Categorias
Sem categoria

A estratégia que alavancou Paulinho e os principais nomes da oposição em Mossoró não conseguem aplicar

O agregador de pesquisas da CNN Brasil é curto e grosso ao evidenciar o quanto a estratégia e a pré-campanha a prefeito de Natal de Paulinho Freire (União) estão sendo bem conduzidas.

Em dezembro, quando não tinha uma base eleitoral clara, Paulinho tinha de 5% nas intenções de voto. Ele focou no eleitorado bolsonarista, contou com a desistência do colega de Câmara General Girão (PL), e ganhou um impulso, para em abril, encostar em Natália Bonvides (PT) e ultrapassar ela após ganhar o apoio do prefeito Álvaro Dias (Republicanos).

Paulinho ostenta 18% de intenção de votos no agregador da CNN e está consolidado no segundo lugar. Ele foi claro na estratégia de mandar recados ao eleitor bolsonarista e ganhou um “up” com a aliança com Álvaro.

Os resultados de Paulinho deveriam servir de exemplo para a oposição em Mossoró. Os dois principais candidatos têm um público ávido por uma mensagem que pode ser capaz de impulsionar os pré-candidatos e tirar votos do favoritaço Allyson Bezerra (União), prefeito candidato a reeleição.

Genivan tem no eleitor bolsonarista um público em potencial. Ser do PL e ter um passado antivax (ainda que tenha se vacinado) como defensor de remédios de verme para tratamento da covid não são suficientes.

Genivan tem falado em diálogo em seus vídeos. Tudo que bolsonarista mais repudia é diálogo. O ex-vereador tem tentado ser um bolsonarista herbívoro diante de um eleitor em potencial que gosta de sangue na política (fake news, preconceitos e baixarias).

Agregador da CNN mostra crescimento de Paulinho

Assim, esse eleitor que avalia positivamente a gestão do prefeito vai escolher que as coisas fiquem como estão.

O caso do presidente da Câmara Municipal Lawrence Amorim (PSDB) é mais complexo. Ele é um centrista que deixou as convicções democráticas de lado ao declarar voto em Jair Bolsonaro (PL) no segundo turno presidencial em 2022. Agora precisa do eleitor de esquerda para ser impulsionado.

Lawrence não tem perfil bolsonarista. Não disse ou escreveu barbaridades e justificou o voto com um discurso municipalista.

Mas a falta de acenos ao campo progressista faz com que ele se mantenha distante de um eleitor exigente que não tem dificuldades em seguir votando em Allyson, como fez em 2020 com o objetivo de “deseleger” a então prefeita Rosalba Ciarlini (PP).

Por enquanto, Allyson passeia rumo a reeleição com 62 pontos de vantagem sobre Genivan. O candidato do PL e Lawrence sequer chegaram a dois dígitos de intenção de voto na primeira pesquisa (Instituto Seta) após as desistências da ex-governadora Rosalba Ciarlini e da deputada estadual Isolda Dantas (PT).

Sem a mensagem ao público-alvo os bolsonaristas e os progressistas não vão impulsionar um crescimento da oposição. Sem mensagem adequada, o eleitor vai deixar tudo como está para ver como é que fica.

Categorias
Matéria

Lawrence encaminha apoio de mais um partido e afirma que Allyson está desmantelando nominata do PSDB

Em entrevista ao programa Observador Político (FM 93.7/Nossa TV), hoje (18), Lawrence Amorim (PSDB) revelou “diálogo muito bom com o MDB (Movimento Democrático Brasileiro)”. Com isso, indicou que a legenda também deve compor a frente ampla de oposição, que apoia a pré-candidatura dele a prefeito de Mossoró.

Liderado no Estado pelo vice-governador Walter Alves, o MDB pode ser o sétimo partido a declarar apoio a Lawrence para as eleições de 6 de outubro.

O pré-candidato lembrou que já são seis partidos na aliança: Federação PSDB/Cidadania, Federação PT/PV/PCdoB e PSB. E afirmou que continua dialogando para ampliar ainda mais a coligação majoritária.

“Temos conversado com outros partidos (além do MDB), como Avante, Republicanos, Progressistas, aceitando a particularidade de cada um, respeitando as pré-candidaturas já postas, discutindo não apenas a formação do palanque eleitoral, mas a construção coletiva de um plano de governo”, disse.

Proporcional

Questionado se há trabalho do grupo do prefeito Allyson Bezerra (União Brasil) para enfraquecer a nominata do PSDB à Câmara, Lawrence confirmou a ofensiva: “Existe. Há diversos relatos para desistir, desmanchar (a chapa), não somente agora, mas de quando ainda estávamos no mesmo grupo político, e aumentou”.

Ele disse ter “muito orgulho daqueles que conseguem resistir a tudo isso e conseguem continuar caminhando na nossa federação, com o sonho de disputar uma eleição e defender suas ideias na Câmara”.

Segundo o pré-candidato, todos têm direito e devem ter a oportunidade de ser candidatos, “sobrevivendo a todos esses ataques e a essas ofertas mirabolantes.  Não só contra a nominata do PSDB, mas contra várias nominatas”.

Lawrence acrescentou que, “pela primeira vez na história de Mossoró, como gostam de dizer, só pode existir a nominata, a do lado da situação. A que não for do lado (do governo), vai ser atacada, vai ser destruída. E isso é inaceitável”.

Categorias
Matéria

Lula e Allyson são aprovados em Mossoró. Fátima é desaprovada, aponta pesquisa

A pesquisa Seta divulgada pelo Blog do BG trouxe números acerca das avaliações de governo nas três esferas de poder dentro dos limites de Mossoró.

O presidente Lula (PT) é aprovado por 48% dos eleitores e desaprovado por outros 38%. Já o prefeito Allyson Bezerra (União) 69% de aprovação contra 7% de desaprovação.

Por outro lado, a governadora Fátima Bezerra (PT) é desaprovara por 58% dos eleitores e aprovada por 27%.

Confira os números:

A pesquisa foi realizada nos dias 13 e 14 de julho, ouvindo 700 eleitores. A margem de erro de 3,5 pontos percentuais para mais ou para menos. O levantamento está registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o protocolo RN-01064/2024.

Categorias
Matéria

Mesmo sem ser candidato, Pablo Aires é o mais citado em pesquisa para vereador. Confira a lista de mais citados em Mossoró

O vereador Pablo Aires (PV), que já anunciou que não disputará a reeleição, foi o mais citado na pesquisa Seta realizada em parceria com o Blog do BG. O pevista vai apoiar a gestora ambiental Plúvia Oliveira (PT).

Depois dele aparece a vereadora Marleide Cunha (PT), seguida por Vladimir Cabelo de Nego (PSD), Wellington da Saúde e Lucas das Malhas (União).

Confira os números:

A pesquisa foi realizada nos dias 13 e 14 de julho, ouvindo 700 eleitores. A margem de erro de 3,5 pontos percentuais para mais ou para menos. O levantamento está registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o protocolo RN-01064/2024.

 

Categorias
Foro de Moscow

Foro de Moscow 18 jul 2024 – Seta: Allyson lidera e Genivan é o segundo

Categorias
Sem categoria

Na primeira pesquisa sem Isolda e Rosalba, Allyson tem 61 pontos percentuais de vantagem e Genivan assume segundo lugar

A pesquisa Seta divulgada em parceria com o Blog do BG trouxe os primeiros números da disputa pela Prefeitura de Mossoró em um cenário sem as presenças da ex-governadora Rosalba Ciarlini (PP) e da deputada estadual Isolda Dantas (PT).

O prefeito Allyson Bezerra (União) segue em marcha para a reeleição com 61,2 pontos percentuais de vantagem sobre o ex-vereador Genivan Vale (PL), que passou a ocupar o segundo lugar, com 6,1%.

Allyson ostenta 67,3% de intenção de voto.

O presidente da Câmara Municipal Lawrence Amorim (PSDB) está em terceiro com 4,3% seguido pelo vereadores Zé Peixeiro (Republicanos) com 2,3% e Tony Fernandes com 2,3% (Avante). O estudante Victor Hugo com 0,4% completa a lista. Já 8,4% votariam branco ou nulo e 6,6% não respondeu.

A ex-vereadora Irmã Ceição (PRTB) não foi inclusa na lista de pré-candidatos.

Na pesquisa espontânea Allyson tem 58,1%, seguido por Lawrence com 1,7%, Genivan com 1,6%, Rosalba e Victor Hugo com 0,4% e Tony e Zé Peixeiro 0,1%. Já 37,4% não responderam.

Rejeição

O vereador Zé Peixeiro é o líder no item rejeitação com 21%, seguido por Genivan com 7,6% e Lawrence com 6,6%. Allysson tem 5,3%, Tony Fernandes 1,9%, Victor Hugo 1,7%, Irmã Ceição 0,9%. Já 29,7% não sabe e 25,4% branco ou nulo.

 

A pesquisa foi realizada nos dias 13 e 14 de julho, ouvindo 700 eleitores. A margem de erro de 3,5 pontos percentuais para mais ou para menos. O levantamento está registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o protocolo RN-01064/2024.

Categorias
Artigo

Planos de Allyson podem levar Mossoró a votar em um prefeito e “eleger” outro

O prefeito de Mossoró Allyson Bezerra (União) tem uma rota traçada em seu caminho político: ser reeleito com uma votação consagradora este ano e no início de 2026 renunciar ao cargo para se candidatar ao Governo do Estado.

Tudo trabalhado com régua e compasso sob as bençãos oligárquicas do ex-senador José Agripino, presidente estadual do União Brasil.

Aí que surge um dilema que a oposição amadoramente abre mão de explorar: Mossoró corre o risco de votar em Allyson para prefeito e, na verdade, eleger um desconhecido para governar a cidade por quase três anos.

Sim, a tendência é que Allyson puxe um nome de sua “cozinha”, que possa controlar até chegar ao Governo em 2026. Os cotados são anônimos, sem qualquer relação de confiança com o eleitorado.

Em São Paulo em 2012, Fernando Haddad (PT) soube explorar o fato de José Serra (PSDB) ter abdicado ao cargo de prefeito da capital paulista em 2004 para se eleger governador em 2006 e ao enfrentá-lo conseguir conter o favoritismo tucano e ser vitorioso.

O exemplo está aí: a oposição acuada com a popularidade do prefeito nem brios para fazer o enfrentamento demonstra possuir.

O fato é: Allyson tem planos claros e 2024 na sua cabeça é só um trampolim para 2026. Mossoró pode viver o maior estelionato eleitoral de sua história.

 

Categorias
Análise

Lawrence vacila nos acenos à esquerda e o risco de repetir Carlos Eduardo

O presidente da Câmara Municipal de Mossoró Lawrence Amorim (PSDB) ainda não fez os acenos necessários ao eleitor de esquerda, que anda amuado com a decisão do PT de apoiar o tucano nas eleições para prefeito da segunda maior cidade do RN.

Lawrence já perdeu a primeira oportunidade que seria tomar a frente da audiência pública que fará a reparação histórica pela moção de apoio ao Golpe Militar aprovada pela casa em 1964.

Ele deixou que a vereadora Marleide Cunha (PT) tomasse a frente.

Resta a Lawrence fazer um mea culpa pelo apoio dado à reeleição do então presidente Jair Bolsonaro (PL) em 2022.

Até aqui o silêncio reina e Lawrence perde tempo na oportunidade de ter no eleitor de esquerda um impulso para alavancar sua campanha.

O titubeio lembra Carlos Eduardo Alves (na época no PDT, hoje no PSD) na disputa pelo Senado em 2022. Líder nas pesquisas ele apostou que o eleitor de esquerda viria por “osmose”, o que não aconteceu.

O então deputado federal Rafael Motta (na época no PSB, atualmente no Avante) fez os acenos à esquerda, tirou votos de Carlos e isso garantiu a eleição do azarão Rogério Marinho (PL) ao Senado.

Lawrence sequer goza do favoritismo de Carlos Eduardo, pelo contrário está mais de 60 pontos percentuais atrás do prefeito Allyson Bezerra (União), favoritaço a reeleição.

Ainda assim subestima o eleitor de esquerda.

 

Categorias
Matéria

PSB define apoio a prefeito de Mossoró nesta quarta-feira

O diretório municipal do Partido Socialista Brasileiro (PSB) de Mossoró se reúne nesta quarta-feira, 03, para anunciar apoio à pré-candidatura a prefeito de Mossoró.

Segundo a presidente da sigla no Estado, a ex-deputada Larissa Rosado, os membros do partido têm conversado sobre o melhor caminho para Mossoró. “Nós já tivemos algumas conversas e ouvimos o desejo das pessoas. Nossa prioridade é Mossoró, e o que é melhor para o desenvolvimento real das famílias”, ressalta.

O PSB defende a representatidade, a liberdade, a saúde pública, o ensino gratuito, o desenvolvimento social.

No município, apresentaram-se como pré-canditatos à Prefeitura, o presidente da Câmara Municipal, Lawrence Amorim (PSDB), Genivan Vale(PL) e o atual prefeito, Allyson Bezerra (União).

De 20 de julho a 5 de agosto, os partidos e federações poderão realizar convenções partidárias para deliberar sobre coligações e escolher candidatas e candidatos aos cargos de prefeito, vice-prefeito e vereador. Após a definição das candidaturas, as agremiações têm até 15 de agosto para registrar os nomes na Justiça Eleitoral.

Categorias
Matéria

UP define chapa para prefeito de Mossoró

Em plenária municipal realizada na noite de ontem (1/07) a Unidade Popular pelo Socialismo (UP) definiu que terá candidatura própria nas eleições de Mossoró. O partido deliberou os nomes do estudante da Ufersa e tatuador Víctor Hugo Sousa e Renan Marrocos, que é aluno de RTVI na UERN e coordenador-geral do DCE da instituição, como pré-candidatos a prefeito e vice respectivamente.

Durante a plenária os militantes da UP debateram as pautas que comporão o programa do partido nas eleições e os desafios dos trabalhadores e trabalhadoras diante de um processo eleitoral hegemonizado pelas “mega-candidaturas”.

 “Estamos nos apresentando em um cenário em que os trabalhadores e trabalhadoras, que são a imensa maioria dos eleitores em Mossoró, estavam sem representação, sem uma candidatura realmente advinda das camadas populares. Esse é o primeiro processo eleitoral da UP na cidade e temos a certeza que é uma oportunidade ímpar para dialogar com as pessoas e mostrar que elas têm uma alternativa e que o novo sempre virá!” destacou o pré-candidato à prefeitura Víctor Hugo Sousa.

 A luta em defesa de reais e concretas mudanças na vida da juventude mossoroense também foi um dos pontos centrais de debate pelos militantes da UP durante a plenária de ontem.

 “A juventude preta dessa cidade nunca foi colocada no centro do debate em Mossoró. Enquanto isso, muitos jovens seguem diariamente sendo reprimidos pela polícia, por uma violenta guarda municipal e também pela total falta de oportunidades e esperança em um futuro melhor. Nessas eleições temos a chance de mostrar aos poderosos de que haverá resistência contra os ataques e retrocessos. Seremos nós por nós! Os pretos pelos pretos! Os pobres pelos pobres e o povo pelo povo!” destacou o pré-candidato a vice-prefeito Renan Marrocos.

Diretório Municipal – Durante a plenária também foi definido o primeiro Diretório Municipal da Unidade Popular em Mossoró.

 Por aclamação, foi escolhido o nome da estudante de serviço social Bruna Fernandes como presidenta da legenda, tendo como vice o jornalista Cláudio Palheta. Para o Secretariado Geral foi definida a professora e cientista social Natalia Melo, para a tesouraria o professor e historiador Moises Ribeiro, na pasta de mulheres foi escolhida a estudante de psicologia Rebeca Canário. Victor Hugo e Renan Marrocos foram escolhidos respectivamente como diretores de juventude e de diversidade étnico-racial.