Categorias
Matéria

Fátima veta lei que proíbe cobrança de passaporte vacinal

A governadora Fátima Bezerra (PT) vetou o projeto de lei do deputado estadual Coronel Azevedo (PL) que proíbe a cobrança do passaporte vacinal nos estabelecimentos comerciais do Rio Grande do Norte.

A decisão leva em conta que a cobrança do esquema vacinal ajudou a aumentar os índices de vacinação no Rio Grande do Norte.

Na sessão de hoje na Assembleia Legislativa o deputado reclamou da decisão. ““Eu quero deixar claro que não sou contra a vacina. O Brasil é referência mundial em vacinação, especialmente contra a Covid-19. Fomos até convidados pela OMS para integrar o grupo de países que vão falar sobre as políticas de Saúde para o futuro da humanidade. E o presidente Bolsonaro conduziu isso muito bem. Mas eu sou defensor da liberdade. Eu acho que cada cidadão deve analisar os benefícios e os riscos das vacinas e tomar sua decisão”, argumentou.

Categorias
Sem categoria

Foro de Moscow 12 mai 2022 – Coronel Azevedo: o deputado monarquista

Categorias
Análise

Azevedo: um deputado monarquista

Quem diria que o deputado estadual que falou ter sido Pedro Álvares Cabral o autor da independência do Brasil seria monarquista.

Pois é!

Coronel Azevedo (PL) é monarquista e está organizando amanhã uma audiência pública para discutir o legado da Princesa Isabel e o movimento pró-monarquia.

Será amanhã, às 14h.

Azevedo deve sonhar com uma monarquia, de preferência sem um Orleans e Bragança, mas com um Bolsonaro e seus filhos como príncipes.

Quem sabe role um título de nobreza para Azevedo.

Tenho uma sugestão: Barão de Touros.

Categorias
Matéria

Deputado bolsonarista larga presidência de partido para se filiar ao PL

O deputado estadual Coronel Azevedo deixou a presidência do Partido Social Cristão (PSC) para se filiar ao Partido Liberal (PL).

Coronel Azevedo justificou a decisão como um gesto de compromisso e lealdade ao presidente Jair Bolsonaro que foi para o PL. “Vamos seguir juntos, Deus, Pátria, família, liberdade e sobretudo lealdade ao Presidente Jair Bolsonaro, estamos no 22”.

O PL está montando nominatas para a disputa dos cargos de deputado estadual e federal, além da majoritária, que tem o ex-ministro Rogério Marinho como pré-candidato a senador da República.

Sobre a saída do PSC, o Parlamentar agradeceu ao Presidente Nacional, Senador Marcondes Gadelha, pela confiança em presidir a sigla no Rio Grande do Norte e mandou uma mensagem aos filiados no estado. “A todos os amigos que me seguem no PSC, o meu abraço, nosso mandato segue à disposição”, afirmou.

 

Categorias
Análise

Pizza da CPI da Arena das Dunas está no forno

Ontem era para ter sido lido o relatório da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Arena das Dunas marcada pela descoberta de uma série de irregularidades na formatação dos contratos de exploração do estádio da Copa do Mundo de 2014 durante a gestão da então governadora Rosalba Ciarlini (na época no DEM).

Sempre deixei claro que essa era a CPI que não vinha ao caso. As manobras para enterrá-la antes do início não foram adiante porque ela tinha que existir para ter a CPI da covid, a que realmente interessava a elite potiguar.

A manobra em curso ontem é para que o relatório sequer seja lido pela deputada estadual Isolda Dantas (PT). O presidente da CPI Coronel Azevedo (PSC) tem boas relações com Rosalba, o deputado estadual Getúlio Rego (União Brasil) foi líder do governo dela e a surpresa negativa é do Subtenente Eliabe, do “moralista” Solidariedade.

Eles atuam juntamente com Tomba Farias (PSDB) como um grupo de pizzaiolos para que a CPI não tenha um resultado a apresentar a sociedade.

E olhe que o Tribunal de Contas do Estado (TCE) apontou sobrepreço nos contratos que atinge R$ 400 milhões e a Polícia Federal já bateu a porta (Operação Mão na Bola) de Rosalba para apurar pagamentos de propina na casa dos R$ 15 milhões.

Os prejuízos bem superiores aos R$ 5 milhões dos respiradores que o Governo do Estado luta para recuperar na Justiça.

 

Categorias
Matéria

Coronel Azevedo oferta advogado para PMs entrarem na Justiça contra o passaporte da vacina

O deputado estadual Coronel Azevedo (PSC) está disponibilizando um advogado para que policiais militares entrem na Justiça contra a exigência do passaporte vacinal para entrar nos quarteis do Rio Grande do Norte.

Para isso foi criado um grupo de Whatsapp chamado “PM Sangue Puro” em que está sendo discutida a entrada de uma ação coletiva sem custos para entrar com um mandado de segurança.

Este é somente mais um caso de agitação nos quarteis promovida pelo deputado. A iniciativa estimula a indisciplina e a quebra de hierarquia.

O primeiro embate jurídico entre PMs e Governo foi promovido por um sargento da PM e já contou com derrota com decisão do desembargador Dilermando Mota negando a suspensão do passaporte da vacina (ver AQUI).

Categorias
Foro de Moscow

Foro de Moscow 28 out 2021 – Vacina e nazismo: o bolsonarismo de Coronel Azevedo

Categorias
Artigo

Coronel Azevedo coloca o bolsonarismo no divã ao acusar governadora de prática nazista

O deputado estadual Coronel Azevedo (PSC) é uma espécie de caricatura do presidente Jair Bolsonaro no contexto da política potiguar.

A ele dou o título de sub-Bolsonaro-mor da Assembleia Legislativa.

Ontem ao criticar a obrigatoriedade das vacinas para servidores estaduais, Azevedo forçou a barra comparando a medida a uma prática nazista.

A formulação chega ao chamado ponto Godwin que afirma que quando alguém faz analogia de algo com o nazismo é porque perdeu a discussão.

De fato, Azevedo está sempre do lado errado da história. É saudosista da ditadura militar, apoia Bolsonaro e defende tratamento precoce com remédios comprovadamente ineficazes para a covid-19. Ele confunde liberdade de expressão com crime e crime com liberdade de expressão, não respeita o regimento militar que proíbe uso de farda em eventos políticos ainda para os militares da reserva.

Agora ele faz campanha em favor de uma suposta liberdade individual de não se vacinar. Tudo para manter-se alinhado com o seu líder.

Dá péssimo exemplo, diga-se de passagem.

Azevedo faz uma apelação esdruxula ao comparar a obrigatoriedade da vacinação com práticas nazistas.

A medida visa proteger as pessoas (a maioria pobres) que buscam os serviços públicos do risco de contrair a covid. Se vacinar não é uma questão de escolha individual como fazer ou não uma dieta, mas assunto de saúde pública e de interesse coletivo.

A fala do deputado é irresponsável. É defender que as pessoas que buscam serviços públicos sejam atendidas sob risco de contaminação de uma doença que levou a morte mais de 600 mil brasileiros, a maioria deles pobres.

É uma iniciativa para salvar vidas.

Ao citar o nazismo em referência ao que é oposto à essa ideologia assassina, Azevedo coloca o bolsonarismo, que abraça com orgulho, no divã.

Afinal de contas, Bolsonaro já agradeceu o apoio de um site neonazista, já se deixou fotografar com um sósia de Hitler, já teve um secretário de cultura (Roberto Alvim) que se inspirou em Josef Goebles (ministro da propaganda nazista), recentemente recebeu e tirou fotos com Beatrix von Storch do partido Alternativa para a Alemanha que está cheio de neonazistas, já disse (mentindo) com orgulho que o avô lutou no exército de Hitler na Segunda Guerra Mundial e usa um corte de cabelo que lembra a figura do “Fuhrer”.

Foi Bolsonaro quem apostou na estratégia de imunidade de rebanho que fez do Brasil um péssimo exemplo de como lidar com a pandemia. O presidente ataca minorias sem o menor pudor como Hitler fazia.

Ao sucumbir ao ponto Godwin, Azevedo embarcou na frase falsamente atribuída a Lênin “Acuse os adversários do que você faz, chame-os do que você é!” muito citada como (veja a ironia) exemplo a ser seguido pelo guru do bolsonarismo Olavo de Carvalho.

O discurso do deputado coronel serviu como um espelho que refletiu a sua própria imagem.

Freud explica!

Categorias
Sem categoria

Deputado bolsonarista critica obrigatoriedade de vacina para servidores e apela ao nazismo

Portal do Oeste

Em pronunciamento na sessão ordinária desta quarta-feira na Assembleia Legislativa, o deputado estadual Coronel Azevedo criticou a decisão do Governo estadual em publicar um decreto que obriga servidores públicos a se vacinar “sob ameaça de demissão daqueles que não o fizerem”.

Coronel Azevedo esclareceu que “não é contra a vacina da Covid-19, mas sou a favor da autonomia da relação médico-paciente. Inclusive do sigilo da profissão do médico. Até porque a vacina contra a Covid-19 é experimental”.

Ele disse que “como toda vacina tem seus prós e contras. Por isso, é preciso que cada cidadão converse com seu médico e tome sua decisão de se vacinar ou não”.

Segundo o deputado, esse decreto do Governo é totalmente contra a liberdade. Coronel Azevedo denunciou que “há relatos e de outros problemas pós vacinação. É preciso pensar se caberá ou não responsabilidade civil no âmbito judicial contra quem der essas ordens que resultarem em problemas gravíssimos”.

Ele lembrou que “todas as fabricantes de vacinas da covid-19 exigiram aos compradores que assinassem documento isentando-os de qualquer efeito danoso, maléfico pós vacinação”.

O parlamentar citou o caso do filho de um servidor da Assembleia Legislativa que, após tomar uma vacina mais antiga, está com sequelas permanentes. “Aconselho a cada um que busque o significa o Código de Nuremberg, que médicos foram utilizados para aplicar experimentos na Alemanha nazista e resultaram em milhares de mortes foram depois condenados à morte. Eles [médicos] disseram que estavam fazendo os experimentos por ordem do Estado cumprindo um dever de servidor e obedecendo ao governante nazista”, explicou.

O deputado do PSC aconselhou a governadora Fátima que “não se equipare a essas ordens dadas pelos nazistas e queira praticar essas atrocidades contra as pessoas”. Coronel Azevedo sugeriu que se respeite a relação médico-paciente e o sigilo da profissão médica para que deixe as pessoas tomarem sua decisão se vão ou não se vacinar.

No encerramento de sua fala, Coronel Azevedo informou que dia 5 de novembro será realizada uma audiência pública para tratar a respeito da obrigatoriedade da vacina contra a Covid-19.

Nota do Blog: a comparação da obrigatoriedade da vacinação com o nazismo é bizarra. Voltarei ao assunto.

Categorias
Matéria

Deputado espalha fake news sobre derramamento de leite

O deputado estadual Coronel Azevedo (PSC) gravou vídeo em que acusa o Governo do Estado de perseguir produtores de leite e derramar 700 litros do produto.

A gravação teve repercussão em vários blogs do RN e nas redes bolsonaristas.

No entanto, a fiscalização não foi feita nem pela Secretaria Estadual de Tributação (SET) e nem pelo Instituto de Defesa e Inspeção Agropecuária do RN (IDIARN).

Na verdade a apreensão foi feita pelo Serviço de Inspeção Municipal (SIM) da Secretaria Municipal de Agricultura e Desenvolvimento Rural da Prefeitura de Mossoró.

Confira a explicação do site Fato ou Fake:

É falso que fiscais da Secretaria Estadual de Tributação (SET) e do Instituto de Defesa e Inspeção Agropecuária do RN (IDIARN) “jogaram no chão 700 litros de leite”, como disse em vídeo divulgado nas redes sociais o deputado estadual Coronel Azevedo (PSC). A ação, ocorrida durante blitz sanitária realizada na RN 117, no último dia 28/09, foi de competência do Serviço de Inspeção da Prefeitura de Mossoró.

A informação falsa divulgada pelo parlamentar foi reproduzida em diversos blogs locais, omitindo da sociedade que os municípios que possuem Serviço de Inspeção Municipal (SIM), conforme estabelece a Lei nº 7.889/1989, têm autonomia para promover ações de fiscalização, interdição e/ou apreensão nos estabelecimentos produtores de alimentos de origem animal.

A participação dos órgãos do Governo do Estado, como é rotineiro nesses casos, teve caráter educativo, com o objetivo de fiscalizar o trânsito de animais e vegetais, verificar a documentação zoofitosanitária e assegurar a sanidade dos rebanhos e controle de pragas animais. Já a apreensão dos 700 litros de leite in natura durante a referida blitz sanitária foi executada pelo SIM da Prefeitura de Mossoró, que é ligado à Secretaria Municipal de Agricultura e Desenvolvimento Rural.