Oposição mossoroense está morta e sem liderança

Oposição mossoroense traz tranquilidade a prefeita (Foto: cedida)

A oposição é uma aliada importante da prefeita Rosalba Ciarlini (PP). Morta e sem liderança, nada poderia ser melhor para uma gestão enrolada com problemas que se acumulam a cada dia.

Não faltam assuntos para a oposição abordar. Problemas para quitar a folha de pagamento dos servidores dentro do mês trabalhado, terceirizados recebendo atrasado, má iluminação, saúde em crise, filas para matrículas de alunos da rede municipal, etc.

A oposição não dorme no ponto. Ela está morta. Aqui não se trata do discurso da “oposição responsável” porque responsabilidade não se pode confundir omissão.

Numa roda de conversa sobre política escutei uma avaliação interessante: “A bancada de oposição se divide entre os que querem aderir a Rosalba e os que se deixam liderar por Izabel Montenegro (presidente da Câmara)”.

Faz sentido.

A bancada de oposição está desunida, de fato. Houve um episódio deprimente entre os vereadores Raério Araújo (PRB) e Alex do Frango (PMB) que certamente deixará sequelas para entendimentos futuro.

Oposição dividida e sem coesão não consegue pautar o noticiário nem instigar mais cobranças ao executivo. Esse papel foi delegado a escassos setores da mídia local e alguns cidadãos indignados nas redes sociais.

Mesmo assim, a prefeita não deixou de ser tragada pela impopularidade.

Nenhum grupo político fora da órbita do rosalbismo se habilitou para liderar a oposição. Tião Couto (PR) e Jorge do Rosário (PR) afundaram junto com o fracasso eleitoral de 7 de outubro. Gutemberg Dias (PC do B) vive situação idêntica.

Os ex-prefeitos Francisco José Junior e Fafá Rosado não existem mais politicamente.

Restam os deputados estaduais Allyson Bezerra (SD) e Isolda Dantas (PT) que viverão um distanciamento político nos próximos anos por causa dos embates dentro da Assembleia Legislativa.

O primeiro é muito jovem, mas está em um partido organizado. A segunda é mais experiente e também está numa agremiação organizada, mas profundamente desgastada. Além disso, a petista depende do desempenho de Fátima Bezerra (PT) como governadora para se impor candidata viável.

Só o tempo dirá se ambos são nomes competitivos.

Derrotar uma lenda da política como Rosalba exige organização, liderança, discurso e capacidade de mobilização nas redes sociais e ruas.

Não é o que acontece agora permitindo que Rosalba governe mal, mas sem alguma alternativa de poder capaz de lhe fazer frente.

Será difícil unir a oposição em 2020. Não há sinais de alguém que assuma com propriedade a função de antirosalbista-mor na cidade. Isso é muito bom para a prefeita que pode conseguir um feito raro nas ciências políticas: ser reeleita mesmo fazendo um governo impopular.

O fato de Mossoró ter menos de 200 mil eleitores e por consequência não ter previsão de segundo turno permite que a prefeita tenha êxito com o capital político que ainda lhe resta.

Rosalba não pode reclamar da oposição.

Compartilhe:

Uma prévia de 2020 em Mossoró na eleição de deputado estadual

153243212981833

A vereadora Isolda Dantas (PT) e o professor e empresário Gutemberg Dias (PC do B) travam uma disputam à parte nas eleições deste ano. Pré-candidatos a deputado estadual eles atuam no mesmo campo eleitoral em Mossoró.

São dois nomes em ascensão na política local e podem emergir das eleições 2018 candidatos a prefeito de Mossoró em 2020.

O problema é que são de partidos historicamente aliados que necessitam um do outro numa esquerda ainda incipiente na capital do Oeste.

Quem for o mais votado em Mossoró poderá suplantar o outro na corrida ao Palácio da Resistência como principal nome de esquerda. Tudo isso independente do resultado geral das eleições.

Nas eleições de 2016 Gutemberg obteve a maior votação de um candidato a prefeito no campo da esquerda em Mossoró com 11.152 votos. Isolda desbancou a velha guarda do PT se elegendo vereadora com 1.861 sufrágios.

A sorte está lançada e 2020 é logo ali.

Compartilhe: