TRE libera deputado para trocar de partido

 

Coronel Azevedo está liberado pelo TRE para deixar o PSL (Foto: Assessoria)

O Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Norte (TRE-RN) decidiu, por unanimidade, garantir ao deputado estadual Coronel Azevedo sua liberação partidária. Com isso, ele está, oficialmente, com sua desfiliação do Partido Social Liberal (PSL). A decisão aconteceu na sessão plenária desta quinta-feira, 1, ocorrida na sede da Corte eleitoral.

A petição Nº 0600116-29.2019.6.20.0000 teve como relator o desembargador Cornélio Alves de Azevedo Neto e trata da “justificação de desfiliação partidária” uma vez que o parlamentar protocolou seu pedido para saída do PSL.

Em trecho de sua decisão, o relator disse que “autoriza a desfiliação sem que seja considerado infiel nem a perda do mandato de deputado estadual”.

Coronel Azevedo assegura que vai manter sua linha de oposição ao governo estadual e de apoio ao governo federal, posições que têm externado na Assembleia Legislativa desde o início de seu mandato.

Compartilhe:

Deputado vai aguardar decisão do TRE para definir novo partido. PSC seria o destino

Deputado vai aguardar decisão do TRE para escolher novo partido (Foto: João Gilberto)

Em conversa com o Blog do Barreto o deputado estadual Coronel Azevedo informa que vai aguardar a homologação de sua saída do PSL por parte do Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Norte (TRE/RN) para definir o futuro partidário.

“Foi uma decisão amigável que tomamos em conversa com o General Girão (deputado federal do PSL) e agora é aguardar os trâmites”, explica.

Segundo informaram ao Blog do Barreto, Azevedo deve se filiar ao PSC. O deputado não confirma. “Só vou abrir conversas quando o TRE homologar minha desfiliação do PSL”, garante.

Coronel Azevedo anunciou ontem que está deixando o PSL, mas garantiu que segue apoiando o presidente Jair Bolsonaro.

Compartilhe:

Deputado deixa PSL, mas não Bolsonaro

Coronel Azevedo não é mais do PSL (Foto: Assessoria)

O deputado estadual Coronel Azevedo oficializou a decisão de deixar o PSL. A decisão foi em comum acordo com a direção do partido no Rio Grande do Norte.

No entanto, ele segue na oposição à governadora Fátima Bezerra (PT) e apoiando o presidente Jair Bolsonaro (PSL).

Ele obteve 27.606 votos na eleição do ano passado.

Compartilhe:

Reforma administrativa do Estado volta a ser alvo de diligências

Comissão faz diligência em projeto (Foto: Eduardo Maia/AL)

Para dar mais celeridade, sem acúmulo de matérias em sua pauta de reuniões ordinárias semanais, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) realizou na manhã desta quinta-feira (2) uma reunião extraordinária para análise e votação de relatórios de 15 projetos.

Da pauta foram aprovados oito proposituras, duas foram consideradas inconstitucionais, quatro baixaram em diligência e uma teve pedido de vista, motivado por uma emenda encartada na Comissão de Administração, Serviços Públicos e Trabalho (CASPT), no Projeto de Lei Complementar que dispõe sobre a Reorganização do Poder Executivo do Estado.

“Pedimos vista porque queremos analisar a emenda que foi feita na Comissão de Administração. O Governo do Estado mandou a matéria para esta Casa, mas até agora não temos informação sobre a redução de seus gastos. E isso é importante a gente ter conhecimento, porque o Rio Grande do Norte está atravessando uma calamidade financeira. É lamentável, mas o Governo não está cumprindo o seu papel”, afirmou o deputado coronel Azevedo (PSL) autor do pedido de vista.

No Projeto de Lei que dispõe sobre a implantação de estudos sobre a história, os costumes e tradições de cada município em suas escolas de ensino médio, embora considerado de grande importância pela relatora deputada Isolda Dantas, ela propôs um substitutivo com a colocação na redação que as atividades propostas são extracurriculares.

A matéria que trata da obrigatoriedade de equipe multidisciplinar na rede pública estadual de Educação Básica foi considerado inconstitucional, de acordo com o artigo 64 da Constituição Estadual por gerar despesa para o Executivo.

A outra considerada inconstitucional foi a que dispõe sobre normal para instalação e funcionamento de estacionamento privativo para carros fortes, por ser uma competência da União.

Participaram da reunião os deputados Raimundo Fernandes (PSDB), Kleber Rodrigues (Avante), Coronel Azevedo, Isolda Dantas, Allyson Bezerra (SDD) e Hermano Morais (MDB).

Nota do Blog: a reforma administrativa também foi alvo de diligências na Comissão de Finanças e Fiscalização.

 

Compartilhe:

Deputado nega mudança partidária e dispara contra Fátima: “tem tudo para ser a pior governadora”

Deputado critica governadora (Foto: David Freire)

O deputado estadual Coronel Azevedo (PSL) foi o entrevistado de hoje no Meio-Dia Mossoró. Ele negou que vá mudar de partido, mas admitiu que existem alguns problemas na sua agremiação.

