Até 7 de abril os entendimentos ficarão mais centrados em filiações, e posteriormente, penso que haverá avanços na formalização de alianças.

 

Blog do Barreto: Há quem desconfie que a senhora está mesmo de olho nas eleições de 2020 para a Prefeitura de Grossos. Faz sentido essa especulação?

Clorisa Linhares: Em primeiro lugar a nossa pré-candidatura foi lançada pelo PSDC. Outra coisa diz respeito ao desempenho com que tenho desempenhado a missão. Andei o estado inteiro nos últimos meses. E isso, como segundo argumentação, demonstra que esse esforço diz respeito a um projeto estadual, pois fosse essa intenção bastaria que eu centrasse minhas ações no município. Não seria mais lógico? Haveria mais tempo, mais disponibilidade, logística mais simples.

 

Blog do Barreto: Essa é uma eleição que pode aposentar políticos tradicionais. Não lhe angustia não conseguir aglutinar forças para isso?

Clorisa Linhares: As pessoas querem mudar e isso me anima. Sei que há um controle partidário, financeiro, midiático, do próprio sistema eleitoral, nas mãos das oligarquias Maia, Rosado, Alves e associados. Eles não vão largar fácil essa vida de privilégios de 50 anos. Eles já passaram mandatos para os filhos, e já pensam nos netos. Sei de tudo isso. Mas, essa vontade popular precisa ser expressada nas urnas, e isso só acontecerá se houver alternativas eleitorais. Não há angústia quando sabemos a que porto queremos chegar. Sacrifícios e barreiras são muitas, maior entretanto é a nossa vontade, a fé e a força que vem de Deus e do povo para cumprir essa missão.

Blog do Barreto: Em Mossoró, a senhora já tem um grupo de apoio?

Clorisa Linhares: Temos contatos com o apoio de muitos apoiadores, a partir do meu partido, com o combatente professor Josué Moreira, o presidente José Marley, e filiados. Fizemos reuniões com presenças de pequenos e médios empresários, profissionais liberais, ex-vereador, vereador, líderes evangélicos e católicos, muitos amigos. Na campanha, certamente teremos uma boa base de apoio com candidaturas proporcionais.

Blog do Barreto: O tempo de TV e rádio será seu maior inimigo na campanha?

Clorisa Linhares: Certamente. Temos pouco tempo, daí a articulação para a formação de um bloco majoritário que nos dê maior tempo de expor nossas ideias na propaganda eleitoral. Contudo, estamos preparadas para fazer um programa objetivo, sem falácias ou promessas impossíveis de realizar, e com conteúdo que possa levar ao eleitor a possibilidade de reflexão sobre o RN que queremos, diferente desse que o governador e os políticos tradicionais comandam há décadas e que tem nos levado a uma quebradeira geral.

Blog do Barreto: Em que bases a senhora acredita que pode se apresentar como novidade este ano?

Clorisa Linhares: Simples: analisem os currículos dos candidatos. Vou me apresentar como candidata formada em Direito e Ciências Contábeis, professora, empreendedora, seis pós-graduações inclusive uma delas em segurança pública; ex-agente penitenciária; funcionário do Tribunal de Justiça. Como vereadora temos honrado a representação popular e mantido um projeto social que atende a 600 crianças e adultos em Grossos, com recursos integrais do salário de vereadora. Vou pedir que pesquisem sobre minha vida. Não há processo, intimação, denúncia, nada que me desabone. Não sei se os outros pré-candidatos ou possíveis pré-candidatos podem dizer isso. Vida limpa. Mãos limpas. Essa é a minha base. Uma grande novidade entre os que há 50 anos estão ai, muitos deles presos, ou aguardando prisão, querendo mandato para ter foro privilegiado. Sou mãe de criança especial que superou a excepcionalidade do filho.

Blog do Barreto: O seu partido já dispõe de nominatas para as eleições proporcionais? 

Clorisa Linhares: O PSDC além das pré-candidaturas a governo e a senado, que é a de Joanilson de Paula Rêgo, tem se articulado nesse sentido, e é uma das prioridades eleitorais desse ano, observando as barreiras eleitorais impostas para esta eleição. Temos bons nomes como o do vereador caicoense Odair Diniz, nosso atual presidente, e a do professor Josué Moreira, pré-candidatos a federal, e uma nominata de cerca de duas dezenas de nomes para estadual, como o do jornalista Jaécio Carlos e do líder comunitário Paulo Renato, ambos na Grande Natal. Estamos conversando com outros partidos para a formação de uma chapa proporcional forte, que possa eleger pelo menos um federal e quatro deputados estaduais, e entre eles estão o Solidariedade, o PSC, o PV e as agremiações do G8.

 

Compartilhe:

“Não sou o “novo’”, declara Kelps Lima

221afde6-fec3-4a03-aa4c-403a0c561d2c

Na segunda entrevista com os pré-candidatos ao Governo do Estado realizada pelo Blog do Barreto, o deputado estadual Kelps Lima (SD) falou do projeto político de disputar o Governo do Estado. Ele se coloca como alternativa ao PT e grupos tradicionais da política estadual.

 

Blog do Barreto: O senhor está se colocando como pré-candidato ao Governo, mas condiciona o desempenho nas pesquisas para seguir com o projeto. Não é um mau começo para uma disputa majoritária?

Kelps Lima: Claro que não, muito pelo contrário, é pegar o melhor caminho, dizendo a verdade. Nenhum dos pré-candidatos confirmou sua candidatura oficialmente. Todos estão tentando se viabilizar. Carlos Eduardo também está aguardando o resultado de pesquisas. Isso é mais do que normal. A diferença é que eu sou sincero.

Blog do Barreto: O senhor não é ligado à esquerda, nem a direita e muito menos aos grupos tradicionais. A falta de uma identidade política não pode atrapalhar num cenário tão polarizado como o atual?

Kelps Lima: Quem faz política polarizada faz muito barulho, mas não é maioria. A grande maioria das pessoas não está preocupada com esquerda ou direita. A maioria quer soluções, quer um projeto. Entendo identidade política como outra coisa, com ter um projeto com começo, meio e fim. Ter qualificação na área pública. Até agora só nós do Solidariedade termos investido em qualificação na área pública, em um projeto com começo, meio e fim.

Blog do Barreto: O senhor tem repetido que o problema do Rio Grande do Norte é falta de gestão. Mas o atual governador também falava isso. Não há um risco de se passar para o eleitorado como mais um falastrão?

Kelps Lima: Tenho especialização e mestrado na UFRN em gestão pública. Já recebi alguns prêmios nacionais e internacionais na área. Não sou produto de marketing eleitoral, como Robinson foi. Meu mandato na Assembleia e minha experiência como Secretário de Trânsito de Natal mostram que nossos projetos possuem absoluta viabilidade e todos saem do papel.

Blog do Barreto: O senhor está em um partido de médio para pequeno porte. Como encarar uma candidata do PT e os representantes dos grupos tradicionais?

Kelps Lima: Nasci em uma família pobre, numa casa de uma vila no bairro do Alecrim. Fui o primeiro em todas as gerações de minha família a ter uma carreira acadêmica. Sei o que é posto de saúde, desemprego e ônibus lotado na prática. Você acha que depois de tudo que passei na vida eu tenho direito a ter medo de grupos oligárquicos em nosso Estado. Disputei 3 eleições até hoje, em todas tive mais votos que o candidato do PT.

Blog do Barreto: Falando em PT o senhor tem sido duro nas críticas ao governador e lideranças tradicionais das famílias Alves e Maia, mas com a senadora Fátima Bezerra o senhor tem pego mais leve. É a porta aberta para um entendimento futuro?

Kelps Lima: Não seria justo comparar Fátima com José Agripino e Garibaldi. Contudo, não posso dizer que até agora o projeto de Fátima seja consistente. Ela ainda não colocou o RN em sua pauta, vem falando apenas do Golpe, de Temer e de Lula. Precisa falar mais do Hospital Tarcísio Maia, do recorde de assassinatos no RN, de sermos a 2ª pior educação do Brasil, e propor soluções. O que me parece, até agora, é que Fátima está mais preocupada com os problemas nacionais do PT do que os problemas do Rio Grande do Norte.

Blog do Barreto: O Solidariedade tem construído um grupo de nomes novos, mas sem muita estrutura. Dá para acreditar que é possível conquistar mandatos apenas com o “discurso do novo”?

Kelps Lima: Primeiro não sou o “novo”. Tenho 46 anos, já fui secretario mais de uma vez e estou no segundo mandato de deputado. Fazemos política moderna. Vou lhe dizer por qual motivo acreditamos que é possível. A lógica da Assembleia é os deputados aderirem ao Governo, em troca de “estrutura”, mesmo sem ter votado no Governador de plantão. Eu nunca fiz isso, nunca indiquei um cargo sequer em prefeitura, governo estadual ou federal. Mesmo assim fui o 4º deputado mais votado do Estado e fiquei em 2º lugar para Prefeito de Natal e ainda elegemos a segunda maior bancada da Câmara Municipal. Este ano vamos eleger 3 deputados estaduais, 1 federal e vamos estar competitivos para o Senado e o Governo. Os grupos tradicionais não podem transitar pelo que há de mais novo na política, as redes sociais. Na internet nós ganhamos de goleada.

Sabemos fazer muito, com pouca estrutura, exatamente o que o Estado está precisando.

Blog do Barreto: A UERN é constantemente atacada por setores da mídia de Natal e até mesmo de parte da elite potiguar. O senhor sendo governador faria o que para reverter esse quadro?

Kelps Lima: Precisamos modernizar a UERN, não tem outro caminho. A UERN está sendo vítima dos velhos políticos que não querem que nossos jovens tenham acesso a boa educação. Mas também vem sendo vítima da falta de modernização, é preciso rever muita coisa dentro da UERN para podermos salvá-la.

WhatsApp Image 2018-03-22 at 09.39.35Blog do Barreto: Certa vez em um artigo escrevi que o senhor precisa mais do que um “pau de selfie” para ser eleito governador. Creio que o senhor é consciente disso. Qual é a estratégia para formar uma base para lograr êxito no projeto?

Kelps Lima: A melhor estratégia é ter uma postura coerente, uma boa estratégia, qualificação e boa comunicação. Qual a estrutura de Zenaide? Qual o partido dela? O que faz ela estar tão bem para o Senado? Pensar em estrutura é olhar para o passado. Nosso partido é disparado o que mais cresce no Estado sem uso da máquina pública. Estamos criando uma nova identidade política no Estado, poucos falam disso para não valorizar nosso trabalho. Todo mundo quer se esconder embaixo de rótulos: esquerda x direita, verde x vermelho. Não precisamos dessas embalagens, nosso conteúdo é consistente.

Blog do Barreto: O senhor se posicionou favorável aos servidores no “pacote de maldades” enviado pelo governador, mas reconhece que medidas impopulares são necessárias. Quais seriam as mais urgentes na sua opinião?

Kelps Lima: É preciso resolver a questão da previdência, é inadiável. Mas começar essa solução colocando a conta exclusivamente nas costas do servidor que está com 2 anos sem receber em dia não é justo. Além disso é preciso mudar o perfil da máquina pública, modernizá-la. Temos de ter um projeto econômico estadual para aumentar a arrecadação, conectado com uma boa política para educação, e aí a UERN terá um papel fundamental. Em tempos difíceis a sociedade precisa de líderes qualificados e corajosos. Me preparei a vida inteira para este momento.

Blog do Barreto: Ser candidato ao Senado é uma alternativa?

Kelps Lima: Temos a melhor pré-candidatura ao Senado das eleições deste ano, Magnólia Figueiredo. Uma figura internacional, que só nos deu orgulho. Uma servidora pública qualificada com mais de 30 anos de experiência. Dos nomes colocados até agora para o Senado é a única que não pertence às oligarquias políticas do Estado. Minha alternativa para o Senado já tem nome: Magnólia Figueiredo.

Compartilhe: