Categorias
Matéria

Mossoró passa a contar com Agência de Reportagem Nordeste 360

Cláudio e Íbero estão a frente de novo projeto (Foto: cedida)

Estreou na última segunda-feira (14) a Agência Nordeste 360, que aglomera o portal de notícias Nordeste 360 e a TV NE360. A agência terá à frente o jornalista Cláudio Palheta Jr. e o publicitário Íbero Hipólito, que ocupam as funções de Chefia de Reportagem e Direção Comercial respectivamente e conta com a participação de uma série de colaboradores e colaboradoras na produção de conteúdo audiovisual próprio.

De acordo com comunicadores, a ideia da Agência de reportagem é apresentar ao público de Mossoró e região um conteúdo politizado e que tenha a cara e os interesses das camadas populares.

“Infelizmente, em um mundo cada vez mais dominado pelo capital especulativo e pelas grandes corporações, o direito à informação e à comunicação tem ficado severamente dilacerado. Se hoje já lidamos com o impacto devastador das Fake News, que disseminam mentiras e envenenam a sociedade, torna-se fundamental falar sobre as consequências nocivas da comunicação manipulada, enviesada e subserviente aos interesses das oligarquias políticas, em especial no nosso Nordeste” destaca Cláudio Palheta.

Ibero Hipólito avalia que o conteúdo produzido pela Agência vai possibilitar que uma boa parte da população tenha acesso à debates fundamentais sobre a sociedade brasileira e que estão cada vez mais distantes do povo.

“A Agência Nordeste 360 e a TV NE360 serão instrumentos que darão voz a segmentos da sociedade que historicamente foram relegadas ao esquecimento, excluídos de qualquer possibilidade de ver e produzir um conteúdo que tenha sua identidade. Nascemos com um compromisso invendável com os trabalhadores e as trabalhadoras, avalia.

O Portal Nordeste 360 já está no ar e pode ser acessado pelo link www.nordeste360.com.br A TV NE360, que vai ao ar pelo Youtube, fará sua estreia oficial na próxima segunda-feira (20) e contará com uma programação ao vivo de segunda a sexta em duas faixas de horário. Às 17h30, com programação produzida por colaboradores e colaboradoras, focada em temas como feminismo, cultura e movimentos sociais. Às 19h, Cláudio e Ibero comandam o Programa Arretado, um espaço de debate e entrevista acerca dos principais temas da política local e nacional. Para conferir a TVNE360 basta acessar https://www.youtube.com/TVNE360

Quem são?

Cláudio Palheta Jr.  28 anos, é formado em Jornalismo e mestre em Serviço Social e Direitos Sociais. Foi militante do PSOL por quase 10 anos e durante o período participou das principais lutas travadas pela juventude potiguar. Há 8 anos atua especificamente com a comunicação de entidades sindicais, prestando assessoria para Aduern, Adufersa e Sinte.

Ibero Hipólito 44 anos, publicitário, especialista em gestão de marketing, fundador e dirigente da primeira rádio comunitária de Mossoró em 1996, foi presidente do DCE da UERN, dirigente municipal e estadual do PT/RN, assessor parlamentar da primeira vereadora do PT de Mossoró, Telma Gurgel, assessor do senador pelo PT do Rio de Janeiro, Geraldo Cândido, superintendente do INCRA, assessorou os mandatos do ex-vereador e ex-vice prefeito Luís Carlos Martins e do deputado estadual Francisco do PT. É diretor da agência Arca da Comunicação que presta assessoria para ONG´s e entidades sindicais, como o SINTE e o Sindsuper.

Categorias
Matéria

TCM Telecom vence prêmio de jornalismo

Moisés Albuquerque na gravação da série “Sertão de Cabra e Bode” (Foto: cedida)

O jornalismo da TCM recebeu mais uma premiação. Desta vez, venceu o Prêmio Banco do Nordeste de Jornalismo em Desenvolvimento Regional 2020 no Rio Grande do Norte com a série de reportagens “Sertão de Cabra e Bode”. Com reportagem de Moisés Albuquerque, produção de Tárcio Araújo, imagens do repórter cinematográfico Leonardo Melo e edição de Fernando Nícolas e Albery Silva, a produção especial foi exibida no Jornal TCM e está disponível no App TCM 10 Play e YouTube, no Canal TCM HD.

A série jornalística foi eleita como melhor reportagem do RN entre todos os meios de comunicação (Rádio, TV, impresso e internet) e o quinto episódio – que aborda o orgulho dos criadores com relação aos seus rebanhos – chegou a marca de mais de um milhão de visualizações no YouTube e cerca de 11 mil curtidas.

Desde 2013, quando o jornalismo da TCM venceu o Prêmio Fiern, este é o sétimo prêmio conquistado – foram quatro premiações junto ao Ministério Público do RN, um junto a Fecomércio, um junto a Fiern e este do BNB –. Além disso, o Jornalismo da TCM conquistou reconhecimento nacional junto à Ancine, sendo o TCM 10 HD reconhecido como canal jornalístico nacional.

O Diretor de Jornalismo do Grupo TCM Telecom e repórter da série premiada, Moisés Albuquerque comenta a conquista. “Para nós que fazemos o jornalismo da TCM é uma alegria esse reconhecimento. Entendo que os prêmios são como bônus na nossa missão de informar e contar histórias. Essa premiação é especial também por toda a identidade nordestina que ela carrega e enaltece uma atividade muito relacionada ao nosso sertão. O sentimento é de gratidão pelo empenho do nosso time em fazer um bom trabalho e levar ao nosso telespectador um conteúdo de qualidade e narrativas que ilustram tão bem o nordeste brasileiro”, celebra.

A série “Sertão de Cabra e Bode” mostra o panorama da caprinovinocultura no Nordeste. Para captação de imagens e de entrevistas foram percorridos mais de 2 mil quilômetros em quatro estados, oito municípios e 11 comunidades rurais.

Categorias
Matéria

Jornalista tem nome usado em tentativa de golpe

Saulo alerta para uso de seu nome em tentativa de golpe (Foto: cedida)

O jornalista Saulo Vale está tendo o nome dele usado numa tentativa de golpe através de ligação telefônica em que um sujeito oferta uma palestra a ser proferida por ele em troca de um pagamento.

Diz o relato feito por Saulo:

Homem tenta dar golpe usando nome do Blog Saulo Vale

Recebi reprodução de um telefonema de um homem, com sotaque do sudeste, se dizendo “da assessoria do Blog Saulo Vale”.

Ele telefona para algumas pessoas e diz que irei palestrar em um evento.

Fala que vai enviar ‘link’ para suposta inscrição e pede whatsapp ou e-mail, para envio.

É algum golpista. Suspeito que seja com intenção de clonar whatsapp.

Por favor, não caia.

Categorias
Artigo Do Blog

O coadjuvante e os protagonistas

Numa eleição o jornalista é um mero coadjuvante. Cabe a ele atuar como emissor das notícias e analista dos fatos. Os protagonistas são os candidatos e os eleitores.

Somos apenas um meio entre os protagonistas. O coadjuvante com a missão de ajudar a compreender os fatos.

Nós jornalistas precisamos ficar cientes disso. Trocas de farpas entre colegas nos seus espaços de trabalho não traz benefício nem para quem ataca nem para o atacado.

Em tempos de fake news, redes sociais atuando como tribunal moral e tantos outros problemas o nosso papel como coadjuvantes na eleição tem que ser aproveitado com sensatez, objetividade e honestidade intelectual.

Nunca precisei atacar um colega de trabalho para crescer profissionalmente. Não preciso dessa escada porque primo pela técnica, razoabilidade analítica e ética no trato com a informação.

Aos que precisam me atacar para se promover dou o meu silêncio. Aos que possuem bom senso, mas em algum momento me citou de forma equivocada escolho a conversa privada para aparar as arestas.

Sigamos coadjuvantes.

Categorias
Matéria

Mossoró terá três debates com candidatos a prefeito

Três emissoras de TV de Mossoró confirmaram que terão debates com os candidatos a prefeito. Os seis postulantes foram convidados.

Quem abre a rodada de debates é a TCM no dia 22 após o Cenário Político.

No dia 29, será a vez da Super TV. Já no dia 5 de novembro caberá TV Cidade Oeste realizar o seu debate.

Categorias
Matéria

Ex-funcionários da Gazeta cobram agilidade da Justiça para receber pagamentos que esperam há quase cinco anos

Demolição da Gazeta do Oeste também derrubou sonhos de seus funcionários (Foto: cedida)

Passados quase 5 anos do fechamento do Jornal Gazeta do Oeste, 48 famílias lutam para receber seus direitos trabalhistas até os dias de hoje. Aguardando maior celeridade da Justiça, ex-funcionários têm se mobilizado para chamar atenção ao processo de falência, que tramita na 6ª Vara Cível de Mossoró, sob a labuta da juíza, dra. Daniela Rosado.

O processo está em fase de conclusão, aguardando apenas a liberação de alvarás. Por ter caráter alimentar, as verbas em questão já deveriam ter sido liberadas, de acordo com o advogado Gilvan Cavalcanti. “A verba, de natureza alimentar, tem que ser satisfeita imediatamente. A determinação de liberação está nas mãos do poder judiciário, já que não há nada que impeça que esses pagamentos sejam realizados. Estamos aguardando a sensibilidade para o desfecho, tendo em vista a quantidade de gente necessitando”, afirma.

Além disso, é necessário frisar que os pagamentos dos credores (ex-funcionários) não será feito em sua integralidade. Cada um receberá cerca de 30% dos valores a que teria direito.

Gazeta fechou em 2015 (Fotomontagem cedida)

“Temos procurado todos os meios possíveis para agilizar o procedimento desse processo. Muitos dos ex-empregados não conseguiram se inserir no mercado de trabalho. Esse dinheiro seria um alento a esse momento, principalmente porque vivenciamos um período de pandemia”, alerta a ex-funcionária Luciana Araújo.

Durante a semana, ex-funcionários do jornal se reuniram com a promotora de Justiça da 2ª Vara, dra. Ana Ximenes, que de pronto se colocou à disposição e deu parecer favorável do Ministério Público para que sejam realizados os pagamentos. “Tenho 6 filhos, estou desempregado e esse dinheiro ajudaria a dar um rumo à minha vida”, comenta o impressor Roberto Mardoqueu.

Os ex-funcionários da Gazeta do Oeste reforçam que aguardam a celeridade e sensibilização da Justiça para que o pleito seja atendido e os alvarás judiciais sejam liberados.

Categorias
Matéria

TV Assembleia passa ser transmitida no canal 10 em sinal aberto

TV Assembleia agora é no canal 10 (Foto: cedida)

A mudança no canal da TV Assembleia no Rio Grande do Norte para a frequência televisiva 10 será feita a partir deste sábado (29) no sinal aberto de televisão.

A conquista do novo canal da TV Assembleia foi comemorada pelo presidente da Assembleia, Legislativo Estadual. “Com a modificação estaremos próximos aos canais de maior audiência da TV aberta. Temos hoje um legislativo transparente, atuante e com programação ao vivo, garantindo a acesso do cidadão ao rito legislativo e ainda levando informação de qualidade para a população”, destaca o presidente da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte, Ezequiel Ferreira (PSDB).

A mudança só foi possível graças à atuação do ministro das Comunicações, o potiguar Fábio Faria, que garantiu a rápida alteração, possibilitando mais um legado de pioneirismo para a TV Assembleia do RN. “Os avanços em tecnologia permitem novas conquistas como a democratização da comunicação. E uma das nossas metas no Ministério das Comunicações é garantir o fortalecimento dos canais legislativos em todo o Brasil e principalmente, no Nordeste e em especial, no Rio Grande do Norte oportunizando a livre escolha da população com acesso mais próximo aos canais de maior audiência, garantindo que também a notícia de qualidade produzida na TV Assembleia chegue a todos, com isonomia”, destaca.

A TV Assembleia é pioneira no Brasil como integrante da Rede Legislativa. Uma das primeiras a ser inaugurada no País, ainda em 2003 e faz história até hoje também no Rio Grande do Norte. “Com o incentivo do ministro Fábio Faria, voltamos à posição de destaque no Brasil, exemplo quando o assunto é a linha editorial com prioridade para as coberturas de atividades legislativas, mas também diversificando a programação”, argumenta o diretor da TV Assembleia, Bruno Giovanni.

O crescimento da TV Assembleia nos últimos cinco anos também foi comentado pelo diretor. “Temos hoje o maior tempo de grade com programação local, exibição gratuita e em canal aberto. Estamos presentes em mais de 90% do território do Rio Grande do Norte. Conquistas possíveis graças a parcerias que construímos ao longo dos anos, agregando novos formatos, programas e apresentadores”, comemora Bruno Giovanni, anunciando novidades para disputar atenção dos telespectadores com os líderes do Ibope. “Estamos próximos dos 18 anos de canal legislativo e vamos deixar um legado importante na comunicação do Estado”, destaca.

Com a mudança, a sintonia será feita automaticamente pelo aparelho de televisão, sem que seja necessário qualquer procedimento. Caso não ocorra de maneira automática, o telespectador pode executá-la no controle remoto na função de “busca ou sintonia de canais” do aparelho; confirma no canal 10.3 e estará concluída a mudança na transmissão da TV Assembleia.

Rede Legislativa – A coordenação da mudança nos canais é feita pela Rede Legislativa – que integra a Câmara Federal, Senado, Assembleias Legislativas e Câmaras Municipais – com objetivo de tornar as emissoras legislativas mais acessíveis aos telespectadores, onde se concentram outras emissoras de TV. “O objetivo é popularizar as programações das TVs legislativas, aumentando a audiência das sessões plenárias; votações; reuniões; audiências públicas; debates; entrevistas e programas jornalísticos dentro e fora dos plenários”, frisa a coordenadora da Rede Legislativa da Câmara Federal e vice-presidente da Astral, Evelin Maciel.

A Rede Legislativa de TV, além de alterar a numeração dos canais no ar, continua sua expansão pelo Brasil e já tem sinal aberto de televisão em 59 cidades, com alcance de 250 municípios. Fazem parte da Rede, atualmente, 65 emissoras legislativas.

Categorias
Do Blog

Blog do Barreto no “Aos Vivos com Carlos Santos”

Hoje estaremos no programa “Aos Vivos com Carlos Santos”. Como ele mesmo sempre afirma é um espaço para jogar conversa fora e fazer não sei lá o quê.

Então encontro marcado: às 21h no perfil https://www.instagram.com/blogcarlossantos/

Categorias
Artigo

O perigo das Fake News para a sociedade e o impacto às pessoas e instituições

Por Cristiano Magalhães*

Em tempos de Fake News, não podemos mais acreditar em tudo que lemos, vemos ou ouvimos, principalmente em redes sociais ou grupos de mensagens. Esse fenômeno é uma fonte de desinformação e, por isso, devemos ter atenção redobrada quando recebemos alguma notícia, não importa o meio que ela chegue até nós.

Numa tradução direta, as notícias falsas são informações divulgadas por qualquer meio que não corresponda com a verdade de um fato, a popular e já conhecida mentira. A divulgação destas não é novidade, mas com o alcance proporcionado pela internet, intensificado pelas redes sociais, elas se tornaram ainda mais comuns. E não há limites. Podem estar relacionadas às pessoas, ciência, política, religião, economia, esportes, etc.

A divulgação de notícias falsas pode acarretar sérios prejuízos às pessoas e instituições, tais como, manipulação de comportamentos, prejuízos morais e financeiros para pessoas e empresas, criação ou aumento de sentimento de revolta, estímulo ao preconceito, agravamento de surto de doença.

Imagine, por exemplo, que “A” divulga uma fake news sobre “B”, e que esta notícia seja repassada por outras em uma rede social, chegando ao local de trabalho de “B”. Em razão desta notícia, a empresa considera a conduta supostamente praticada pelo empregado não condizente com a cultura empresarial a ponto de demitir o empregado.

Além do aspecto trabalhista, outros desdobramentos podem ocorrer: “B” pode denunciar “A” pela prática de difamação (art. 139) ou injúria (art. 140), previstos no Código Penal. “B” pode propor uma ação na Justiça Civil pedindo a reparação de danos à sua imagem e sua honra, ou de ressarcimento de danos patrimoniais causados pela divulgação da fake news .

Agora, imagine o quanto uma notícia falsa pode impactar uma cidade, um estado, o país todo, por exemplo, quando o tema envolve políticas de saúde pública como a ineficiência de vacinas, ou quando envolve questões relacionadas a economia, contratos empresariais, condutas de ocupantes de cargos públicos.

Cabe a cada um de nós ser um obstáculo para a propagação de notícias falsas. Estarmos atentos à origem da notícia, desconfiar de fontes de informações sem autoria ou vínculo com instituições tradicionais, procurar confirmar a notícia com mais de uma fonte, não se deixar levar por manchetes sensacionalistas e ler o conteúdo das notícias é essencial. Buscar informações diretamente com os órgãos oficiais quando possível, essas são algumas medidas importantes que devemos tomar para nos precaver.

Tanto na leitura, como na partilha de notícias, é bom lembrar daquele velho ditado popular, “cautela e canja de galinha não fazem mal a ninguém”.

*É advogado especialista nas áreas civil e trabalhista.
Este artigo não representa a mesma opinião do blog. Se não concordar, faça um rebatendo que publique como uma segunda opinião sobre o tema.
Categorias
Matéria

Estamos sendo justos com a publicidade?

Publicidade e Marketing: diferenças, semelhanças e mais!

Por André Lima*

Talvez você não goste do que vai ler aqui. Na verdade, talvez nem eu goste, mas aprendi que o primeiro passo para resolver um problema é admitir que você tem um. O ponto é que tenho visto tantas marcas no tribunal da inquisição moral da sociedade ultimamente, que achei melhor conversarmos um pouco mais sobre isso.

Tudo começou no início da pandemia, quando várias marcas foram criticadas por fazerem doações gigantescas para ajudar a mitigar os impactos da Covid-19 no país. Sim! Marcas criticadas por ajudar. As acusações são de que as marcas andam fazendo esse tipo de “atrocidade” de ajudar o próximo, justamente para querer aparecer. Mas ora ora ora, que petulância! Onde já se viu uma marca querendo aparecer? E eu que achei dentro da minha inocência que elas, as marcas, existiam para isso.

Mas ok, o ponto aqui talvez nem seja esse, mas sim, que a publicidade está tentando ser justa com o mundo, mas será que o mundo está tentando ser justo com a publicidade? Se uma marca faz, é aproveitadora. Se não faz, é descompromissada socialmente. Se faz, mas esquece algum tipo de minoria, é excludente.

Calma! Antes que você retire algum trecho desse artigo e transforme em uma grande chamada de fake news, ou que você queira me cancelar como andam cancelando tantas marcas por aí, é importante deixar claro: eu não estou aqui defendendo que as marcas não cumpram o seu papel social, ou que não devemos estar atentos às mudanças do mundo. A publicidade tem, e sempre terá, um papel social importante, principalmente, em um país tão desigual e carente de cultura como o nosso. O que eu simplesmente trago são algumas tristes verdades. Parem de achar que os publicitários irão salvar o mundo. Essa responsabilidade não é nossa, pelo menos não sozinhos. Não espere que as marcas substituam políticos e políticas públicas de educação e cultura. Não espere que as marcas façam o que você (sim, você mesmo) poderia estar fazendo enquanto as critica.

Não adianta reclamar que não viu nenhum negro no comercial do banco, mas não se importar quando falam sobre diversidade na sua empresa. Não adianta reclamar quando o governo censura comerciais com gays, mas fazer piada quando seu primo decide te contar que também é. Estamos pressionando tanto as empresas para que tenham propósitos, que muitas passaram a adotar propósitos falsos, marqueteiros, apenas para silenciar uma parcela da população, sem entregar nada de benefício real à sociedade. Apenas frases bonitas nas entradas de seus prédios agora tão inúteis quanto os próprios propósitos em si.

Se o seu sabonete não está fazendo uma campanha social para salvar o mundo, aceite que talvez ele só queira ser um sabonete mesmo.

Desculpe a sinceridade por aqui, mas a mudança do mundo não está na publicidade. Ela é só um reflexo do que nós somos como sociedade. É como diria Gabriel o Pensador: “Muda que quando a gente muda, o mundo muda com a gente, a gente muda o mundo na mudança da mente, e quando a mente muda a gente anda pra frente”. Se você está triste com a propaganda, você deveria estar triste conosco. Porque nós somos a mudança, não as marcas.

*É CEO da agência Batuca.

 

Este artigo não representa a mesma opinião do blog. Se não concordar, faça um rebatendo que publique como uma segunda opinião sobre o tema.