Categorias
Artigo

A ‘rosalbificação’ de Allyson

O prefeito Allyson Bezerra (União) está cada vez mais parecido com a ex-governadora Rosalba Ciarlini (PP), a quem derrotou nas eleições de 2020.

O chefe do executivo municipal tem adotado um perfil perseguidor, de confronto com os sindicatos (inclusive com esforços para enfraquecê-los) e tentando intimidar os poucos setores da mídia local que ousam apontar falhas na gestão.

Como Rosalba, Allyson deixou grande parte das obras para serem entregues no ano da eleição. Outra estratégia bem comum nas gestões de Rosalba são as assinaturas de ordem de serviço em massa poucos meses antes da eleição.

Assim como Rosalba, Allyson enxerga a mídia como um agrupamento de pessoas mal-intencionadas que quer destruí-lo e passou a boicotar os profissionais que não são do seu agrado se recusando a dar entrevistas e fuçando a vida pessoal dos jornalistas por meio de capachos.

No começo da gestão, o prefeito até tinha uma postura mais institucional, mas aos poucos foi se assemelhando à “Rosa de Mossoró” e passou a hostilizar adversários atiçando uma horda de puxa-sacos nas redes sociais.

Mossoró mandou os Rosados para a aposentadoria e está rejeitando o nome de Rosalba sem se dar conta que apenas trocou seis por meia dúzia com uma pitada de desenvoltura nas redes sociais.

Categorias
Matéria

PP reúne pré-candidatos a vereador

O Diretório do PP de Mossoró reuniu na tarde de sexta-feira parte da nominata de pré-candidatos a vereador nas eleições de outubro.

A reunião, que aconteceu no Sítio Cantópolis, serviu para o grupo traçar estratégias de fortalecimento do partido em Mossoró.

“Foi um momento em que compartilhamos ideias e discutimos os desafios que nos leve a construir uma plataforma unificada”, disse a ex-prefeita Rosalba Ciarlini que também participou do encontro.

Categorias
Matéria

Gestão de Allyson tem R$ 1,5 bilhão a mais que a antecessora

Blog do Magnos

O prefeito de Mossoró, Allyson Bezerra (União Brasil), não tem do que reclamar quando o assunto é arrecadação. O volume de recursos arrecadado pelo Município de Mossoró durante o seu governo cresceu quase 75% em relação ao governo Rosalba Ciarlini.

De acordo com dados do Portal da Transparência, de 1° de janeiro de 2021 a 31 de março de 2024, na atual gestão, a Prefeitura de Mossoró arrecadou R$ 3.350.178.320,95, enquanto que de de 1° de janeiro de 2017 a 31 de março de 2020, na gestao anterior, o montante foi de R$ 1.914.887.172,47. São R$ 1.435.291.148,48 a mais para Allyson gastar.

Ao longo da gestão Allyson, a arrecadação aumentou anualmente, saltando de R$ 844 milhões, em 2021, para R$ 1,1 bilhão, no ano passado. E deve continuar crescendo. Considerando a arrecadação média dos três primeiros meses de 2024, o montante deve superar R$ 1,5 bilhão neste ano.

Arrecadação gestão Allyson

2021

R$ 844.555.966,75

2022

R$ 994.220.858,51

2023

R$ 1.129.321.388,14

2024

R$ 382.080.107,55 (Até 31 de março)

Arrecadação gestão Rosalba

2017

R$ 526.574.056,58

2018

R$ 569.288.651,20

2019

R$ 615.486.800,97

2020

R$ 203.537.663,72 (Até 31 de março).

Fonte: Portal da Transparência

Categorias
Matéria

Conversa de Carlos Augusto com bolsonarista reforça que rosalbismo não é confiável para o PT

O encontro do ex-deputado estadual Carlos Augusto Rosado com o presidente municipal do PL Genivan Vale é uma demonstração de que o rosalbismo não merece a confiança do PT.

Já emergiu dos bastidores que o rosalbismo quer o apoio do PT, mas sem indicação de vice. Agora conversa com o PL de Jair Bolsonaro.

É uma profunda demonstração de desapreço com o partido da governadora Fátima Bezerra e do presidente Lula.

O golpe está aí, o PT só cai se quiser!

Categorias
Matéria

O que dirá João Maia a respeito do diálogo entre PP e o PL de Rogério Marinho em Mossoró?

O que o deputado federal João Maia, presidente estadual do PP, acha dessa conversa dos seus liderados em Mossoró com a o PL do senador Rogério Marinho?

Até agora o deputado não se manifestou.

No final do ano passado ele deixou o PL após mais de 20 anos após levar uma rasteira de Rogério Marinho.

João assumiu o PP no Estado, mas manteve o partido sob controle do rosalbismo em Mossoró.

Minha aposta: vai dizer que assuntos locais ele não se mete.

Categorias
Matéria

Enquanto cogitava aliança restrita com o PT, rosalbismo flerta com o bolsonarismo

A revelação é do Blog Diário Político: o líder do rosalbismo Carlos Augusto Rosado abriu conversas com o PL ao dialogar com o pré-candidato a prefeito do partido Genivan Vale.

A abertura de conversa veia na esteira da declaração do ex-deputado federal Beto Rosado (PP) de que não apoiaria a tia afim, Rosalba, caso ela se alie ao PT.

O rosalbismo já deixou claro nos bastidores que gostaria de ter o apoio do PT pensando em abocanhar a estrutura do Governo do Estado e colar na grife Lula, que sempre transfere votos em Mossoró, mas não tem nada a oferecer, nem a vaga de vice.

Enquanto paquera com o PT, o rosalbismo flerta com os bolsonaristas.

Categorias
Análise

Rosalba quer unir em torno de si a oposição que sempre a combateu sem ter nada a oferecer

A ex-governadora Rosalba Ciarlini (PP) saiu da toca depois de passar os últimos anos longe do noticiário político. Agora ela quer se unir ao campo progressista de Mossoró, seguimento que sempre combateu e foi combatida, para formar uma frente para desafiar a reeleição do prefeito Allyson Bezerra (União).

Rosalba sabe que tem poucas chances de triunfar sobre quem lhe impôs a sua primeira derrota eleitoral em quase 40 anos de trajetória política.

O que ela quer é retomar o capital eleitoral para buscar alguma coisa em 2026. Voltar a ter a relevância depois de um 2022 pífio é o percurso a ser ultrapassado nesse projeto.

Para isso quer se unir a velhos adversários sem ter nada a lhes oferecer. Nem uma vaga de vice ela topa conceder. Age como se ainda estivesse no auge, no topo, com a coroa imperial…

É um venha nós sem vosso reino numa aliança que tem a certeza da derrota.

Categorias
Análise

Fátima apoiar Rosalba em Mossoró é abraçar o rótulo de salva vidas de oligarcas

O domingo que passou teve o registro da ex-governadora Rosalba Ciarlini acompanhando a governadora Fátima Bezerra (PT) ao lado do ministro da justiça Ricardo Lewandowski.

As fotos levantaram as especulações de um entendimento entre Rosalba e o PT. Uma mistura política com status de água e óleo, diga-se de passagem.

Em 2018, a então senadora Fátima quis o apoio da então prefeita Rosalba. Este operário da informação alertou que a tríplice disputa envolvendo a petista, o então governador Robinson Faria e o de ex-prefeito de Natal Carlos Eduardo Alves era o caminho errado.

O eleitorado majoritário em Mossoró era o antirrosalbista. Carlos Eduardo ficou com o apoio de Rosalba, inclusive com o filho dela de vice, e Fátima venceu na capital do Oeste nos dois turnos.

Após a derrota em 2020, Rosalba amargou um ostracismo político e só na reta final de 2022, quando já estava bem claro que Fátima venceria fácil em Mossoró, ela declarou apoio na petista. A manifestação teve influência irrelevante no resultado eleitoral.

Hoje é Rosalba quem precisa de Fátima e do PT. Não o contrário. Quando Fátima precisou, Rosalba lhe deu as costas. Não faz sentido político nenhum essa aliança para a esquerda mossoroense.

Se Fátima, que escolheu Walter Alves (MDB) como vice em 2022, decidir marchar com Rosalba em Mossoró, vai colocar na testa o rótulo de salva vidas de oligarcas.

Categorias
Análise

Quem diria? Rosalba tenta colar no PT em busca de impulso político

No domingo, durante a visita do ministro da justiça Ricardo Lewandowski a Mossoró para acompanhar as buscar pelos fugitivos do presídio federal uma presença surpreendeu: a da ex-governadora Rosalba Ciarlini (PP).

Ausente do debate público nos últimos anos, Rosalba estava lá ao lado de um ministro do presidente Lula, da governadora Fátima Bezerra e da deputada estadual Isolda Dantas.

Rosalba estava colando no PT, um partido que sempre combateu e que sempre lhe fez oposição. O mais irônico é que por anos ela espalhou a teoria da conspiração de que a violência (hoje em declínio) aumentou em Mossoró por causa do presídio federal.

Nada sério foi publicado que sustentasse as afirmações de Rosalba. Era só cortina de fumaça para esconder a incompetência do próprio governo.

Após flertar com o bolsonarismo e insinuar na campanha de 2018 que o PT teria envolvimento com a facada desferida em Jair Bolsonaro no dia 6 de setembro daquele ano, Rosalba agora tenta retomar fôlego eleitoral colando no PT para tentar se viabilizar como principal adversária do prefeito Allyson Bezerra (União) nas eleições deste ano.

Rosalba tem uma tarefa ingrata ao escolher esse caminho. A afinidade com o PT é negativa. A resistência a seu nome no campo progressista é enorme e mesmo o desgaste de Allyson com esse segmento não gerou saudades da “Rosa”.

O passado de Rosalba condena. Mas ela vai tentar colar no PT para se alavancar, quem diria?

 

Categorias
Matéria

Rosalba quer usar apoio de ex-adversários para sair do ostracismo e se capitalizar para 2026

A ex-governadora Rosalba Ciarlini (PP) se colocou como nome para disputar a Prefeitura de Mossoró mais uma vez em 2024. Nome desgastado, ela sabe que tem poucas chances de vencer.

Política tem lógica.

Se em 2020, numa eleição que não tinha um viés de mudança muito claro ela perdeu para Allyson Bezerra (União) não será em 2024 com uma eleição com claro viés de continuidade que ela vai sair vitoriosa sobre o mesmo adversário que a derrotou quatro anos atrás.

Após amargar um ostracismo em 2022, quando foi irrelevante no processo eleitoral, Rosalba tenta se aproximar de antigos adversários políticos que fazem oposição a Allyson para unir a oposição em torno de si para recuperar o capital eleitoral perdido e se cacifar para algum cargo legislativo em 2026.

Os nomes emergentes da oposição precisam abrir o olho.