“Meu foco é no mandato e ainda estou me ambientando na política, mas houve algumas situações deselegantes. Em todo lugar tem divergências e num partido não é diferente”, frisou.

Ele também justificou o voto contra a homenagem ao estudante Emmanuel Bezerra dos Santos: “Ele foi estudante, mas se alinhou ao Partido Comunista Revolucionário e queria implantar uma ditadura no país. Morreu em troca de tiros com a polícia”, disparou.

Azevedo também reforçou a má avaliação que fez da governadora Fátima Bezerra (PT) em entrevistas na capital. “Torço que não seja, mas tem tudo para ser a pior governadora do Rio Grande do Norte. ”, declarou.

Compartilhe:

Deputados se posicionam contra homenagem a jovem torturado e morto pela ditadura militar

 

Deputados votam contra homenagem (Montagem: Blog do Barreto)

Durante a discussão do projeto de lei que dá o nome de Emmanuel Bezerra dos Santos para a Casa do Estudante de Natal, os deputados estaduais Allyson Bezerra (SD) e Coronel Azevedo (PSL) se posicionaram contra a homenagem.

A discussão foi na Comissão de Constituição e Justiça da Assembleia Legislativa.

Coronel Azevedo classificou a homenagem como uma humilhação para a Polícia Militar. “Isso é uma humilhação para a Polícia Militar do Rio Grande do Norte. Ali, em 1935 era o quartel da PM. Emmanuel não era mais estudante e um militante do grupo que queria transformar o país numa ditadura. Vivia na clandestinidade e morreu enfrentando a Polícia”, justificou.

Já Allyson Bezerra negou influência ideológica no voto. “O deputado (Coronel Aezevedo) tem uma posição ideológica e por isso votou contra a admissibilidade.  O meu não é por esse motivo. Deixei claro no voto. Mas sim para evitar que amanhã a casa aprove o nome de quem assassinou esse aluno como o nome de outro prédio público. O que irá ocorrer seguindo a linha da admissibilidade para tudo. Infelizmente está sendo associado ao inverso que defendo”, explicou.

Durante a discussão, a deputada Isolda Dantas reagiu: “Não se pode desqualificar. Se havia perseguição era porque o que havia no país era uma ditadura. Não vamos desconstruir os outros heróis. Homenageiem os seus heróis e respeitem os dos outros. Na democracia há o direito de se homenagear todos os heróis”.

Como o voto dela e dos deputados Kleber Rodrigues (Avante) e Hermano Morais (MDB) a proposta terminou sendo aprovada e será votada em plenário.

Quem foi

Emmanuel Bezerra dos Santos é natural de São Bento do Norte onde nasceu em 1947. Ele morou na Casa do Estudante, cursou o atual ensino médio no Atheneu e foi aluno do curso de pedagogia na UFRN onde se tornou liderança estudantil sendo presidente do Diretório Central dos Estudantes (DCE).

O estudante integrou o Partido Comunista Brasileiro (PCB) e o Partido Comunista Revolucionário (PCR).

Ele foi preso em Recife em 1973 sendo em seguida encaminhado ao DOI-CODI onde passou pelas mãos do delegado Sérgio Fleury. Emmanuel não resistiu as sessões de tortura. Aversão passada pelo regime era de que ele tinha morrido numa troca de tiros com a polícia na cidade de São Paulo.

Compartilhe:

Para deputado, Fátima teve 100 dias lastimáveis e Bolsonaro cumpre promessas

Deputado é do PSL (Foto: cedida)

O deputado estadual Coronel Azevedo (PSL) criticou nesta segunda-feira (22) o governo Fátima Bezerra (PT), que completou 100 dias neste mês de abril: “são 100 dias lastimáveis”, avaliou o parlamentar. Ele traçou um paralelo entre o governo Bolsonaro e o governo da petista no Rio Grande do Norte, afirmando que o presidente conseguiu cumprir as promessas iniciais de governo, enquanto Fátima não logrou êxito nesse quesito.

“São 100 dias lastimáveis. Enquanto Bolsonaro iniciou uma medição das promessas de campanha, que avaliou Temer, Dilma e agora ele, enquanto Bolsonaro é o que mais cumpriu as promessas de campanha nesses primeiros 100 dias, não podemos dizer o mesmo em relação a Fátima, decepção total”, disse o coronel em entrevista ao Hora Extra da Notícia (91.9 FM) nesta segunda (22).

O parlamentar do PSL afirmou ainda que o ex-governador Robinson Faria (PSD) é considerado o pior governador da história nos últimos 30 anos, mas que Fátima Bezerra está de olho no posto de seu antecessor. “Parece que Fátima, pelo andar da carruagem vai tomar o troféu de pior governador da história do Rio Grande do Norte”, ironizou o deputado.

Em referência aos governos dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff (PT), o deputado também foi duro nas palavras: “acabamos o período da bandidolatria que vivenciamos”, disse, acrescentando que Jair Bolsonaro inaugura uma “nova etapa no Brasil”.

Apesar das críticas, o parlamentar do PSL não quis dar uma nota ao governo Fátima, mas disse apenas orar a Deus por dias melhores para o Rio Grande do Norte.

Compartilhe: