Categorias
Sem categoria

Reportagem expõe como Lula interferiu na sucessão no RN para atrair MDB nacional

Reportagem do Estadão revelou os bastidores da formação da chapa Fátima Bezerra (PT)/Walter Alves (MDB) nas eleições deste ano no Rio Grande do Norte.

Como todos sabem teve influência do ex-presidente Lula.

O texto explica como e porque a vaga de vice de Fátima virou moeda de troca pelo apoio do MDB nacional que tem como pré-candidata a presidente da República a senadora Simone Tebet.

A aliança no RN atraiu o ex-senador Garibaldi Alves Filho, pai de Walter, para a defesa do apoio a Lula já no primeiro turno. Em janeiro, em entrevista ao Foro de Moscow, Garibaldi defendia a candidatura de Tebet.

Mas a chapa PT/MDB no RN mudou tudo. “Lula deu as bênçãos para o acordo em encontro com Fátima e Valter ontem, em Brasília. A articulação foi conduzida diretamente pelo ex-presidente e interlocutores petistas junto a Garibaldi, um dos maiores defensores do apoio do MDB a Lula já em primeiro turno. O Broadcast Político mostrou que ele é um dos líderes da ala emedebista contrária à candidatura da senadora Simone Tebet (MDB), concentrada majoritariamente na região Nordeste”, diz a reportagem.

O texto trouxe uma declaração de Garibaldi no início do mês em que já indicava que sairia do apoio de Tebet por causa da “conjuntura local”. “Estamos diante da possibilidade de não poder cerrar fileiras em torno do nome da senadora Simone, por quem temos grande admiração. A conjuntura local deverá nos levar a outra posição política”, explicou.

O gancho da reportagem é que Lula rifou o PC do B da vaga de vice e que o desejo da governadora Fátima Bezerra era manter Antenor Roberto na função. “Mas o simbolismo cedeu lugar ao pragmatismo de Lula e seu plano de angariar apoios de partidos de centro na tentativa de retornar ao Palácio do Planalto”, explica o jornalista Bruno Luiz, que assina o material.

 

Categorias
Matéria

Garibaldi confirma que discutiu chapa PT/MDB com Lula

Blog Daniela Freire

O ex-senador Garibaldi Alves confirmou ao Blog Daniela Freire, agora há pouco, que o cardápio servido a ele e ao seu filho presidente do MDB no RN, deputado Walter Alves, no jantar de ontem com Lula, na casa de Eunício Oliveira, em Brasília, foi a sucessão aqui do Estado. Ou seja, o encontro teve como prato principal a indicação de Walter Alves para a vaga de vice-governador na chapa de Fátima Bezerra.

“Estivemos com o presidente Lula , ontem , tratando da sucessão aí no RN”, disse ele.

A novidade contada por Garibaldi ao Blog foi que o anúncio da chapa, caso confirmada, deverá ser feito exclusivamente por Fátima Bezerra. “Estamos ainda conversando. Há um apelo para que concluído o processo só venha a ser anunciado aí pela Governadora. Mas está caminhando bem”, disse ele a esta jornalista.

Questionado se o MDB potiguar tem conversado com Lula sobre a desconfiança de parte do PT local com o MDB, devido ao temor de que, caso Walter assuma o Governo, vire as costas para o partido, Garibaldi afirmou que este assunto não entrou em pauta ainda. “Não está. Até porque iria perturbar os entendimentos”, disse ele.

O jantar na casa do presidente do MDB do Ceará e ex-presidente do Senado Eunício Oliveira causou uma enorme movimentação política em torno do presidenciável do PT. Com Eunício declarando nas suas redes sociais que Lula é o seu presidente, a impressão é de que o MDB do Nordeste está fechado com o ex-presidente, ignorando a possibilidade de o MDB ter pré-candidatura própria com Simone Tebet.

De acordo com o jornal O Globo, o apoio do MDB a Lula é defendido principalmente por caciques do Nordeste, que tentam colar no ex-presidente para colher frutos eleitorais. Dos 13 senadores da legenda, cinco estiveram com o petista em jantar oferecido por Eunício Oliveira, disse o jornal. “Há uma tendência natural de não irmos novamente para um suicídio político. Nós fomos de (Henrique) Meirelles em 2018 quando nós sabíamos que ele não tinha a menor condição eleitoral”, afirmou Eunício, lembrando da candidatura do ex-ministro da Fazenda de Michel Temer, que ficou em sétimo na disputa, com 1,2% dos votos.

Categorias
Sem categoria

MDB de Walter e Garibaldi mais longe de Fátima

O secretário chefe do gabinete civil Raimundo Alves ao defender a indicação do ex-prefeito de Natal Carlos Eduardo Alves (PDT) para ser o senador da governadora Fátima Bezerra (PT) praticamente descartou que o deputado federal Walter Alves (MDB) venha a ser o vice da petista.

Raimundo sinalizou o descarte ao falar que uma aliança não se resume a ocupação de espaços na chapa e que o deputado e o pai, o senador Garibaldi Alves Filho (MDB), poderiam indicar nomes para a equipe de governo ajudando na governabilidade.

Pois bem!

Garibaldi não gostou nada dessa ideia e declarou ao Blog do Dina (ver AQUI) que descarta aliança com o PT nos termos colocados pelo chefe do gabinete civil.

“O nome de Walter foi lembrado dentro do grupo situacionista para ser vice. Então, criou-se uma natural expectativa. Mas isso não se confirmou, sobretudo depois das declarações que Raimundo Alves lhe deu ontem”, frisou Garibaldi. “Não. Não estamos à procura de cargos, estamos à procura de uma afirmação na política do Rio Grande do Norte. De uma participação robusta, ou seja, na própria chapa”, complementou.

Garibaldi deixou claro que sem espaço na chapa não tem diálogo com o PT. Ser vice de Fátima é expectativa de ser governador com direito a reeleição daqui a quatro anos e os Alves não elegem um governador há 24 anos.

Logo em seguida os blogs do BG e Thaísa Galvão registraram uma aproximação entre PSDB e MDB em forma de reação a fala de Fátima.

Garibaldi admite conversar até com o bolsonarismo.

Categorias
Artigo

Quantos Alves cabem no projeto do PT para o RN ?

Por Rafael Duarte*

Na ressaca vitoriosa de 2018, após a eleição de Fátima Bezerra no 2º turno, o discurso majoritário dizia que o povo potiguar havia imposto uma derrota histórica às oligarquias no Rio Grande do Norte. De uma só vez, caíram Garibaldi Alves (MDB) e José Agripino Maia (DEM).

Rogério Marinho (PSDB), menos por representar uma família tradicional e mais pelo justo reconhecimento de “pai do desemprego no Brasil”, também naufragara. E embora tenha traçado um percurso político distante da família, Carlos Eduardo Alves (PDT) entrou na lista tanto pelo sobrenome como pela ousadia de usar Jair Bolsonaro como tábua de salvação no sprint final da campanha.

O problema é que, na política, não existe derrota nem vitória definitiva. E cá estão os Alves, mais uma vez, assumindo certo protagonismo nos debates sobre as chapas em formação para a disputa eleitoral de outubro. E com requintes de crueldade: podendo compor, desta vez, a chapa com o Partido dos Trabalhadores.

A dúvida que mais martela a cabeça de analistas políticos e da própria militância petista é se o comando do PT estaria disposto a “entregar” o Estado daqui a quatro anos aos Alves novamente só para “garantir” a vitória em 2022.

O questionamento tem uma razão de ser: o vice-governador de um eventual segundo mandato de Fátima é um potencial candidato ao Governo em 2026. A menos que se aposente da política, o natural é que a governadora, caso reeleita, renuncie em abril de 2026 para concorrer ao Senado. E com a caneta e a chave do cofre nas mãos, o vice assumiria o comando e governaria pelo menos até dezembro.

A vaga na chapa petista foi o cardápio principal de um jantar em Natal oferecido no final de agosto de 2021 e que contou com a presença de Garibaldi, Walter, Fátima e de um ilustre convidado: Luiz Inácio Lula da Silva que, ao que tudo indica, foi quem “esquentou” e serviu o prato a Walter Alves.

Não bastasse a insólita aliança com o MDB local, confirmada pelo chefe da Casa Civil Raimundo Alves, está em curso a costura de uma reaproximação entre o PT e Carlos Eduardo Alves. Perdido no xadrez político eleitoral, ora acenando para o Governo, ora para a Oposição, interessa ao ex-prefeito de Natal a vaga no Senado. Sem espaço e holofotes desde a derrota em outubro de 2018, Carlos voltaria à cena com oito anos de mandato e boas chances de viabilizar seu grande sonho: governar o Estado.

Em contrapartida, Fátima neutralizaria em tese parte da rejeição que o PT tem na capital e, de quebra, Ciro Gomes perderia o palanque no Rio Grande do Norte, onde Lula já tem quase 70% das intenções de voto.

E é sempre bom revisitar o passado.

A chegada de Lula à presidência da República em 2003 só foi possível também a partir de um rearranjo nas composições e alianças nos Estados, o que deixou lideranças estaduais do PT a reboque do projeto nacional.

Foi o que aconteceu no Rio Grande do Norte, quando os petistas foram obrigados a abrir mão da disputa pelo comando do Estado com Lula no Palácio do Planalto para apoiar Wilma de Faria, então estrela do PSB.

Não por acaso, a ascensão de Wilma e a consolidação do wilmismo em território estadual coincide com o voo e a evolução de Fátima Bezerra no parlamento federal, sempre ampliando votações e chegando a 2010 como a deputada mais votada da história do Estado, recorde nunca alcançado por nenhum adversário.

As duas, que alternaram embates e alianças, se reencontrariam como adversárias pela última vez em 2014, na histórica vitória de Fátima para o Senado.

A participação direta de Lula nas negociações estaduais para costurar a grande e ampla aliança capaz de derrotar Jair Bolsonaro nas urnas em outubro é sinal de que o PT potiguar pode precisar, mais uma vez, ceder espaço para aliados circunstanciais em nome de um projeto maior.

A história, aliás, foi muito cruel com o PT do Rio Grande do Norte, único Estado do Nordeste onde um petista não conseguiu governar com Lula ou Dilma na presidência da República.

Fátima foi consagrada nas urnas como a primeira governadora a ultrapassar a marca de 1 milhão de votos, mas teve no Governo Federal sempre um oponente, com tentáculos no Estado sentados em dois ministérios.

Com o favoritismo de Lula e de Fátima, segundo todas as pesquisas de intenção de voto até aqui, a história pode reservar um novo capítulo à professora Maria de Fátima Bezerra, que voltaria a ter trânsito livre no Palácio do Planalto, assim como tinha na época do Parlamento.

Mas para que isso aconteça, o PT precisará dos Alves ?

E quantos deles caberiam no projeto do PT para o Rio Grande do Norte ?

Não custa nada perguntar.

*É jornalista.

Este texto não representa necessariamente a mesma opinião do blog. Se não concorda faça um rebatendo que publicaremos como uma segunda opinião sobre o tema. Envie para o barreto269@hotmail.com e bruno.269@gmail.com.

Categorias
Matéria

Alves já elegeram dois deputados federais numa mesma eleição em três oportunidades. Dá para repetir em 2022?

A oligarquia Alves, uma das mais longevas do Rio Grande do Norte e a que ainda tem alguma relevância no debate público do Estado, viverá em 2022 uma situação que não é nova: ter dois de seus integrantes se candidatando a deputado federal pelo (P)MDB.

No passado deu certo em três ocasiões: 1986, 1990 e 1998.

A primeira experiência foi com Ismael Wanderley, então casado com Ana Catarina Alves, que se elegeu com 44.852 votos ao lado do cunhado Henrique Alves que teve 90.884 sufrágios.

Quatro anos depois, Ismael deu lugar a Aluízio Alves que foi eleito juntamente com o filho Henrique Alves com respectivamente 61.541 e 52.847 votos.

Oito anos depois, Ana Catarina e se juntou ao irmão gêmeo Henrique e mais uma vez os Alves elegeram dois federais com respectivamente 52.878 e 163.572 votos respectivamente.

Diferente das experiências anteriores em que os candidatos disputavam votos sendo aliados agora em 2022 teremos uma situação inusitada: Henrique Alves e Garibaldi Alves Filho estarão no mesmo partido, mas rompidos.

E é justamente por causa de uma disputa Alves-Alves (ainda que indireta) ocorrida em 2018 quando Henrique pediu votos para Benes Leocádio, que foi o mais votado naquele ano, e Walter Alves, filho de Garibaldi.

Será que em 2022 a história se repete?

 

Categorias
Matéria

Henrique afirma que laço com Garibaldi não será desfeito e que dá para os dois serem candidatos a deputado federal

Em entrevista ao Foro de Moscow o ex-presidente da Câmara dos Deputados Henrique Alves (MDB) vltou a comentar a respeito do rompimento com ox-senador Garibaldi Alves Filho (MDB). Ele reforçou que os laços não podem ser desfeitos por causa da história política deles.“Acredito que Henrique e Garibaldi entraram juntos para a política. Não há como separar a história de 51 anos. Esse laço não há como ser desfeito”, frisou.

Em seguida lembrou que é possível que os dois se elejam este ano como aconteceu com Henrique e Aluízio Alves m 1990 (Henrique também se elegeu juntamente com a irmã gêmea, Ana Catarina em 1998). “Quando meu pai voltou do regime forçado da ditadura e meu pai e fomos deputados eu e ele. Fomos juntos deputados pelo Rio Grande do Norte e a casa do MDB cabe Henrique e Garibaldi”, lembrou.

Henrique falou que da mesma forma que não se imagina fora do MDB também não vê Garibaldi fora do partido. “Imaginar Garibaldi saindo do MDB não passa pela minha cabeça”, declarou.

Assista o trecho da entrevista:

Categorias
Matéria

Ex-vereadora desmente Garibaldi sobre apoio

A ex-vereadora Izabel Montenegro (MDB) desmentiu o ex-senador Garibaldi Alves Filho (MDB) que tinha anunciado ter recebido o apoio dela em sua candidatura a deputado federal.

Ela negou ter tratado do assunto com o ex-senador. “Fui surpreendida com a legenda da foto que registrou minha visita hoje ao meu amigo e ex-governador Garibaldi Alves Filho. No instagran do querido Gari a frase que eu declarei apoio a sua candidatura de deputado federal. Por respeito à verdade , tenho que afirmar que não tratamos de nenhuma candidatura a deputado federal”, declarou. “O assessor de Garibaldi e minha assessora, presentes, são testemunhas. Eu e Gari também sabemos”, acrescentou.

Izabel é a presidente do MDB já comandou a Câmara Municipal de Mossoró e é mãe da vereadora Carmem Júlia (MDB).

Categorias
Matéria

Ex-deputado revela bastidores de um rompimento político

Em um artigo intitulado “Caminhos da Política” o ex-deputado federal Laíre Rosado revelou os bastidores do histórico rompimento de seu grupo político com a família Alves, encerrando uma parceria que na época já durava duas décadas.

Laíre compara a frieza com que Garibaldi Alves Filho (MDB) descartou o primo Henrique Alves (MDB) com a experiência que ele viveu 16 anos atrás.

Vale a apena a leitura do texto publicado em O Mossoroense. Segue na íntegra:

CAMINHOS DA POLÍTICA

O ex-senador Garibaldi Alves afirmou que rompeu política e familiarmente com o ex-deputado Henrique Alves. Quando do rompimento de Carlos Augusto com os tios, Dix-huit declarou que, em política, o primeiro que apodrece é o sangue. Na aliança política entre familiares o vínculo se mantém enquanto atende ao interesse de todos.

Em 2006, Garibaldi nos fez passar por vexame semelhante ao que está expondo Henrique. Acreditava que o apoio de Rosalba Ciarlini era fundamenta para sua eleição ao Senado. Foi assim que, pelo telefone, marcou encontro comigo e com Sandra, em nosso apartamento na capital do estado, no cruzamento das ruas Antônio Basílio com Rui Barbosa.

Uma visita do grande líder Garibaldi deveria ser motivo de alegria, mas não foi o que aconteceu. Depois dos cumprimentos iniciais, sem arrodeio, disse que estava precisando do apoio da ex-prefeita de Mossoró e avisava que eu e Sandra, então deputada federal, deveríamos buscar outro partido, deixando o PMDB, partido a que estávamos filiados há vários anos. De maneira enfática, repetiu que não teríamos mais espaço para disputar novas eleições filiados ao partido onde tivemos grandes vitórias.

Ponderei que poderíamos conviver com Rosalba em um mesmo partido. Não havia necessidade de cancelamento de nossa filiação ao PMDB, partido que amávamos e onde nos sentíamos confortáveis. Pedi somente que, caso ele concordasse, queria que o anúncio dessa nova composição fosse feito por nosso intermédio, para evitar uma reação maior dos correligionários. Fiquei surpreso com a reação de Garibaldi, afirmando não havíamos entendido sua decisão e que tínhamos que sair do PMDB. E completou, quanta ironia meu Deus, que entenderia qualquer posição que assumíssemos.

Perguntei sobre o diretório municipal do PMDB em Mossoró e ele respondeu que esse assunto não era mais de minha responsabilidade. Perguntei ainda se Rosalba assinaria ficha de filiação partidária e, mais uma vez, ele não me respondeu. Sempre fui muito tranquilo em minhas reações emocionais, mas não suportava a decepção profunda que tomou conta de Sandra

Não procurei o deputado Henrique Alves acreditando que, mesmo se não concordasse com Garibaldi, não o enfrentaria, quando a justificativa era sua eleição ao Senado. Procuramos Geraldo Melo, além de correligionário, nosso amigo, com provas de solidariedade desde o tempo de Vingt Rosado. Contamos da visita de Garibaldi e ele demonstrou perplexidade, sem querer acreditar no que estava ouvindo. Perguntou se nós concordaríamos em um novo encontro, dessa vez com a sua presença. Geraldo seria candidato ao Senado nessas eleições e tinha interesse em manter unido a base de apoio. Viajei até Brasília e, no apartamento de Sandra, conversamos novamente com Garibaldi, com a participação de Geraldo Melo.

Sandra deixou um muito claro a Garibaldi que estávamos atendendo a uma sugestão de Geraldo, mas não acreditava que Garibaldi reconsiderasse sua decisão de não nos querer no PMDB. Em poucos minutos, diante da frieza e Garibaldi, Geraldo foi acometido de uma crise de enxaqueca que o obrigou a usar medicamentos para concluir o diálogo.

Não havendo mais nada a acrescentar, Garibaldi despediu-se de mim e de Sandra e convidou Geraldo para descerem juntos no elevador, para analisar algum detalhe da conversa, disse ele. Geraldo lhe respondeu que, diante das colocações que havia escutado, não havia mais espaço para nenhuma conversa.

Foi então que Sandra, olhando para os dois, disse “Geraldo, hoje, nós somos os traídos, mas amanhã você é quem será enganado por Garibaldi. Há indícios seguros de que ele já fechou com a candidatura de Rosalba Ciarlini ao Senado.” Ao que parece, Geraldo imaginou essa hipótese inteiramente impossível, mas foi o que aconteceu.

Poucos dias depois de Garibaldi formalizar o apoio a Rosalba como candidata ao Senado, encontramo-nos com Geraldo que foi se dirigindo a Sandra e afirmando, “amiga, você tinha toa razão. E eu não quis acreditar que isso pudesse acontecer”.

No final, Sandra foi reeleita deputada federal. Rosalba foi eleita senadora, com o apoio de Garibaldi. Geraldo não conseguiu voltar ao Senado e o próprio Garibaldi foi derrotado por Wilma de Faria, eleita governadora do estado. Passado o período eleitoral, Garibaldi chegou a reconhecer que tinha cometido um erro político ao trocar o apoio de Sandra e Laire por Rosalba e Carlos Augusto. Não somente por conta de votos, mas pelo desequilíbrio que isso provocou em Mossoró e Região Oeste.

Quem sabe, no futuro Garibaldi Alves volte a admitir ter incorrido em outro erro político, desta vez mais grave que o primeiro. Afinal de contas, como ele mesmo declarou, é um rompimento familiar e político.

Categorias
Artigo

Análise: o giro que vira jirau

Por Ney Lopes* 

Adversários tradicionais, o ex-presidente Lula e o ex-governador paulista Geraldo Alckmin dão sinais de “aliança”, com o petista candidato a presidente e o ex-tucano a vice.

No RN, o mesmo fenômeno político se repete, quando se anuncia “acordo” da governadora Fátima Bezerra (PT) com o senador Garibaldi Alves Filho (MDB), ambos historicamente em posições antagônicas.

No caso de Lula e Alckmin sempre foi tenso o relacionamento passado entre os dois.

O ex-governador de São Paulo chegou a associar o PT à facção criminosa PCC.

Por outro lado, o petismo levantou assunto indigesto para os tucanos em 2002, vinculando recursos desviados da empresa pública paulista DERSA ao financiamento das campanhas de José Serra a presidente e Alckmin a governador de SP

 O quadro político no RN se prenuncia igualmente complexo.

O desfecho dependerá da conveniência pessoal do ex-presidente Lula, a quem a governadora Fátima Bezerra guarda total lealdade.

A orientação nacional do PT é abrir diálogo com todos, mas já surgem reações internas no bloco governista estadual.

Quanto a chapa Lula vs Alckmin, a primeira pesquisa de avaliação colheu 48% de rejeição popular.

Certamente, esse índice aumentou, após o ex-governador demonstrar preocupação com o anuncio de Lula, de que revogará, se eleito, a reforma trabalhista, aprovada em 2017, a qual Alckmin defendeu.

Incontinenti, a presidente do PT não deixou por menos e retrucou: “já temos o caminho, que será a revogação”.

Sempre imprevisíveis, as alianças têm sido práticas usadas pelas lideranças na velha e nova república.

Algumas deram certos, outras errado.

No RN recorde-se uma das mais antigas, no ano de 1955, no famoso “acordão”, sugerido pelo então vice-presidente da República, João Café Filho, que juntou no mesmo palanque, pessedistas, udenistas e pessepistas, elegendo Dinarte Mariz, governador; Georgino Avelino, senador e os suplentes cafeístas, Reginaldo Fernandes e Sérgio Marinho.

O adversário de Dinarte foi o deputado udenista, Jocelyn Villar, que aderira ao PSD de Theodorico Bezerra, o PR dos Rosados e o PTB de João Francisco da Motta e do seu filho, então deputado estadual, Clovis Motta.

Exemplo fracassado de aliança no plano nacional, ocorreu entre Getúlio Vargas e o secretário-geral do Partido Comunista do Brasil, Luís Carlos Prestes.

Ambos dividiram o palanque em eleição no estado de SP, apoiando o candidato Carlos Cirilo Júnior, que competia contra  Novelli Júnior, genro do presidente Eurico Dutra.

O acordo causou estranheza, pelo fato de que, na ditadura de Vargas, Prestes tinha sido preso por nove anos e sua esposa, Olga Benário, entregue grávida à Alemanha nazista.

A aliança deu errado.

Os eleitores não assimilaram e elegeram Novelli Júnior.

Para a eleição de 2022 estão na vitrine as possíveis alianças de Lula e Alckmin; Fátima e Garibaldi.

Pelo andar da carruagem, a previsão é que o ex-governador de SP tente fazer um giro, mas faz um jirau.

O deputado federal Rui Falcão, ex-presidente do PT e um dos articuladores das campanhas de Lula, afirmou que o ex-tucano representa uma contradição a tudo o que o partido fez e quer fazer.

Foi mais adiante: “Lula não precisa de uma muleta eleitoral”.

Até Dilma já preveniu Lula, ao dizer-lhe: “O Geraldo Alckmin será o seu Michel Temer. Quando você mais precisar, ele ficará à disposição da oposição para tomar seu lugar”.

Por outro lado, a indagação é se o acordo de Garibaldi com Fátima corre o mesmo risco.

A deputada federal Natália Bonavides (PT) é firmemente contra.

O vice governador Antenor Roberto não escondeu palavras, ao declarar na 98 FM, que “não seria uma aliança eleitoral acertada”.

Ele prosseguiu, lembrando que o PT terá de explicar porque estará aliado ao MDB, se em 2018 levantou o discurso de “combate às oligarquias”, representadas por figuras como o ex-governador Garibaldi Alves, que comanda o partido no Estado.

“As oligarquias por muito tempo governaram o RN e foram as responsáveis por fazer o Estado chegar às condições em que chegou” – concluiu.

Na verdade, com aliados deste tipo, nem Alckmin, nem Garibaldi precisam temer adversários políticos.

*É jornalista, ex-deputado federal e advogado.

Este texto não representa necessariamente a mesma opinião do blog. Se não concorda faça um rebatendo que publicaremos como uma segunda opinião sobre o tema. Envie para o barreto269@hotmail.com e bruno.269@gmail.com.

Categorias
Análise

Garibaldi arrependido de apoiar o impeachment de Dilma? Resposta virá depois de concluir negociações com o PT

O ex-senador Garibaldi Alves Filho (MDB) não quis revelar se está ou não arrependido por apoiar o impeachment de Dilma Rousseff na entrevista de quinta-feira ao Foro de Moscow.

A posição logo despertou uma série de reações nas redes sociais. Uns interpretaram que ele não teve coragem de assumir, outros que ele não se arrependeu e não quis dizer isso para não melar as negociações com a governadora Fátima Bezerra (PT).

Diria que são as duas coisas ao mesmo tempo. Como a aliança PT-MDB não está totalmente sacramentada não é hora de dizer nem que sim nem que não.

Talvez em cima do palanque com Fátima ao lado e o filho Walter Alves (MDB) de vice ele possa responder a pergunta. O arrependimento de Garibaldi depende dos próximos capítulos da política potiguar.

Por ora o silêncio reforça as teses das alas petistas mais resistentes a aliança com os Alves.

Confira a pergunta sobre o tema: