Categorias
Matéria

Oposição a Fátima pode ficar limitada ao bolsonarismo

As conversas do PT potiguar com PDT e MDB (leia-se oligarquia Alves) estão avançando. Trata-se dos principais representantes da direita não bolsonarista no Rio Grande do Norte.

Fechando a aliança a governadora Fátima Bezerra (PT) deixa a oposição praticamente confinada ao bolsonarismo potiguar.

Ficaria faltando avançar entendimentos com o presidente da Assembleia Legislativa Ezequiel Ferreira de Souza (PSDB) para completar a manobra política.

Além do ex-senador José Agripino (DEM), um outro representante da direita não bolsonarista, mas que além de ter ficado bastante ausente do debate público na atual quadra histórica não tem diálogo aberto com a petista.

Assim sendo a oposição ficaria limitada ao bolsonarismo representado pelo Solidariedade do deputado estadual Kelps Lima (SD) e aos ministros Fábio Faria (PSD) e Rogério Marinho (PL). Além, claro, das figuras mais radicalizadas como o deputado federal General Girão (PSL) e o deputado estadual Coronel Azevedo (PSC).

Com Bolsonaro rejeitado por mais de 60% dos potiguares e Lula liderando as preferências presidenciais com folga aqui no Rio Grande do Norte a vida de Fátima ficaria mais facilitada caso as costuras políticas avancem.

Categorias
Sem categoria

Mineiro afirma que pediram indiciamento da governadora na CPI porque acharam improvável que ela não sabia das intenções da empresa que não entregou os respiradores

O secretário estadual de gestão de projetos Fernando Mineiro em entrevista ao Jornal do Dia da TV afirmou que a CPI da covid na Assembleia Legislativa agiu de má fé quando indiciou a governadora Fátima Bezerra (PT).

Ele lembrou que o relatório paralelo apresentado pelo deputado estadual Kelps Lima (SD), presidente da CPI apelou para teoria do domínio do fato ao propor o indiciamento da governadora alegando que ela não tinha como não saber que o Consórcio Nordeste levaria um calote na compra dos respiradores.

O petista leu trecho do relatório durante a entrevista. “Como é que um deputado, aliás um advogado, porque entende que é improvável que a governadora e o secretário não saibam do que está acontece? Isso é a teoria do domínio do fato que já foi negada pelo judiciário”, frisou.

Ele reforçou que a denúncia foi feita pelo próprio Consórcio Nordeste e que o Governo ganhou a primeira disputa judicial contra a empresa Hempcare. “Quem denunciou foi o Consórcio Nordeste. Isso é claro para todo mundo e o Estado entrou com ação para reaver os recursos”, disse. “Isso é politicagem”, complementou.

Para ele a CPI é a tábua de salvação de uma oposição sem projetos. “A oposição que não palanque nem projetos para o Estado tentaram carimbar a governadora como se fosse uma coisa errada”, declarou.

Confira a entrevista:

Categorias
Artigo

CPI da covid é a versão (no mau sentido) da lava jato no RN

A CPI da Covid da Assembleia Legislativa encerrou ontem com um final que surpreendeu um total de zero pessoas: o pedido de indiciamento da governadora Fátima Bezerra (PT).

As investigações não conseguiram encontrar nada que desabone a integridade de Fátima, mas isso é o que menos importa. A estratégia desde o início era encontrar algum fato e não encontrando inventar qualquer coisa que rendam manchetes.

Diante de uma realidade insofismável, restou a segunda alternativa. A governadora foi indiciada por “não ter como não saber que os respiradores estavam sendo comprados pelo Consórcio Nordeste”. O argumento agita as redes bolsonaristas e confunde os mais desavisados, mas quem entende do que se trata sabe que isso na prática só comprova que não encontraram crimes a atribuir a governadora.

Se der a lógica qualquer promotor ou juiz de bom senso vai colocar esse relatório em um arquivo.

Indiciar a governadora por ela “não ter como não saber” lembra o então procurador Deltan Dallagnol denunciando Lula sem provas, mas com base em convicções e o então juiz Sérgio Moro condenando o ex-presidente por fato indeterminado.

A CPI só teve como efeito prático tirar o presidente da comissão Kelps Lima (SD) da decadência política. Espécie de Sérgio Moro sem Dallagnol, ele vazava informações sobre documentos sigilosos ciente de que não poderia fazer isso.

Ele denunciava, julgava e condenava em suas entrevistas as redes bolsonaristas.

O problema é que fora fazer Kelps ganhar corações bolsonaristas, a CPI não atingiu os objetivos políticos. Fátima segue liderando as intenções de voto tanto no primeiro como no segundo turno e sua popularidade permaneceu estável durante todo processo.

Restou a CPI um último ato de desespero que tende a caminhar rumo ao arquivamento.

Categorias
Sem categoria

Ao comentar sobre indiciamento de Fátima, chefe do Gabinete Civil acusa deputado de cometer crime

O Governo do RN reagiu com veemência ao relatório paralelo da CPI da Covid que incluiu o nome da governadora Fátima Bezerra na (PT) lista de indiciados pela aquisição conjunta de ventiladores pulmonares realizada pelo Consórcio Nordeste, em junho do ano passado, quando a média de mortes pela doença no Brasil era de quase 1.000 pacientes por dia. Em entrevista na noite desta quinta-feira (16), o chefe do Gabinete Civil, Raimundo Alves, disse que recebeu a notícia com surpresa e indignação e lamentou o caráter político-eleitoreiro adotado pelos deputados de oposição na Comissão Parlamentar de Inquérito na Assembleia Legislativa.

Sem citar nomes, Raimundo fez menção ao deputado estadual Kelps Lima (SD), presidente da CPI, acusando-o de cometer crimes ao citar documentos sigiloso em suas declarações. “O objetivo era tirar do ostracismo deputados como o presidente da CPI, que sabe que está cometendo crime quando utiliza documentos sigilosos para levantar suspeitas sobre pessoas sérias e dignas. Ele sabe que está cometendo crime ao falar desses documentos, [mas sem mostrar o conteúdo] porque são sigilosos. Se ele estivesse falando a verdade sobre esses documentos, estaria tornando público um documento sigiloso da justiça, por isso precisa mentir para criar no coletivo o entendimento de que está falando a verdade para levantar suspeitas sobre pessoas dignas. Desde o início, a CPI teve um objetivo claro: fazer política eleitoreira, tirar do ostracismo um deputado que saiu derrotado na eleição para a Prefeitura do Natal no ano passado.”

Raimundo Alves, que falou em nome do governo, juntamente com o procurador-geral do Estado, Luiz Antônio Marinho; do controlador-geral Pedro Lopes, e do secretário de Planejamento, Aldemir Freire, lembrou dos esforços feitos pelo governo da professora Fátima Bezerra para salvar vidas na pandemia, que fez um trabalho exemplar, que foi considerado um dos mais eficientes do Brasil na proteção à vida das pessoas. “Lamentamos que queiram imputar à governadora, que tem uma história limpa de 30 anos de vida pública, alguma responsabilidade sobre malversação ou qualquer coisa que possa ter acontecido durante esse processo. Isso nos causa indignação porque os órgãos de controle externo já analisaram todos os processos. Sabemos que isso não terá nenhuma consequência judicial, mas o objetivo político no relatório final que foi capitaneado pelo presidente da CPI nos deixa bastante indignados.”

O controlador-geral, Pedro Lopes, disse que o processo de aquisição dos ventiladores pelo Consórcio Nordeste foi realizado com fundamento na Lei nº 13.979/2020, em processo administrativo que observou todos os requisitos legais. “Foram quatro meses de verdadeiras inquisições, de constrangimento de servidores da saúde, agentes públicos que durante a pandemia não ficaram em casa, mas trabalharam dia e noite para garantir abertura de leitos de UTI e salvar vidas.”

Pedro, que acompanhou as sessões da CPI, esclareceu que não há apontamento de nenhum real desviado. “Passaram nove semanas discutindo gramatura de sapatilha, discutindo peso de cotonete, porque se buscava de alguma maneira criminalizar o governo. Não encontraram nada, apenas erros formais, administrativos, altamente compreensivos durante uma pandemia sem precedentes com um grupo reduzido de servidores, atuando em mais de 600 processos.  Repito: não há nada de ilegalidade e de irregularidade, de mau uso de recurso público e de desvio de dinheiro público. Nada, absolutamente nada.”

Dada a dimensão da pandemia – esclareceu o procurador-geral Luiz Antônio Marinho – os processos relativos as ações de enfrentamento da covid foram acompanhados por duas forças-tarefa montadas pelo Governo do Estado para atuar conforme estabelecido na Lei 13.979/2020. Uma constituída no âmbito interno da PGE, com sete procuradores na área consultiva e seis na área judicial, e a outra integrada pela Controladoria-Geral do Estado, Gabinete Civil e Secretaria Estadual de Saúde. “Estávamos diante de um cenário de emergência. E foi nesse cenário que os gestores atuaram. Então causa surpresa a conclusão de que caberia indiciamento de servidores, do secretário e da governadora. No caso do secretário Cipriano Maia, o Ministério Público de Contas lavrou um parecer em que deixa muito claro que não há fato ilícito a apurar porque, principalmente no caso dos respiradores adquiridos via Consórcio Nordeste, feito na ambiência da emergência e com os meios disponíveis para a prática do ato. Se não há o que apurar de ilicitude praticada pelo secretário, que dirá em relação à governadora, que não praticou nenhum ato de gestão.”

Confira a nota do Governo do Estado

Categorias
Matéria

CPI da covid indicia Fátima e governador da Bahia

A CPI da Covid da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte indiciou políticos, servidores públicos e empresários na investigação que trata sobre a compra frustrada de 300 respiradores pelo Consórcio Nordeste, que custou R$ 48,7 milhões aos cofres dos nove estados da região. Após quatro meses e meio de trabalho, com juntada de milhares de documentos e convocação de 72 testemunhas, convidados e investigados, a CPI concluiu, nesta quinta-feira (16), pelo indiciamento por improbidade administrativa da governadora Fátima Bezerra, do governador da Bahia, Rui Costa, dos ex-ministros de Estado Carlos Gabas e Edinho Silva (atual prefeito de Araraquara/SP), do Secretário de Saúde do Rio Grande do Norte, Cipriano Maia. Além deles, empresários e outros servidores públicos também foram indiciados.

A contratação se iniciou a partir do Ofício Circular de 6 de abril de 2020, assinado pelo secretário-executivo do Consórcio, Carlos Gabbas, pelo qual solicitou aos estados-membros, em um prazo máximo de 12 horas, a transferência dos valores correspondentes à aquisição de 30 ventiladores pulmonares, por R$ 164.917,86 cada, totalizando R$ 4.947.535,80 para cada estado. Os respiradores não foram entregues e o dinheiro não foi devolvido. Pelo contrário, várias pessoas confirmaram que receberam valores e, também em depoimentos, um engenheiro disse que o equipamento que seria produzido no Brasil custaria R$ 15 mil, valor quase 11 vezes menor que o cobrado pela Hempcare e pago pelos estados. Na investigação da CPI, parlamentares ouviram versões e a maioria dos membros chegou à decisão sobre o indiciamento.

Anteriormente, o relatório do deputado Francisco do PT, apresentado na semana passada, havia sugerido o indiciamento de quatro pessoas por estelionato: Cristiana Prestes Taddeo e Luiz Henrique Ramos Jovino, da Hempcare, além dos empresários Paulo de Tarso Carlos, da Biogeoenergy, e Cleber Isaac Ferraz Soares. Porém, na sessão desta quinta-feira, os deputados Gustavo Carvalho (PSDB), Getúlio Rêgo (DEM) e o presidente da CPI, Kelps Lima (Solidariedade), apresentaram voto parcialmente divergente, que foi aprovado e acrescido ao relatório.

No entendimento dos parlamentares, a investigação considerou que há materialidade para a acusação de improbidade o fato do secretário Cipriano Maia e da governadora Fátima Bezerra terem transferido quase R$ 5 milhões dos cofres do Governo do Estado para o Consórcio Nordeste sem justificativa contratual. A transferência do dinheiro ocorreu no dia 7 de abril, quando a ordenação de despesa só foi confeccionada no dia 14 de abril. Além disso, o contrato dos respiradores só foi assinado no dia 22 de abril. Para os deputados que sugeriram o voto divergente, a situação está “flagrantemente fora do que determina a lei”. “Mesmo com o secretário Cipriano Maia afirmando que a governadora não tinha conhecimento sobre a liberação dos quase R$ 5 milhões do Rio Grande do Norte para o Consórcio, a narrativa não se sustenta, até porque a governadora é a representante do Estado no Consórcio”, disse Kelps Lima. “O resultado é que até hoje nenhum dos respiradores foi entregue ao Rio Grande do Norte e o dinheiro desapareceu”, criticou.

Apontando que houve “nível sem precedentes de negligência”, Kelps Lima disse que também deveriam ser indiciados também o governador da Bahia, Rui Costa, que era o presidente do Consórcio Nordeste, e o ex-ministro Carlos Gabas, até hoje o secretário-executivo do Consórcio Nordeste e que já ocupava o cargo na ocasião do pagamento do contrato investigado.

Outro político indiciado pela CPI, e que não estava entre os indiciados anteriormente, é o ex-ministro Edinho Silva, atual prefeito de Araraquara. O motivo para o indiciamento foi a falta de explicação para recebimento de doação de R$ 4 milhões em respiradores da empresa Hempcare, que recebeu os R$ 48,7 milhões do Consórcio Nordeste. A justificativa para a doação, que não chegou a ser concluída, foi, de acordo com os membros da CPI, um pedido de Carlos Gabas, que disse que Edinho Silva era “um irmão”. O pedido teria sido uma condição para que o Consórcio Nordeste fechasse o negócio com a Hempcare.

“O secretário do Consórcio colocou os interesses de um aliado político, de Araraquara, acima dos interesses do Consórcio Nordeste. Por esse motivo, sugerimos que a governadora Fátima Bezerra solicite a imediata demissão de Carlos Gabas. Caso não seja atendida, que determine a retirada do Rio Grande do Norte do Consórcio”, disse Kelps Lima.

O voto divergente ainda promoveu o indiciamento do servidor do Consórcio Nordeste Valderir Claudino Souza e do ex-secretário do Gabinete Civil da Bahia Bruno Dauster.

Por outro lado, os deputados Francisco do PT e George Soares (PL) criticaram o indiciamento de Fátima Bezerra e também do secretário Cipriano Maia. Enquanto George Soares disse que o indiciamento dos gestores não tinham qualquer razão plausível, Francisco do PT disse que as acusações contra a gestora e o secretário foram genéricas. “A história haverá de provar quem está com a verdade”, disse.

Confiram pedidos de indiciamentos referentes ao contrato de compra de respiradores pelo Consórcio Nordeste:

Cristiane Prestes Taddeo, Luiz Henrique Ramos Jovino e Paulo de Tarso Carlos – corrupção ativa (art. 333 do Código Penal), fraude em licitação (art. 337-L, V do Código Penal) e associação criminosa (art. 288 do Código Penal). São donos da Hempcare

Cléber Isaac – associação criminosa (arts. 288 do Código Penal) e corrupção ativa (art. 333 do Código Penal) – (Há documentação que sugere ter ele recebido R$ 3.000.000,00 por ter facilitado o contato da Hempcare junto ao Consórcio Nordeste)

Fernando Galante – associação criminosa (arts. 288 do Código Penal) e corrupção ativa (art. 333 do Código Penal) (A CPI não foi capaz de coletar nenhuma informação apta a justificar o recebimento de R$ 9.000.000,00, oriundos diretamente da contratação da HempCare com o Consórcio Nordeste; Os documentos e os depoimentos coletados não denotam a prestação de nenhum tipo de serviço ou assessoria, por parte do senhor Fernando Galante, que viesse a justificar que lhe fosse destinado aproximadamente 19% do valor total do contrato).

Bruno Dauster – (ex-secretário do Gabinete Civil da Bahia) contratação direta ilegal, nos termos dos arts. 337-E do Código Penal e por improbidade administrativa – (Além disso, a documentação produzida informa que Bruno Dauster era a pessoa que estava à frente das negociações, inclusive, declinando o servidor Valderir Claudino, para tratar com a sra. Cristiane sobre os detalhes relacionados ao contrato e liberação dos valores, tratativas que vieram a resultar na elaboração do contrato pelo próprio advogado da empresa HempCare, que o redigiu de forma a ignorar as cautelas inerentes à administração pública, e resguardar a empresa de qualquer sanção, inclusive da apresentação de garantia.).

Carlos Gabas – indiciamento nos termos do crime de corrupção passiva (art. 317 do Código Penal), contratação direta ilegal (art. 337-E do Código Penal), bem como art. 10°, X e XII da Lei 8.429 (agir ilicitamente na arrecadação de tributo ou de renda, bem como no que diz respeito à conservação do patrimônio público; e permitir, facilitar ou concorrer para que terceiro se enriqueça ilicitamente). (Secretário-executivo do Consórcio Nordeste)

Rui Costa – indiciamento nos termos do art. 10°, XI da Lei 8.429 (liberar verba pública sem a estrita observância das normas pertinentes ou influir de qualquer forma para a sua aplicação irregular) (A documentação sigilosa fornecida pelo PGE/BA, indica que alterações contratuais ocorreram posteriormente à análise pelo órgão consultivo, pouco antes da assinatura, no próprio Gabinete da Casa Civil, mudança que tornou os termos do Contrato extremamente prejudiciais ao ente público, sem qualquer reavaliação por parte do órgão jurídico, uma vez que o parecer da PGE não analisou o instrumento contratual que foi assinado pelo Consórcio e a HempCare)

Valderir Claudino Souza – (ficou evidenciado por meio de laudo pericial, que foi o servidor responsável por ter inserido e manuseado os documentos digitais previamente à assinatura do contrato sem cláusula de garantia, que, conforme declarações, foi redigido pela própria assessoria jurídica da HempCare, razão pela qual entendo cabível a solicitação de promoção de indiciamento nos termos dos arts. 337-E do Código Penal e por improbidade administrativa, nos termos do art. 10°, XII da Lei 8.429.)

Edinho Silva – art. 337-F do CP (Frustrar ou fraudar, com o intuito de obter para si ou para outrem vantagem decorrente da adjudicação do objeto da licitação, o caráter competitivo do processo licitatório), na medida em que o depoente Paulo de Tarso Carlos expressamente informou que o senhor Edison Silva possivelmente teve conhecimento prévio sobre a contratação com o Consórcio Nordeste, supostamente tendo ciência da intenção de doação de respiradores ao município paulista, como contrapartida para contratação da HempCare, desde antes da formalização da doação.

Cipriano Maia e Fátima Bezerra – nos termos do art. 10°, XI da Lei 8.429, decorrente de violações expressas às normas descritas nos art. 8° da Lei 11.107 e art. 13 do Decreto 6.017 (liberar verba pública sem a estrita observância das normas pertinentes ou influir de qualquer forma para a sua aplicação irregular).

Categorias
Matéria

CPI indicia secretário de saúde

O secretário de Saúde do Rio Grande do Norte, Cipriano Maia, foi incluído entre os indiciados pela CPI da Covid da Assembleia Legislativa. A decisão ocorreu durante a 35ª reunião da comissão, na tarde desta quarta-feira (15), quando parte do relatório do deputado Francisco do PT foi analisado e os parlamentares propuseram mudanças. Além de Cipriano Maia, empresários e uma servidora também foram indiciados.

Na reunião passada, o relatório foi lido pelo deputado Francisco do PT com o indiciamento de algumas pessoas, principalmente relacionadas ao Consórcio Nordeste. Nesta quarta, contudo, os parlamentares analisaram 10 dos 13 processos investigados pela CPI – o do Consórcio Nordeste ficou para a quinta-feira (16). Na análise, a maior parte dos deputados aprovaram mudanças no relatório.

No início da reunião, o presidente da CPI da Covid, deputado Kelps Lima (Solidariedade), explicou como seria a dinâmica para a votação. Ao todo, foram dados quatro votos complementares, que ampliavam sugestões ou diligências em contratos, além de outros seis votos divergentes, que tratavam sobre mudanças drásticas no entendimento do relator no documento apresentado anteriormente. Todos os votos divergentes e complementares foram de autoria conjunta dos deputados Kelps Lima, Gustavo Carvalho (PSDB) e Getúlio Rêgo (DEM). Na sessão, as propostas complementares foram aprovadas à unanimidade. Por outro lado, outros seis votos divergentes foram aprovados por 3 votos a 2, sempre com votos contrários do relator, Francisco do PT, e do deputado George Soares (PL).

Nos votos divergentes, os contratos analisados foram para compra de respiradores fora de especificações e nunca utilizados; compra de testes contra Covid; contratação de instituto para inquérito sorológico; contratação de Organização Social para gestão de leitos nos hospitais João Machado e Alfredo Mesquita; aquisição de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs); e contrato de serviço de transporte sanitário. Em todos os contratos, o secretário Cipriano Maia foi indiciado. Além dele, empresários envolvidos na contratação de gestão de leitos e na contratação de EPIs, enquanto uma servidora e Cipriano Maia foram indiciados pela contratação do transporte sanitário.

Na justificativa para os indiciamentos, o deputado Kelps Lima, que fez a leitura dos votos divergentes, elencou elementos que supostamente apontavam para direcionamento de contratação de empresas e “omissões dolosas” por parte do secretário Cipriano Maia. Por outro lado, Francisco do PT criticou os indiciamentos por apontar informações que supostamente afastam a possibilidade de intenção em cometer irregularidades. Além disso, ele questionou o não indiciamento de empresários em outros processos em que Cipriano Maia aparece como indiciado, já que, no entendimento do relator, se há conluio, deveria haver indiciamento de quem supostamente teria participado.

Após a votação, os deputados convocaram outra sessão para a quinta-feira (16), quando serão analisados os contratos investigados na Operação Lectus, compra de respiradores pelo Consórcio Nordeste e campanha publicitária de prevenção à covid com participação de ex-candidato filiado ao PT.

Categorias
Matéria

Kelps anuncia relatório paralelo para indiciar petistas

Daniela Freire

Novo Notícias

“A filiação partidária não tem nenhuma importância pra mim”. Foi o que garantiu à coluna o deputado Kelps Lima, presidente da CPI da Covid no RN, ao comentar sobre a sua divergência do relatório final apresentado na última quinta-feira pelo relator, deputado Francisco do PT. Kelps, que reclamou publicamente a ausência de “petistas” na lista de indiciados apresentados no relatório, argumentou: “Precisamos indiciar envolvidos e, neste caso, os escândalos aconteceram em gestões petistas. Os ordenadores de despesas são todos filiados ao PT, mas o relator preferiu ignorar”.

Entrevistado da coluna desta semana, o presidente da comissão confirmou que apresentará um novo documento, que já está sendo chamado de relatório paralelo, no qual ele irá propor a “inclusão destes nomes (do PT)”. “Na minha opinião, a proposta de relatório do deputado Francisco deixou vários envolvidos de fora”, reforçou Kelps. Segundo contou o deputado, há uma “larga documentação” que a CPI possui “mostrando claramente que tem muito mais pessoas envolvidas no Escândalo do Consórcio Nordeste”. “A própria polícia federal indiciou muito mais pessoas no inquérito que corre no STJ”, disse.

Kelps Lima, que caiu no gosto do presidente Bolsonaro por defender a punição a governadores do PT e ao Consórcio Nordeste da CPI, disse que não se ilude “com momentos de sucesso” ao ser questionado se a CPI tem lhe servido como palanque para capitalizar votos bolsonaristas para as próximas eleições, quando ele disputará uma cadeira de deputado federal. “Minha construção política não foi, nem é feita de ‘momentos’”, afirmou.

Sobre a situação do Solidariedade no RN em 2022, depois que o presidente nacional do partido, Paulinho da Força, anunciou apoio do partido à pré-candidatura de Lula à Presidência, Kelps Lima garantiu que há “zero conflito com o partido e muito menos com Paulinho” e que aqui no Estado a legenda se manterá fazendo oposição ao PT.

Categorias
Análise

Para ficar bem na fita com bolsonaristas, Kelps faz montagem em que simula (falso) debate com Lula

Num post em que afirma ser um #tbt das fake news do PT, o deputado estadual Kelps Lima (SD), apresenta uma montagem do ano passado em que passa a impressão dele estar num debate com o ex-presidente Lula (PT).

A simulação de uma “lacrada” para cima do petista se dá quando Lula afirma que a governadora Fátima Bezerra (PT) está comendo o pão que o diabo amassou com a elite do Estado.

Em seguida Kelps afirma que Fátima tem dificuldades porque mente e que ele não é da elite e mesmo assim faz oposição à petista.

O internauta mais desavisado olha e pensa que houve algum debate recente entre o deputado estadual e o ex-presidente em que o político potiguar deu uma invertida sobre o líder político.

Não foi isso.

Trata-se de uma montagem extraída a partir de uma live envolvendo Lula e o governador do Maranhão Flávio Dino (PSB) – confira abaixo.

Kelps até poderia fazer a montagem no estilo react, algo bem comum no Youtube, desde que deixasse bem claro para o público que se trata disso, mas na legenda ele só afirma que é uma resposta a uma fake news do PT dando a entender que no passado disse que Fátima era mentirosa numa discussão com Lula.

A fake news do PT na verdade é um meme que satiriza o deputado, notoriamente antipetista, pelo apoio anunciado por seu partido a candidatura do ex-presidente Lula em 2022.

Meme escrachadamente humorístico tirou Kelps do sério (Imagem: reprodução)

Com atuação focada no eleitorado bolsonarista, Kelps precisava dar uma resposta rápida para se desvincular do PT mesmo que fosse para reagir uma postagem notoriamente de humor.

Fazer uma montagem sem deixar isso claro para o público não é a forma mais honesta de rebater uma fake news ainda que seja nada mais do que um meme escrachadamente humorístico.

Nota do Blog: Kelps, esse texto foi escrito por minha iniciativa porque não suporto esse tipo de truque. Se quiser rebater faça com argumentos e não dizendo que foi porque A ou B mandou.

 

Categorias
Matéria

Antipetista no RN, Solidariedade vai apoiar Lula na disputa presidencial

A informação é da jornalista Daniela Lima da CNN. O Solidariedade vai apoiar o PT nas eleições presidenciais do ano que vem.

O partido de Paulinho da Força vai apoiar Lula.

“Alckmin: Ser ou não ser, eis a questão. Na sexta, voltou a dizer q já foi governador 4 vezes e q o projeto nacional, ou seja, Lula, deve ser analisado. Segue dividido. Paulinho da Força, presidente do Solidariedade, por sua vez, me disse hj q martelo tá batido. Vai com Lula 2022”, disse. “Clareando aqui: Paulinho disse que ele e o partido dele, o SOLIDARIEDADE, vão com Lula”, complementou.

O fato gera um contraste. O Solidariedade tem uma postura antipetista no Rio Grande do Norte. Os três deputados estaduais do partido fazem oposição à governadora Fátima Bezerra (PT) na Assembleia Legislativa.

Além disso, o prefeito de Mossoró Allyson Bezerra (SD) firmou aliança com o ministro das comunicações Fábio Faria (PSD).

Categorias
Matéria

Deputado enquadra “lacração” de Kelps: “isso aqui é mídia para promover alguém”

O deputado estadual George Soares (PL) perdeu a paciência com o presidente da CPI da covid Kelps Lima (SD) e apontou as contradições do colega que deu diversas entrevistas garantindo que os trabalhos não teria “lacração”.

A fala foi durante o depoimento do secretário estadual de saúde Cipriano Maia. Kelps se retirou do plenário paara gravar vídeo para as redes sociais avisando que o auxiliar da governadora tinha assinado um contrato sem ler. “Foi dito que não ia haver politicagem, que não ia ter showzinho e um bocado de coisa, mas está sendo feito constantemente. É uma situação constrangedora”, disparou.

George criticou a postura dos parlamentares que transformaram a CPI em palanque. “Isso aqui é mídia para promover alguém”, argumentou.

Confira o vídeo:

Nota do Blog: finalmente um deputado bateu de frente com Kelps.