Categorias
Análise

Apoio a Allyson escancara lulismo de ocasião de Rafael Motta

Nas eleições de 2022, aproveitando-se do titubeio de Carlos Eduardo Alves, então no PDT, em colar imagem em Lula, o então deputado federal Rafael Motta (PSB) posou de candidato do líder petista.

Durante todo processo eleitoral era “L” para cá, “L” para lá. Resulta: os votos da base lulista se dividiram e Rogério Marinho (PL) amarrado no um terço de eleitores bolsonaristas no Estado somados ao apoio de um exército de prefeitos conseguiu vencer a eleição para o Senado.

Passados quase dois anos, Rafael Motta decepciona quem acreditou no lulismo daquela eleição.

Motta hoje é secretário municipal de esportes em Natal e luta para ser candidato a prefeito da capital com apoio de Álvaro Dias (Republicanos) que por anos vem brigando com o PT e adotou uma postura negacionista durante a pandemia de covid-19.

Esta semana, Rafael Motta anunciou que o PSB caminhará ao lado de Allyson Bezerra (União) em Mossoró nas eleições deste ano. Escolheu um prefeito, que como Álvaro, bate de frente com os servidores municipais, sobretudo com os professores, categoria que sempre tem muito carinho na base progressista.

Rafael, definitivamente se afastou da base de Lula. O lulismo foi apenas conveniência eleitoral. Rogério Marinho agradece.

 

Categorias
Análise

Fátima apoiar Rosalba em Mossoró é abraçar o rótulo de salva vidas de oligarcas

O domingo que passou teve o registro da ex-governadora Rosalba Ciarlini acompanhando a governadora Fátima Bezerra (PT) ao lado do ministro da justiça Ricardo Lewandowski.

As fotos levantaram as especulações de um entendimento entre Rosalba e o PT. Uma mistura política com status de água e óleo, diga-se de passagem.

Em 2018, a então senadora Fátima quis o apoio da então prefeita Rosalba. Este operário da informação alertou que a tríplice disputa envolvendo a petista, o então governador Robinson Faria e o de ex-prefeito de Natal Carlos Eduardo Alves era o caminho errado.

O eleitorado majoritário em Mossoró era o antirrosalbista. Carlos Eduardo ficou com o apoio de Rosalba, inclusive com o filho dela de vice, e Fátima venceu na capital do Oeste nos dois turnos.

Após a derrota em 2020, Rosalba amargou um ostracismo político e só na reta final de 2022, quando já estava bem claro que Fátima venceria fácil em Mossoró, ela declarou apoio na petista. A manifestação teve influência irrelevante no resultado eleitoral.

Hoje é Rosalba quem precisa de Fátima e do PT. Não o contrário. Quando Fátima precisou, Rosalba lhe deu as costas. Não faz sentido político nenhum essa aliança para a esquerda mossoroense.

Se Fátima, que escolheu Walter Alves (MDB) como vice em 2022, decidir marchar com Rosalba em Mossoró, vai colocar na testa o rótulo de salva vidas de oligarcas.

Categorias
Análise

Sucessões de erros faz Álvaro Dias ficar sem candidato competitivo em Natal e perder o controle da sucessão

Enquanto a popularidade ia despencando na atual quadra histórica, o prefeito do Natal Álvaro Dias (Republicanos) agia como se ainda estivesse com mais de 60% de aprovação, o que lhe daria condições pinçar qualquer nome e tornar competitivo nas eleições da capital.

Um fato sintomático de que o prefeito da capital perdeu o controle da sucessão é que um atual desafeto de Álvaro, o senador Rogério Marinho (PL), convidou publicamente Álvaro para um entendimento em torno do deputado federal Paulinho Freire (União).

Paulinho, outro ex-aliado de Álvaro, seria o candidato natural do grupo do prefeito. Mas os dois se afastaram no ano passado.

Álvaro tentou inventar de todas as formas um sucessor que pudesse controlar. O nome escolhido foi o da secretária de planejamento Joana Guerra, uma figura desconhecida, que obviamente tem dado traço nas pesquisas.

Com pouco mais de 30% de aprovação nenhum estrategista político sério recomendaria a um prefeito apostar num “poste” com uma popularidade neste patamar. Álvaro insistiu no erro mesmo tendo ao seu lado um nome bem aceito, com bom trânsito no campo progressista e conhecido como o ex-deputado federal Rafael Motta (PSB).

Foi outro erro.

Álvaro age como se ainda fosse um prefeito popular. Brigou com Rogério, com Paulinho, teve uma tentativa frustrada de aproximação com o PT, está desperdiçando a chance de investir em Rafael Motta e segue numa estratégia fadada ao fracasso com Joana Guerra.

Uma sucessão de erros de um prefeito que está olhando para 2024 pensando em 2026 quando deseja disputar o Governo do Estado sem se tocar que está enfraquecido na própria capital do Estado.

Enquanto fazia apostas erradas, fortalecia ex-aliados. Paulinho se entendeu com Rogério e agora é terceiro colocado nas pesquisas. O senador já fez um chamado público para fumar o cachimbo da paz com o prefeito porque sabe que Álvaro já não controla a própria sucessão.

 

Categorias
Análise

Allyson muda postura com Lula no poder e passa omitir parcerias com Governo Federal

Começou a obra do Anel Viário que liga as BRs 110 e 304, um dos mais importantes empreendimentos de mobilidade urbana da história de Mossoró. Do ponto de vista político chama atenção o comportamento do prefeito Allyson Bezerra (União).

Se nos tempos de Jair Bolsonaro (PL) ele fazia questão de exaltar a parceria com o Governo Federal com Lula (PT) ele faz questão de omitir a parceria. Quem vê a divulgação nas redes de Allyson e nos canais oficiais do município pensa que a obra orçada em mais de R$ 67 milhões não conta com a parceria do Governo Federal através da Caixa Econômica e do Ministério das Cidades.

Por mais que se alegue que ele conseguiu orçar a obra ainda na gestão de Bolsonaro foi com Lula que o dinheiro saiu. Allyson nem pode dizer que a ideia é dele.

A ligação entre as BRs é um sonho antigo do povo de Mossoró e foi discutida em gestões anteriores, o que não tira o mérito do prefeito.

Feio mesmo é não citar o atual presidente como fazia com o antecessor, mas a obrigação legal de colocar a Caixa, o Governo Federal e o Ministério das Cidades na placa da obra está aí para evidenciar a picuinha.

Allyson sempre se perde com essa pequenez política.

 

Categorias
Análise

Fuga de detentos do presídio federal completa uma semana com baile de bandidos sobre forças de segurança

Hoje faz uma semana que Rogério da Silva Mendonça, o “Tatu”, 36, e Deibson Cabral Nascimento, o “Deisinho”, 34, fugiram do Presídio Federal de Mossoró através de um buraco aberto nas luminárias e ultrapassando as barreiras de segurança máxima sem serem “incomodados” pelos agentes penitenciários.

De lá para cá há registros confirmados de que eles estiveram em duas casas na Zona Rural de Mossoró onde fizeram moradores de reféns, pegaram mantimentos e celulares e seguem se deslocando em um raio de 15km.

São mais de 300 homens das forças de segurança com ajuda de helicópteros, drones, cães farejadores e todo um aparato tecnológico que não tem sido suficiente para achar dois bandidos maltrapilhos que sequer conhecem a geografia do lugar.

A dupla, que seria ligada ao Comando Vermelho, vem dando um baile nas forças de segurança há uma semana.

Categorias
Análise

Quem diria? Rosalba tenta colar no PT em busca de impulso político

No domingo, durante a visita do ministro da justiça Ricardo Lewandowski a Mossoró para acompanhar as buscar pelos fugitivos do presídio federal uma presença surpreendeu: a da ex-governadora Rosalba Ciarlini (PP).

Ausente do debate público nos últimos anos, Rosalba estava lá ao lado de um ministro do presidente Lula, da governadora Fátima Bezerra e da deputada estadual Isolda Dantas.

Rosalba estava colando no PT, um partido que sempre combateu e que sempre lhe fez oposição. O mais irônico é que por anos ela espalhou a teoria da conspiração de que a violência (hoje em declínio) aumentou em Mossoró por causa do presídio federal.

Nada sério foi publicado que sustentasse as afirmações de Rosalba. Era só cortina de fumaça para esconder a incompetência do próprio governo.

Após flertar com o bolsonarismo e insinuar na campanha de 2018 que o PT teria envolvimento com a facada desferida em Jair Bolsonaro no dia 6 de setembro daquele ano, Rosalba agora tenta retomar fôlego eleitoral colando no PT para tentar se viabilizar como principal adversária do prefeito Allyson Bezerra (União) nas eleições deste ano.

Rosalba tem uma tarefa ingrata ao escolher esse caminho. A afinidade com o PT é negativa. A resistência a seu nome no campo progressista é enorme e mesmo o desgaste de Allyson com esse segmento não gerou saudades da “Rosa”.

O passado de Rosalba condena. Mas ela vai tentar colar no PT para se alavancar, quem diria?

 

Categorias
Análise

Rogério Marinho abraça o golpismo de Bolsonaro

O senador Rogério Marinho (PL) abraçou de vez o golpismo do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) ao dobrar a aposta na defesa da narrativa de que tudo que foi revelado esta semana pela Operação Tempus Veritatis não tem nada demais e tentando levantar a suspeição do ministro Alexandre de Moraes.

Marinho na segunda-feira defendeu em entrevista ao Roda Viva uma anistia para os golpistas que depredaram prédios públicos em Brasília em 8 de janeiro do ano passado.

Com as revelações de detalhes da trama golpista, Rogério decidiu dobrar a oposta e seguir defendendo ainda mais Bolsonaro e traçando um caminho sem volta na sua biografia já manchando pela fama de quem advoga contra os direitos dos trabalhadores que agora ganha a companhia do golpismo.

Categorias
Análise

Com Lula no poder, Styvenson muda postura em relação a transparência em votos para ministros do STF

O senador Styvenson Valentim (PODE) foi eleito prometendo transparência absoluta ao longo do mandato, inclusive revelando os votos em eleições secretas.

Foi assim que fez nas escolhas de Nunes Marques e André Mendonça, nomes indicados pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) para Supremo Tribunal Federal (STF).

No primeiro caso votou contra. No segundo a favor.

No governo Lula da Silva (PT), o senador mudou a postura. Escolheu o mistério. Não revelou o voto nem na indicação de Cristiano Zanin nem na de Flávio Dino.

Uma mudança de comportamento que chama atenção.

Categorias
Análise

Não existe crise na direita de Natal

A crise na direita de Natal foi um dos assuntos que tomou conta das manchetes do noticiário da capital por causa da decisão do comunicador BG deixar o PSDB porque o partido decidiu dialogar com a deputada federal Natália Bonavides (PT).

BG deixou o PSDB porque não gostou de não ter sido consultado e vai se alinhar onde se sente mais à vontade, ou seja: com quem não dialoga com o PT.

Não há crise na direita por causa disso.

Não há direita aí. O que existe é o bolsonarismo, uma corrente de extrema-direita que orbita em torno do senador Rogério Marinho (PL) no Rio Grande do Norte.

Da famosa foto da direita, na verdade extrema-direita, o único que nunca orbitou no radicalismo político, o deputado federal Paulinho Freire (União), foi o único que se afastou do grupo. Agora ele está próximo do ex-prefeito Carlos Eduardo Alves (PSD), líder em todas as pesquisas.

O bolsonarismo não está brigado em Natal. Apenas um de seus integrantes deixou um partido de centro-direita. Ele retirou a pré-candidatura e deve seguir no mesmo campo político.

 

 

Categorias
Análise

Novo salário do prefeito de Mossoró é um tapa na cara dos professores e expõe um Allyson que se julga imune ao absurdo

Não. Não sou contra reajuste de salários de políticos. Combato toda e qualquer demagogia antipolítica que nos empurra para o acasalamento com a cadela do fascismo que está sempre no cio como escreveu um dia o dramaturgo Bertoldt Brecht.

Mas há uma medida nas coisas.

Mossoró é uma cidade de 264 mil habitantes e não há cabimento que o prefeito daqui receba um salário R$ 34.774,64. É maior que o da governadora Fátima Bezerra (PT) que atualmente R$ 21.914,76 para comandar os destinos de 3,5 milhões de potiguares.

Até concordo que o salário de Fátima é defasado, mas a desproporcionalidade é gritante. Allyson, que adora apontar o dedo para a governadora, não seguiu o exemplo de austeridade dela.

Até porque há poucos meses ele negou o reajuste do piso dos professores e encerrou a greve pela força da justiça enquanto Fátima atendeu a categoria.

Ano passado Fátima abdicou de aumentar o próprio salário.

Para se ter ideia do quanto será desproporcional o salário do prefeito de Mossoró a partir de 2025, o prefeito de São Paulo Ricardo Nunes (MDB) atualmente ganha R$ 35.462,00. A capital paulista é a mais populosa do país com 11,4 milhões de habitantes.

A desproporção do salário do prefeito com o tamanho de Mossoró é um tapa na cara nos professores que tiveram reajuste do piso negado sem direito a negociar e é uma demonstração que Allyson se julga imune ao absurdo.

Allyson dá a reeleição como certa e já planeja disputar o Governo do Estado em 2026, inclusive.

No parlamento

Os deputados estaduais vão ganhar R$ 34.774,64, o mesmo que o prefeito ganhará em 2025. Há aí uma lógica, um vereador de Mossoró vai receber R$17.387,32.

A proporcionalidade foi mantida.