Motorista de empresário revela que levou dinheiro para assessor de Henrique

whatsapp-image-2018-05-17-at-13.04.29

Texto e Foto: Ediana Miralha

G1 RN

motorista do empresário Fred Queiroz disse, nesta quinta-feira (17), em depoimento à Justiça Federal do Rio Grande do Norte que transportou quantias em dinheiro, às vésperas do segundo turno das eleições de 2014, e entregou a um assessor do ex-ministro Henrique Alves. Na época, Alves era candidato ao Governo do Estado. Seis testemunhas de defesa prestaram depoimento na sede da JF.

O motorista depôs como testemunha de defesa de Fred. O empresário e Henrique Eduardo Alves são réus na Operação Manus, que investiga se houve pagamento de propina na construção da Arena das Dunas, em Natal.

As testemunhas foram ouvidas a portas fechadas. A Justiça permitiu apenas o registro de fotos da audiência. O processo que tramita na 14ª vara da Justiça Federal, na capital potiguar, apura indícios de crimes de corrupção e lavagem de dinheiro envolvendo obras como a construção da Arena das Dunas.

Oa depoimentos seguem até a sexta-feira da semana que vem. A expectativa é ouvir 25 testemunhas arroladas pelas defesas dos réus nesse período. O presidente Michel Temer, o presidente do Senado, Eunício Oliveira, e o ministro de Minas e Energia, Moreira Franco, também vão prestar depoimento, só que por escrito.

Entre os réus no processo, estão o ex-deputado federal Eduardo Cunha e o ex-deputado federal e ex-ministro do Turismo Henrique Alves, que cumpre atualmente prisão domiciliar. A defesa dele contesta as acusações.

Compartilhe:

Henrique Alves e a interferência exagerada dos juízes no processo político

o-ex-ministro-henrique-eduardo-alves-foi-preso-nesta-terca-feira-6-pela-policia-federal-1496750750289_615x300

Confesso que me causou estranheza a informação quando entrevistava o edvogado Erick Pereira no Meio-Dia Mossoró (95 FM) e ouvi dele a informação de que o ex-presidente da Câmara dos Deputados Henrique Alves (MDB) estaria sendo enviado para a prisão domiciliar tendo uma das condições se abster do processo político.

O único efeito prático dessa decisão será Henrique Alves não ser candidato. Esse seria o descumprimento do acordo mais visível ao cidadão comum.

A condição beira a ingenuidade tendo em vista que Henrique Alves é reconhecido como um hábil articulador e um ator político influente. Lógico que sua condição atual lhe torna bem menos forte, mas achar que Henrique não discutirá estratégias políticas nas visitas que receberá beira o ridículo.

Talvez a condição de Henrique o impedisse naturalmente de ser candidato ou se candidato fosse caberia ao povo decidir.

Mas só existem duas formas de excluir um ator político de um processo eleitoral: 1) as condições de elegibilidade (Henrique não está inelegível por incrível que pareça); 2) a convenção partidária, ocasião em que os nomes podem ou não serem indicados para as eleições.

Ainda existe uma terceira forma, mas essa já é resultado do processo eleitoral: a decisão do eleitor.

A decisão do juiz eleitoral Eduardo Guimarães de arrancar de Henrique Alves o compromisso de se abster do pleito eleitoral ultrapassa todos os limites da ditadura do judiciário que vai se instalando no país.

A interferência do magistrado torna artificial uma decisão que naturalmente aconteceria em virtude da condição de político preso ostentada por Henrique Alves.

Compartilhe:

Para deixar prisão Henrique precisou se comprometer com a Justiça a não disputar eleições

Ex-Ministro-Henrique-Alves-na-Academia-de-policia-militar-33-750x497

Agora RN

O advogado Esequias Pegado Cortez, que atua na defesa do ex-ministro Henrique Eduardo Alves (PMDB), afirmou nesta sexta-feira, 4, que o peemedebista chorou e ficou “muito emocionado” ao ser informado da decisão judicial que autorizou sua saída da prisão. Preso preventivamente há dez meses, Henrique conseguiu um habeas corpus no Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) e passará a cumprir prisão domiciliar.

Segundo Esequias, além de ter chorado com a notícia de que seria libertado, Henrique Alves reafirmou que “vai cumprir todo o seu compromisso com a Justiça, inclusive que não será candidato”.

“Ele deixou a política. Não será mais candidato. É uma decisão definitiva. Ele assumiu este compromisso diante do juiz Eduardo Guimarães [titular da 14ª Vara Federal do Rio Grande do Norte]”, revelou o advogado.

Henrique, que foi deputado federal durante onze mandatos consecutivos (1971-2015) e ministro do Turismo nos governos de Dilma Rousseff e Michel Temer, está detido na Academia de Polícia Militar, em Natal, desde 6 de junho do ano passado. Ele foi preso por força de dois mandados – um expedido pela Justiça Federal do RN e outro pela de Brasília.

O primeiro mandado, relativo à operação Manus, que investiga desvios durante a construção da Arena das Dunas, foi trocado pelo recolhimento domiciliar em fevereiro. Henrique continua detido, porém, por causa do mandado expedido em Brasília, que foi revogado nesta quinta-feira, 3, pelo desembargador Ney Bello, do TRF-1. Neste último caso, o processo é no âmbito da operação Sépsis, que apura supostas fraudes ocorridas na Caixa Econômica Federal.

Henrique deverá deixar a Academia de Polícia Militar e ir para sua residência, em Petrópolis, na zona Leste de Natal, ainda hoje. A defesa aguarda que a Polícia Federal seja notificada do alvará de soltura expedido pela Justiça de Brasília, que, por sua vez, recebeu do TRF-1 a ordem para liberar o peemedebista.

Compartilhe:

Garibaldi não passou mal por acaso ao saber da mudança de status da prisão de Henrique

Garibaldi_HenriqueAlves

O ex-ministro e ex-presidente da Câmara dos Deputados Henrique Alves (MDB) deve ser libertado nas próximas horas. Na verdade, ele vai para uma prisão domiciliar em seu confortável apartamento em Natal.

Poderá receber algumas visitas cujo perfil será orientado em um despacho do juiz federal Eduardo Guimarães.

Conforme noticiou a jornalista Thaísa Galvão, o senador Garibaldi Filho (MDB), primo de Henrique, passou mal ao tomar conhecimento da decisão.

A emoção foi grande. Primeiramente pela motivação afetiva. Henrique e Garibaldi são o que a gente costuma chamar de “primos-irmãos”.

Mas politicamente eles são uma única entidade política. Henrique é o articulador e arrecadador dos recursos de campanha. Garibaldi o líder carismático e populista.

Sem Henrique, o MDB potiguar estava definhando a ponto de perder para o PSDB um de seus parceiros mais sólidos: o deputado estadual Gustavo Fernandes, filho do ex-deputado Elias Fernandes, nome ligadíssimo a Henrique.

Henrique estará em casa. Muito provavelmente não poderá receber visitas de ordem política, mas a relação afetiva com Garibaldi não levará um magistrado a impedir as visitações do senador ao primo. Isso fará uma grande diferença para Garibaldi, mas também afetará o jogo político. Henrique é muito mais criativo na formatação de alianças (o próprio Garibaldi reconhece isso) e terá mais mobilidade para entrar nas discussões.

Garibaldi teve uma dupla alegria: a afetiva e a política. Henrique estará mais próximo. Isso faz toda diferença.

Compartilhe:

Henrique deixará prisão amanhã

Thaísa Galvão

O juiz da 10a Vara Federal, em Brasília, mandou soltar o ex-deputado Henrique Alves, preso há quase 11 meses em Natal.

Como o juiz Eduardo Guimarães, da Justiça Federal no Rio Grande do Norte, havia concedido prisão domiciliar, então Henrique terá que cumprir a prisão em casa.

Solto, porém em casa, já que cumpria dois mandados de prisão.

Henrique deve ir para casa amanhã.

Compartilhe:

RN tem mais um nome entre a Câmara dos Deputados e a cadeia

João Maia

O ex-deputado federal João Maia (PR) é pule de dez para voltar à Câmara dos Deputados. Nos últimos quatro anos ele deixou a irmã Zenaide Maia (PR) de preposta após tentar, sem sucesso, ser vice-governador na chapa derrotada encabeçada pelo hoje presidiário Henrique Alves (MDB).

Agora João Maia vê o cerco se fechar contra ele nas delações da Operação Via Ápia que apontam para o recebimento de R$ 1,2 milhão em propinas em troca da influência política para que empresas realizassem obras na BR 101.

Quem abre a boca é o sobrinho dele, Gledson Maia, que dirigiu o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (DNIT) até ser pego em flagrante recebendo propina em 2010. Obviamente ele fora indicado pelo tio a época deputado.

João Maia não é réu no processo, pelo menos por enquanto. Ele, logicamente, nega.

Como o parceiro de chapa Henrique Alves, reforça o time dos que estão entre a cadeia e Câmara dos Deputado.

Compartilhe:

Henrique Alves em prisão domiciliar é um alívio para Garibaldi

Garibaldi_HenriqueAlves

O senador Garibaldi Alves Filho e o primo Henrique Alves são a mesma entidade política. O primeiro é o carismático e puxador de votos. O segundo complementa a entidade com um poder de articulação raríssimo na fauna política. Um não vive sem o outro.

Em recente entrevista ao programa Conversa de Alpendre (TCM), Garibadi admitiu essa assertiva que este operário da informação vem fazendo há vários anos: o senador depende do primo na articulação política.

O senador Garibaldi estava amuado, incomodado com a missão de ter que pedir votos para ele e o filho Walter Alves ao mesmo tempo em que tinha de tocar a articulação política. Com a possibilidade real de Henrique migrar para uma prisão domiciliar o quadro muda totalmente.

Mesmo com todas as limitações, o ex-presidente da Câmara dos Deputados poderá receber políticos em casa e fazer articulação sem as amarras como a falta de privacidade que teria em um quartel da Polícia Militar.

Quem conhece os meandros da política potiguar sabe do peso da inclusão de Henrique Alves nas discussões política.

Quem ganha com isso é Garibaldi e o clã Alves.

Compartilhe:

RN pode eleger deputado federal um candidato preso

Contradição
Nem sempre a prisão impede um político de seguir em frente numa eleição

Parece brincadeira, mas as brechas da vida permitem que alguém que esteja preso possa ser eleito. Isso aconteceu em duas cidades nas eleições de 2016.

Em Catolé do Rocha (PB), Bira Rocha, foi eleito vereador. Em Ibatiba (ES), Beto da Saúde não foi só eleito para o parlamento municipal como conseguiu ser o mais votado. Por que o Rio Grande do Norte estaria fora disso?

E não está. Informações de bastidores dão conta de que o ex-presidente da Câmara dos Deputados Henrique Alves estaria disposto a ser candidato a deputado federal mesmo de dentro do xilindró.

Ele preenche os critérios para entrar na disputa porque não está condenado nem mesmo em primeira instância. Para todos os efeitos é “ficha limpa” mesmo estando preso desde o dia 6 de junho na operação “Manus”, desdobramento da Lava Jato.

Henrique Alves mesmo preso conseguiu articular ocultação de bens e fraudes em licitações segundo os investigadores da operação “Lavat”.

Se isso foi possível, imagine disputar um cargo eletivo de dentro da cadeia? Henrique tem bases consolidadas e aparentemente intactas. O ex-deputado tem capacidade de articulação e precisa de foro privilegiado.

Henrique Alves 1998
Em 1998, o povo “falou” por ele. Em 2018, vai “soltar”?

Vale lembrar que em 1998 Henrique Alves viveu um momento dramático em sua vida pessoal que respingou na política. Estava com um câncer na garganta e impedido de fazer discursos e gravar vídeos para o horário eleitoral gratuito. Durante a maior parte da campanha ele esteve nos EUA fazendo tratamento e só esteve presente em um comício.

Com o slogan “O povo fala por ele”, Henrique obteve 163,572 (15.73%) se tornando proporcionalmente o deputado federal mais votado do Brasil em 1998.

Eleito, Henrique passaria a contar com foro privilegiado e num cenário ideal (para ele) poderia ser solto por algum ministro do Supremo Tribunal Federal (STF).

Ironia: já pensou em 2018, 20 anos depois, ele usando o slogan “O povo solta ele”?

Compartilhe: