O preço do salário em dia para os servidores do Estado

Robinson e Temer

O preço do salário em dia

Circula nas redes sociais um falso calendário de pagamento dos servidores estaduais. O boato tem um fundo de verdade graças ao trabalho feito em Brasília para o Rio Grande do Norte receber um aporte financeiro de R$ 750 milhões via Governo Federal.

Mas tudo na política tem um preço e Michel Temer nem de longe é um presidente sensível aos problemas dos menos favorecidos. Ele quer votos para a reforma da previdência.

Na semana passada o deputado federal Fábio Faria (PSD) fechou questão para votar sim na reforma da previdência em uma reunião com Michel Temer no Palácio do Planalto. O governador Robinson Faria (PSD), pai de Fábio, estava presente acompanhado do secretário Wagner Araújo. Será o preço a ser pago para o Estado receber recursos federais.

A articulação teve participação do presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia (DEM/RJ). Sem ele, Temer jamais se importaria com nosso sofrido e insignificante elefante.

A esperança de Robinson não é uma certeza de salários de novembro e décimo terceiros pagos em curtíssimo prazo. A gula dos poderes é insaciável e o corporativismo é como um cardume de piranhas esfomeadas em um rio pequeno de fontes. Esses recursos correm um risco sério de serem bloqueados frustrando a todos.

O preço a ser pago poderá ser em vão.

Compartilhe:

Prefeitura afirma que atraso à fornecedora de gás se dá por falta de documentação

Abaixo, nota da Prefeitura de Mossoró justificando o atraso no pagamento à empresa fornecedora de gás.

“A Secretaria Municipal de Saúde esclarece que o atraso no pagamento à Indústria Nordestina de Gases Eireli (ING), fornecedora de oxigênio, deu-se em virtude da falta de documentação da própria empresa.

O processo teve, então, que passar pela avaliação da Procuradoria Geral do Município (PGM) para ser realizado o pagamento. Agora, com aval positivo da PGM, a documentação segue todos os trâmites e, assim que concluídos, será efetuado o pagamento”.

Compartilhe:

Asfixia de uma cidade que precisa de gás para respirar

img159

Mossoró está sem gás, asfixiada. A frase vai da analogia à literalidade. 

Na literalidade temos o caso da Indústria Nordestina de Gases (ING) que suspendeu o fornecimento de oxigênio para pacientes que recebem os serviços em casa e das unidades médicas do município.

Na analogia temos uma miríade (quantidade indeterminada, porém considerada imensa) de problemas. Passa pela própria incapacidade de pagar a ING e outros fornecedores passando pelos atrasos dos terceirizados, comissionados e efetivos.

Mas inclua também a explosão de violência com mais de 200 homicídios, a falta de combustível das viaturas da Guarda Municipal e fiscalização do trânsito passando pelas constantes ameaças de médicos de interromperem serviços por falta pagamento.

Mas os problemas não se resumem aos inquilinos do Palácio da Resistência. O Corpo de Bombeiros de Mossoró está em vias de se “auto-interditar”, a Polícia Militar funciona em condições precárias e a Reitoria da UERN está ocupada por estudantes.

Mossoró precisa de gás.

Compartilhe:

Corpo de bombeiros agoniza em Mossoró

bombeiros-3

O prédio do Corpo de Bombeiros em Mossoró está caindo aos pedaços. O órgão que deveria servir como protetor da sociedade contra incêndios e evitar tragédias corre o risco de ver a sua própria sede desmoronar. As imagens enviadas ao Blog do Barreto mostram uma situação mais do que precária. Acima temos um teto sendo destelhado pela ação do tempo.

bombeiros-2bombeiros

Os problemas vão além. O prédio do órgão, que anualmente interdita o Nogueirão (com razão, diga-se) por falta de segurança, está tomado por rachaduras que compromete a segurança dos profissionais.

Mas não para por aí. A fornecedora da alimentação já avisou que hoje seria o último dia que enviaria comida aos bombeiros. Sem contar que a ambulância está quebrada e a Internet está cortada impossibilitando a emissão do “Habite-se”. A expectativa é de que esse último transtorno seja solucionado ainda hoje.

 

 

Compartilhe:

Viaturas da Guarda Municipal e Fiscalização de Trânsito estão sem circular por falta de combustível

getran

Quem precisar dos serviços da Guarda Municipal e Departamento de Fiscalização de Trânsito pode começar a esquecer de contar com os serviços.

As viaturas estão paradas nos pátios por falta de combustível. A informação foi confirmada ao Blog do Barreto pelos dois órgãos.

A versão oficial é que o combustível está chegando para abastecer os carros.

Compartilhe:

Rombo na Prefeitura é de R$ 150 milhões e Francisco Carlos cobra explicações

francisco-carlos-classifica-como-insatisfatorios-dados-apresentados-pelo-municipio

O vereador Professor Francisco Carlos (PP) considerou insatisfatórios os dados apresentados pela Prefeitura, na audiência pública que debateu o projeto da Lei Orçamentária Anual (LOA) 2017, nesta quarta-feira, 26, na Câmara Municipal. O parlamentar alerta, especialmente, para as explicações sobre queda na receita do Município neste ano, na ordem de R$ 150 milhões.

“Informou-se uma frustração de receita da ordem de 150 milhões em 2016, no entanto, solicitei que fosse informada a composição desse valor por fonte de receita, mas disseram não ter essa informação disponível no momento. Ou seja, foi apresentado apenas um número vazio, sem apontar como se chegou a esse valor”, questionou.

Francisco Carlos acredita que a maior parte desse valor é proveniente de verbas de convênios previstos, mas que não se concretizaram, descaracterizando o termo frustração de receitas, utilizado na apresentação.

“Isso não se configura propriamente como frustração de receita, porque é apenas uma expectativa. Se os convênios não saem, isso não deve comprometer o funcionamento da máquina”, explica.

A LOA é a lei que estima as receitas que serão arrecadadas no exercício seguinte e autoriza a realização das despesas decorrentes do plano de governo. O projeto está tramitando na Câmara Municipal e será votado até o dia 30 de novembro deste ano.

Compartilhe:

Crise no RN não é de Governo, mas de Estado

crise

O Governo Robinson Faria (PSD) é ruim? É. Péssimo, diga-se. Pior que o de Rosalba Ciarlini (PP) que por sua vez foi pior que o de Wilma de Faria (PSB) que foi pior que o de Garibaldi Filho (PMDB) que só foi melhor que o de José Agripino (DEM) porque teve a privatização da COSERN e contou com a primeira experiência de estabilização monetária (Plano Real).

Então não se trata de problema de gestão? Trata-se sim. O Rio Grande do Norte faz tempo que não conta com um governador visionário. O último foi Cortez Pereira lá nos anos 1970. Foi tão bom governador que a elite política do Estado logo articulou a cassação dos direitos políticos dele assim que deixou o cargo.

São anos de butim nos cofres públicos do Rio Grande do Norte. O resultado é a crise de Estado. Até aqui o povo tem sido sacrificado com péssimos serviços, os servidores estaduais sofrem com os atrasos salariais e os poderosos lutam para manter os privilégios.

Está faltando Ministério Público, Tribunal de Contas, Assembleia Legislativa e Judiciário fazerem a parte deles. Ir para o sacrifício também. Primeiro cortando seus privilégios para colaborar com uma redução nos repasses para tirar o executivo do sufoco. Seria um gesto cívico abrir mão de benesses como auxílio paletó, verbas indenizatórias, auxílio moradia e outras excrecências tão comuns nos círculos dos barões estatais.

A crise é de Estado. É crônica. O desmantelo é geral. A classe política até aqui está omissa, acovardada dentro do próprio umbigo, num mundo à parte.

Pobre RN!

Compartilhe: