Beto vira as costas para a indústria salineira, sobe no espantalho do antipetismo e desce para se abraçar com o bolsonarismo

É inegável que a indústria salineira sempre foi uma bandeira de luta tanto do deputado federal Beto Rosado (PP) como do pai dele, Betinho Rosado. Seria uma injustiça histórica afirma o inverso.

No entanto, nesta decisão do governo Jair Bolsonaro (PSL) de prorrogar a suspensão da medida antidumping que beneficia a indústria salineira, o deputado pecou pela omissão e quando abriu a boca piorou as coisas.

Beto simplesmente culpou o PT e a esquerda por todos os problemas da indústria salineira. Uma rápida passagem pelo passado recente a gente percebe que foi no governo da então presidente Dilma Rousseff que foi assinada a medida antidumping que protegia o sal potiguar que foi suspensa por Michel Temer e mantida por Bolsonaro.

Neste caso: o PT ajudou ou prejudicou a indústria salineira?

Quer outra ação fundamental do PT para proteger a nossa indústria salineira? Em 2009, havia um lobby para o Governo Federal autorizar a exploração do sal-gema do Espírito Santo.

O então presidente Lula ficou ao lado dos potiguares e manteve a proibição. Inclusive, Betinho comemorou a decisão na época.

Vale lembrar que Betinho lutou para ser de um partido da base do governo petista com duas ações na Justiça Eleitoral para poder deixar o DEM. Ele estava satisfeito com o que os presidentes petistas fizeram pela nossa economia, claro.

Beto, numa tática padrão MBL, jogou com o emocional para se blindar através do antipetismo irracional. Jogou a culpa no PT como se o partido tivesse alguma influência nas ações do Ministério Público Federal num discurso que duela com os fatos usando uma espada de madeira.

Restou subir no espantalho do antipetismo, por sinal um ótimo guarda-chuva para se esquivar com a ajuda de setores da classe média, mas após ficar em cima do boneco de palha, Beto acaba descendo para o outro lado e se abraçando ao bolsonarismo.

As declarações de Beto foram criticadas pelo diretor executivo do Sindicato de Moagem e Refino do Sal do RN (SIMORSAL), Renato Fernandes. Para ele a postura do deputado atrapalha.

Pois é, Beto declarou que a medida não prejudica a indústria salineira. Renato aponta perda de mercados no Sul do país.

Quer abraço maior com o bolsonarismo do que questionar dados de especialistas com retórica estridente e acusando o PT?

Compartilhe:

Empresário afirma que declarações de Beto atrapalham indústria salineira

Renato rebate declarações de Beto (Foto: autor não identificado)

O diretor executivo do Sindicato de Moagem e Refino do Sal do RN (SIMORSAL), Renato Fernandes, reagiu às declarações do deputado federal Beto Rosado (PP) – ver AQUI – de que a prorrogação da suspensão das medidas antidumping não atrapalha a indústria salineira.

“Beto está atrapalhando a articulação que está sendo feita ao politizar um debate que é eminentemente técnico”, frisou.

Renato lembra que o senador Jean Paul Prates (PT) convidou o secretário nacional de comércio exterior Marcos Prado Troyjo para esclarecer e que declarações como essa não contribui ao debate. “O senador Jean Paul chegou a me ligar perguntando se tinha algo errado e eu disse que não”, relatou.

O empresário explicou que a prorrogação da medida prejudica sim a indústria salineira potiguar ao contrário do que pregou Beto no vídeo. “Perdermos mercados no Sul do país. O Brasil é autossuficiente na produção de sal graças ao Rio Grande do Norte só que o sal chileno está entrando aqui com isenções fiscais e vantagens que nós não temos. Os salineiros não querem vantagens, mas apenas igualdade no tratamento e proteção à nossa economia”, explicou.

Renato reforçou que não há qualquer crítica ao presidente Jair Bolsonaro (PSL). “Não estamos nem citando ele nas entrevistas”, lembrou.

Indústria salineira potiguar está em risco (Foto: Reprodução/Inter TV Cabugi)

De acordo com Renato a indústria salineira movimentou R$ 1 bilhão ano passado gerando mais de 10 mil empregos. “Temos uma média salarial alta comparada com outros setores. A indústria salineira paga em média R$ 2.500”, argumentou.

Renato lembrou ainda que o compromisso dos empresários do sal é tamanho que existem reservas de um milhão de toneladas de sal apenas para proteger a indústria química nacional.

Em entrevista recente ao Cenário Político da TCM e Meio-Dia Mossoró da 95 FM ele reclamou da falta de empenho da classe política do Rio Grande do Norte.

Até aqui só se manifestaram Jean Paul Prates que convocou o secretário de comércio exterior para ir ao Senado explicar a medida, a deputada federal Natália Bonavides (PT) que entrou na Justiça para anular a decisão do Governo Federal e a deputada estadual Isolda Dantas (PT) e a vereadora Sandra Rosado (PSDB) que saíram em defesa da indústria salineira em discursos.

Compartilhe:

Em vídeo, Beto defende Bolsonaro, ataca a esquerda e diz que indústria salineira não está prejudicada

O deputado federal Beto Rosado (PP) reagiu às críticas de que estaria omisso após o Governo Federal prorrogar a suspensão da medida antidumping que prejudica a indústria salineira.

Segundo Beto, há uma ciumeira dos partidos de esquerda porque o presidente Jair Bolsonaro (PSL) salvou a indústria salineira. Ele ainda atacou setores da imprensa de mentir sobre o tema. O parlamentar usou uma expressão semelhante à usada por esta página (ver AQUI) para acusa-la de mentir.

O deputado ainda garantiu que a indústria salineira não se prejudica com a concorrência do sal chileno.

Confira:

Compartilhe:

Beto informa que está na luta para manter órgão federal em Mossoró

Beto vai tentar manter DPU em Mossoró (Foto: autor não identificado)

O deputado federal Beto Rosado (PP) em conversa com o Blog do Barreto informou que vai realizar diligências em Brasília com o objetivo de manter em Mossoró o escritório da Defensoria Pública da União (DPU).

Ele disse que já foi procurado pelo defensor público da União Ricardo Guilherme e que se prontificou em atuar em Brasília para manter o relevante serviço em Mossoró.

No último sábado, o Blog do Barreto (ver AQUI) tinha sugerido que o parlamentar, na condição de único representante de Mossoró, encampasse a luta para reverter a decisão do presidente Bolsonaro de fechar o escritório da DPU.

Saiba mais sobre o assunto AQUI.

Compartilhe:

Uma missão para Beto Rosado

O deputado federal Beto Rosado (PP) é o único político com base eleitoral em Mossoró na bancada do Rio Grande do Norte no Congresso Nacional.

Na votação da reforma da previdência ele se alinhou ao projeto do presidente Jair Bolsonaro (PSL).

Com isso, ele está em alta.

O Governo Federal sob ordens de Bolsonaro está fechando escritórios da Defensoria Pública da União. A medida atinge Mossoró.

Beto até aqui não se manifestou sobre o assunto. Caberia a ele como representante da cidade agir para reverter esse retrocesso que prejudica as camadas mais pobres da região Oeste com demandas na Justiça Federal.

A título de exemplo a deputada estadual Isolda Dantas (PT) usou a influência de parlamentar governista para atender demanda dos empresários e mudar do Partage Shopping para o Centro o escritório da Junta Comercial.

Fica a dica para Beto.

Compartilhe:

Beto defende emenda para obra viária interligando o Conjunto Vingt Rosado ao Bairro Barrocas

O deputado federal Beto Rosado (PP) indicou à Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) 2020 a construção do Complexo Viário da Resistência, interligando a BR-110 (saída para Areia Branca) do bairro Vingt Rosado, ao outro lado da cidade, ao bairro Barrocas na avenida Marechal Deodoro.

A proposição saindo do papel seria fundamental para melhorar a mobilidade urbana no município. “Esta obra já está no planejamento urbano da cidade há mais de 10 anos, e é muito importante para Mossoró tanto do ponto de vista urbanístico, facilitando a mobilidade (tendo em vista o congestionamento nas pontes que já existem na cidade), quanto do ponto de vista econômico gerando novas oportunidades de investimentos no novo trecho”, explicou Beto.

Com informações da Assessoria de Beto Rosado

Compartilhe:

Beto cobra explicações a ministro sobre exclusão da Rota da Falésias de programa de investimentos

Projeto é excluído de programa de investimentos (Foto: cedida)

O deputado federal Beto Rosado (Progressistas) apresentou nesta sexta-feira (28) um requerimento de informação ao Ministro do Turismo Marcelo Álvaro Antônio solicitando esclarecimentos a respeito da exclusão da Rota das Falésias, que abrange boa parte da costa norte do estado, do Programa Investe Turismo.

O Programa do Governo Federal foi lançado em maio de 2019 e propõe um pacote de investimentos, incentivos a novos negócios, acesso ao crédito, melhoria de serviços, inovação e marketing, voltados ao Turismo. As rotas selecionadas pelo programa excluíram o roteiro denominado Rota das Falésias, que abrange as cidades de Areia Branca, Porto do Mangue, Tibau, Grossos e Mossoró. “Temos um potencial enorme a ser explorado e divulgado para o país e para o exterior, mas para isso, precisamos incluir esses roteiros nos programas do governo federal. As praias paradisíacas com morros de areais coloridos e águas termais, os paredões avermelhados e as pirâmides de sal, localizados na região da Rota das Falésias, precisam ser incluídos neste programa”, solicitou o parlamentar.

Programa

Cento e cinquenta e oito municípios brasileiros, sendo cinquenta e seis municípios no Nordeste, serão contemplados pelo Programa Investe Turismo, desenvolvido conjuntamente pelo Ministério do Turismo, Sebrae e Embratur. O pacote de investimentos está orçado em R$ 200 milhões. Destinos como Fernando de Noronha; Maragogi, em Alagoas; Canindé de São Francisco, em Sergipe; Porto Seguro, na Bahia; Jericoacoara, no Ceará; Luís Correia, no Piauí; Barreirinhas, no Maranhão; Cabedelo, na Paraíba e Parnamirim, no Rio Grande do Norte, estão na lista dos beneficiados.

Texto: Assessoria de Beto Rosado.

Compartilhe:

Beto nega acordo com Bolsonaro envolvendo a reforma da previdência

Beto nega acordo (Foto: Hélito Honorato)

Entrevistado nesta quinta-feira no Meio-Dia Mossoró da 95 FM, o deputado federal Beto Rosado (PP) negou que assinatura do decreto do sal tenha sido fruto de um acordo com o presidente Jair Bolsonaro (PSL) para votar favorável à reforma da previdência.

“Não sou bolsonarista, mas tem uma coisa boa neste governo que é se você chegar com uma ideia boa eles vão te ouvir”, frisou.

Ele disse que mantém a posição em relação à proposta: “Do jeito que está eu voto contra”.

Sobre o decreto do sal Beto disse que a medida foi importante para o setor.

Caso Kerinho

O deputado foi entrevistado poucas horas após a decisão do TSE que manteve ele no exercício do mandato. “Foi uma decisão boa para Kerinho que teve o direito dele assegurado e por tabela isso beneficiou a nossa coligação garantindo o meu mandato”, acrescentou.

Compartilhe:

Caso Kerinho: a disputa entre Beto e Mineiro será travada agora no TRE

Mineiro ainda tem mais uma chance em disputa com Beto

Ao escrever a manchete “TSE decide: Beto segue deputado”, o editor desta página não poderia ser mais feliz. O deputado federal Beto Rosado (PP) segue deputado, mas ainda não é uma situação definitiva.

Para ser mais claro é preciso perguntar a respeito do que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu hoje por unanimidade? A corte decidiu manter a decisão monocrática do ministro relator Jorge Mussi tomada no dia 17 de dezembro.

E o que diz a decisão? Com a palavra o magistrado:

“Ante o exposto, reconsidero a decisão agravada para dar provimento ao recurso especial, nos termos do art. 36, § 7º, RI-TSE, a fim de anular o aresto a quo ante o reconhecimento do erro judiciário, determinando-se retorno aos autos à origem para que TRE/RN proceda a análise do registro de candidatura com a documentação probatória”.

Se você não compreendeu o “juridiquês” o Blog traduz: o ministro decidiu, e teve hoje o respaldo de seus pares, que o registro de candidatura de Kerinho (PDT) deve ser reanalisado pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE/RN). A corte reconheceu o erro por seis dos sete documentos que faltaram (entenda na tabela abaixo):

A decisão do TSE em tese ainda é provisória porque quem vai julgar o registro do Kerinho é o TRE. É isso que vai tornar validar os 8.990 votos que mudam o quadro eleitoral da eleição para deputado federal do Rio Grande do Norte.

Beto fica deputado se o TRE mudar o entendimento de que a quitação eleitoral é necessária para quem já sofreu punições na esfera eleitoral como diz o artigo 26 da resolução Nº 23.455, de 15 de dezembro de 2015.

  • 1º Os requisitos legais referentes à filiação partidária, domicílio e quitação eleitoral e à inexistência de crimes eleitorais serão aferidos com base nas informações constantes dos bancos de dados da Justiça Eleitoral, sendo dispensada a apresentação de documentos comprobatórios pelos requerentes (Lei nº 9.504/1997, art. 11, § 1º, incisos III, V, VI e VII).

  • A quitação eleitoral de que trata o § 1º abrangerá exclusivamente a plenitude do gozo dos direitos políticos, o regular exercício do voto, o atendimento a convocações da Justiça Eleitoral para auxiliar os trabalhos relativos ao pleito, a inexistência de multas aplicadas em caráter definitivo pela Justiça Eleitoral e não remitidas e a apresentação de contas de campanha eleitoral (Lei nº 9.504/1997, art. 11, § 7º).

O TRE pode entender que a ausência de um único documento não gera dolo suficiente para negar um registro de candidatura.

O processo ganha uma nova etapa. A novela continua.

Compartilhe: